fev 26

Contornando problemas do token pelo Vivo TuGo

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 26/02/2016 às 11:16h

      Ontem eu recebi email de um leitor do blog, me pedindo ajuda para resolver a seguinte situação: ele mora no exterior, mas precisa gerenciar conta em bancos brasileiros. Contudo, tais instituições não oferecem como uma opção de token via SMS, o cadastro de números internacionais. Claro, dá pra usar via aplicativo do banco, mas antes de chegar nessa etapa, o banco exige um número nacional para validação.

      Há alguns meses a Vivo lançou um app chamado Vivo TuGo. Com ele, você “transforma” sua linha tradicional da Vivo numa linha VoIP, podendo usar até 5 dispositivos para fazer e receber, tanto chamadas, quanto SMS. Ou seja, se você estiver fora do país e com acesso a internet, via Wi-Fi ou 3G/ 4G, consegue receber chamadas no seu número brasileiro sem pagar exorbitantes tarifas de roaming.

      No caso do nosso leitor, tem um complicador porque, uma vez cadastrado o número da Vivo na sua conta do banco, é necessário ir até uma agência ou uma das máquinas de auto-atendimento para validar a informação. Contudo, uma vez feito isso, poderá receber os token via SMS em qualquer lugar do mundo, usando seu Vivo TuGo. Como ele virá ao Brasil nas próximas semanas, problema resolvido.

      Se você tiver emigrando do Brasil, coisa cada vez mais comum de se ver, devido as atuais condições político e econômicas, recomendo que compre um chip pré-pago da Vivo, ative o app Vivo TuGo e faça recargas mínimas regulares para manter o número ativo. No caso da Vivo, o mais recomendável são R$ 20, válidos por 90 dias. Se depois desses 3 meses você não recarregar, em até 2 meses eles cancelam a linha.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
dez 30

Evite que o iPhone devore o plano de dados em minutos

2 Comentarios »Postado por GordoGeek em 30/12/2015 às 17:48h

     Depois de quase 3 anos usando Android, minha irmã ganhou um iPhone de natal do meu pai. Ela estava toda feliz, mas pouco tempo, ficou p. da vida pois seu plano de dados, que antes durava o mês todo, estava sendo devorado. Ela chegou a ligar algumas vezes para Vivo, mas a operadora dizia que não poderia fazer nada e o pacote estava mesmo sendo todo consumido em minutos.

     A bizarrice chegou ao ponto de um dia ela mandar um SMS contratando mais 100MB com a Vivo, deixar o telefone carregar e ir pra piscina. Quando ela voltou, poucos minutos depois, já tinha a mensagem da contratação do pacote e logo em seguida outra mensagem, dizendo que os 100MB haviam sido consumidos. Aparentemente, era um erro da operadora, né? Mas infelizmente, não. O problema eram as configurações nativas do iPhone e de alguns aplicativos, como o WhatsApp.

     No vídeo acima eu dou algumas dicas de como configurar o iPhone e o WhatsApp para que seu plano de dados não seja consumido em pouquíssimo tempo. Com certeza isso deveria vir dessa forma nativamente, sem que o usuário tenha que configurar, já que nem todos sabem dessa problema e como fazer para corrigí-lo. Uma vez que não é assim, divulgue esse post para ensinar os amigos, especialmente os novatos no mundo Apple.

TAG(s):
Categoria(s): Apple
dez 30

Como fazer o plano de dados da Claro funcionar no iPad 3G

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 30/12/2015 às 14:52h

     Fiquei algumas semanas com um problema muito chato: não conseguia usar o 3G/ LTE do meu iPad. Primeiro achei que o modem tinha queimado. Mas ae tentei chips da Tim, Oi e Vivo, chegando a conclusão que o problema só ocorria mesmo com o chip da Claro.

     Procurei um monte no Google e não achei nenhum reporte de problema similar. Mexi um tudo que foi opção, mandando resetar configurações de rede, chegando até a formatar tudo, mas nada de conseguir arrumar. Pior que não dava erro algum ao abrir Facebook, Twitter, Chrome, etc. Só não funcionava. Ae eu resolvi abrir o Safari e me veio uma dica do problema.

     Não faço a mínima ideia do motivo, mas a Claro não autoriza o uso de um chip pré-pago padrão no iPad. O APN padrão bandalarga.claro.com.br não autoriza a navegação. Foi ae que o Everton Favretto apareceu com a solução. Ao trocar o APN por java.claro.com.br, passou a navegar numa boa.

     O problema infelizmente ainda não parece 100% resolvido, porque a Claro dá Facebook e Twitter de graça pros assinantes. Tudo que é consumido pelos apps oficiais, não conta na cota de dados e não é abatido do plano. Nos smartphones, aparece lá no topo “Facebook/ Twitter grátis só na Claro”. Porém, no iPad isso não aparece e a navegação está sendo cobrada. Assim, abri um chamado na Anatel e aguardo a Claro se pronunciar.

     Update 07/01/2016 14:27h => Depois de diversas ligações, a Claro me disse que para resolver a questão, eu teria que migrar meu chip pré-pago para um chip específico para tablet. Nessa modalidade, o chip iria funcionar apenas pra dados e perderia as funções de voz. Um tremendo absurdo!

TAG(s):
Categoria(s): Apple
dez 17

Sobre o Compartilhamento Familiar e Apple ID

2 Comentarios »Postado por GordoGeek em 17/12/2015 às 18:06h

     Ano passado a Apple introduziu no iOS 8 um recurso chamado Compartilhamento Familiar. A nova função facilitou bastante o gerenciamento de compras dentro de uma família, mas ainda está longe de ser perfeito. Vamos falar um pouco sobre isso.

     Aqui em casa eu tenho iPhone/ iPad, a esposa tem iPhone/ iPad e meus dois filhos, um menino de 5 anos e uma menina de 3 anos, tem iPads (totalizando então 4 pessoas/ membros e 6 dispositivos). Além disso, na família, meus pais e irmãos também tem iPad e/ ou iPhone. Infelizmente, a Apple limitou o número de membros de uma família a apenas 6. Claro, isso deve atender a mais de 95% das famílias, mas há casos que o número acaba sendo insuficiente.

     Antes desse recurso estar disponível, eu acabava configurando os aparelhos dos filhos, esposa, pais e irmãos no iTunes do meu iMac. Eu posso ter até 10 dispositivos cadastrados. E bem, esse número, pra mim, também está sempre me criando problemas. Mas, novamente, pra maioria das pessoas deve ser suficiente e é sempre nisso que a Apple pensa: atender a maioria e não a todos.

     Como sou usuário Apple de longa data, tenho muita coisa comprada na loja deles, sejam apps, músicas, livros, filmes, etc. Sincronizar outra coisa, que não apps, é uma tarefa fácil, pois geralmente não tem updates. Porém, os aplicativos, tem atualizações frequentes e isso acaba gerando alguns probleminhas.

     Por um tempo eu até deixei meu Apple ID logado nos dispositivos dos meus familiares. E, claro, tinha que deixar a senha com eles também. E, obviamente, como tenho um cartão de crédito válido associado a essa conta, imagina o problema de segurança, além de transtornos como crianças (ou adultos) não autorizados fazendo compras pra você pagar, por mais que você avise (“foi mal, cliquei errado”).

     Eu acabei criando um Apple ID pra cada pessoa/ dispositivo e resolvi parcialmente o problema das compras. Porém, sempre que surge um update, eu tenho que acabar colocando minha senha nos dispositivos, pra autorizar. E, como meus pais não moram na mesma cidade que eu, voltamos ao problema anterior.

     O compartilhamento familiar facilitou um pouco as coisas. Com ele, eu pude colocar minha esposa e filhos no grupo. Tudo que eu compro, eles conseguem baixar também, sem terem que pagar nada a mais por isso (inclusive os updates). Funciona assim: se eles vão comprar algo que eu já comprei, o sistema avisa, deixa-os baixar e não cobrando nada deles. Ou então, eles clicam sobre o meu perfil, veem uma lista do que já comprei e basta clicar em cima (privacidade mandou um beijo).

     Muita gente não sabe e imagina que todos os apps comprados por um membro, estão disponíveis para todos os outros. Infelizmente, não. A enorme maioria funciona assim, mas tem alguns poucos que não. Por que? O desenvolvedor, quando submete o aplicativo pra loja, precisa autorizar o recurso. Se ele não deixar, os membros da sua família não terão direito aos apps que você já pagou. Contudo, apenas uma minoria não autoriza. Então, não devemos nos preocupar muito com isso. Só achei que deveria comentar pois esse post pode servir de guia para quem tiver problemas envolvendo o Apple ID e Compartilhamento Familiar.

     A Apple só permite que pessoas com mais de 16 anos criem seus próprios Apple ID, seja no iTunes, seja na App Store, seja via o próprio site do Apple ID ou pelo dispositivo. Menos de 16 anos tem que ter uma conta criada pelo seu responsável.

     Dentro da aba de Compartilhamento Familiar você tem a opção de criar o cadastro da criança. Se tiverem até 13 anos, você deve autorizar todas as compras deles, inclusive as gratuitas. É uma forma dos pais manterem um certo controle sobre o conteúdo que os filhos consomem. Já se eles tem entre 13 e 16 anos, dá pra configurar pra autorizar que baixem apps gratuitos sem pedir senha e sem ter que pedir permissão de um responsável. No caso de você quer que autorizar tudo, o pedido de autorização chega via push num dispositivo (iOS ou Mac) autorizado e o responsável precisa por a senha do Apple ID pra autorizar.

     Eu sou assinante do plano familiar do Apple Music. Apesar dos meus filhos praticamente não usarem, o plano familiar custa “apenas” USD 3 a mais que o individual e permite que todos os membros do Compartilhamento Familiar tenham acesso ao serviço. Logo, sai muito mais barato que Spotify, Deezer, etc., mesmo com o dólar nas alturas.

     Agora voltamos ao “problema” com meus pais e irmãos. Eu queria criar um único Apple ID pra todos eles, já que, como disse antes, cada conta pode ficar logada em até 10 aparelhos. Assim, eu permitiria que eles tivessem acesso a meus apps (tanto a instalação de novos, quanto updates), além do Apple Music. Mas estou tentando achar a melhor forma de fazer isso.

     Se eu criar um Apple ID de uma “identidade fake”, que tenha até 13 anos, eles não vão conseguir baixar nada sem que eu autorize e eu não quero eles me ligando a todo momento pra eu autorizar isso. Vai ser chato pra mim e pra eles. Logo, descartei isso.

     Eu cheguei a pensar que tinha resolvido o caso criando um fake com 14 anos, pois pensei que eles poderiam baixar os apps gratuitos por si mesmos e os pagos eu teria que autorizar. Mas não funciona assim. Se eu deixo uma opção marcada, eles não podem baixar nada sem eu autorizar. Se desmarco, eles podem baixar tudo (inclusive apps pagos, o que eu não quero) sem eu autorizar. Assim, ainda não achei como fazer. Se você tiver uma ideia, me fale.

     Uma coisa importante a respeito do Apple Music. Você talvez tenha pensado: “vou deixar cada um com seu Apple ID, logado no iCloud e uma conta única na Apple Store, já que são menus diferentes dentro do iOS”. Eu também pensei isso. Porém, o Apple Music é um serviço da loja, mas é vinculado a conta do iCloud. Logo, não rola deixar um login diferente pra cada.

     Hoje é menos necessário que no passado, mas antigamente, era mandatório se ter um Apple ID vinculado a uma iTunes Store de outro país, como os Estados Unidos. Isso porque, na loja brasileira, não havia jogos e mais um monte de apps. Assim, sem um Apple ID gringo, você perderia boa parte de graça de se ter um dispositivo Apple. Logo, tenho um grande histórico de apps comprados lá.

     Quando vi o recurso do Compartilhamento Familiar ser anunciado, logo pensei: acabou a putaria de ter que ficar me logando com várias Apple ID (de vários países) pra fazer os udpates nos meus dispositivos. Coloco todos eles na minha família e resolvo o problema. Nananinão! A Apple só permite que os membros da família tenham Apple ID do mesmo país. Logo, nada de 4 Apple ID brasileiros e um gringo.

     Você deve estar pensando: gordo folgado, não quer nem ter um trabalhinho extra pra ter tudo atualizado. O problema é que, quando eu dou logout do Apple ID no iOS, ele mata tudo que baixei do Apple Music. Ae eu coloco a conta gringa, atualizo, tiro a conta, volto a do Brasil e tenho que baixar tudo de novo no Apple Music. Imagina fazer isso toda vez que tem um update de app que você comprou na conta americana. Chato pra caralho, né? Por isso que deixo baixo os updates pelo iTunes do iMac e depois sincronizo por lá. Ae ele manda pros dispositivos a versão mais nova. Porém, quando faço isso, todas as músicas do Apple Music no iTunes também vão pro saco. Assim, resolvi que não vou manter cache das músicas no iMac.

     Um outro problema que a Apple ainda precisa resolver são as compras feitas dentro de aplicativos (in-app purchase). Eu imaginei que meus familiares teriam acesso a elas também, sem precisar da minha senha. Infelizmente, não tem. Quando clicam no botão de restaurar compras in-app, o sistema não identifica que a conta em questão pertence a minha família e, como eu já paguei por elas, eles também teriam acesso. Nesses casos, eu preciso logar minha conta no dispositivo deles e clicar em restaurar as compras. Contudo, ae eles perdem o cache do Apple Music também. Chato!

     Espero ter esclarecido algumas coisas sobre Apple ID e Compartilhamento Familiar pra vocês. Quem ainda não usa o recurso, recomendo que ativem, pois facilita muito o gerenciamento, especialmente se a sua família tem até 6 membros.

TAG(s):
Categoria(s): Apple
dez 15

Vale a pena migrar da sua operadora para a OI?

4 Comentarios »Postado por GordoGeek em 15/12/2015 às 12:43h

     Há algumas semanas, TIM e OI lançaram novos planos com tarifas bem agressivas para falar com outras operadoras. Com isso, muita gente ficou na dúvida se vale a pena fazer a migração, mesmo que cada vez mais a tendência seja usar menos minutos e mais internet. Ninguém gosta de puxar o extrato e ver que pagou R$ 1,80 numa chamada de menos de um minuto pra outra operadora.

     Sempre fui usuário das três maiores operadoras: Vivo, TIM e Claro. Contudo, deixava sempre uma de principal e duas de backup. A principal ficava no meu telefone principal (recebendo recargas mensalmente e tendo um plano de internet também mensal) e as duas de backup eu fazia o mínimo de recargas possíveis, apenas pra manter a linha ativa e usava os serviços (geralmente internet) diários, quando a linha principal falhava. Eram usos bem esporádicos.

     Por muito tempo eu usei a Vivo como operadora principal, deixando TIM e Claro de backup. Porém, devido a queda acentuada de qualidade na Vivo, acabei rebaixando-a para backup e promovi a Claro para principal. Mas, tanto Vivo, como Claro, não possuem boas tarifas para falar com outras operadoras e isso era um enorme problema pra mim.

     Como meu plano da TIM era o Beta (100MB de internet por apenas R$ 0,50, o que dá R$ 1GB por R$ 5), acabei comprando um chip novo pra ativar o plano de R$ 7 por semana que dá direito a 150MB de internet, SMS ilimitados e 100 minutos pra falar com qualquer operadora no Brasil todo. Parecia uma grande oferta, mas a cobertura da TIM inviabilizou as coisas. Tentei durante longas 3 semanas e passei muita raiva, conforme relatei aqui nesse outro post. Assim, decidi fazer um teste com Oi, que até então, nunca tinha testado e não sabia da cobertura deles.

     Eu moro no interior e aqui não tem loja própria de nenhuma operadora. Só tem autorizadas, que geralmente só fazem serviços mais simples. Porém, nem isso a Oi tem aqui. Não sabia nem onde comprar um chip. Tentei em vários varejos da internet (como Magazine Luiza, Submarino, Americanas, etc.) e na hora de fechar a compra, dizia que o produto não podia ser enviado pro meu CEP. Ou seja, um primeiro passo nada simples, né? Sem o chip, sem serviço.

     Acabou que encontrei um chip pra comprar (infelizmente, nada de nanoSIM) numa farmácia. O chip custou módicos R$ 10 e veio já com o novo plano deles (que custa R$ 10 por semana) ativo. Logo, o chip acabou saindo de graça. Importante ressaltar que aqui na minha cidade, um chip geralmente sai por R$ 30 e não vem um bônus tão generoso quanto esse da OI. Recentemente tive que trocar chips da Claro e TIM, cada um saiu por R$ 30 e não ganhei nada de bônus.

     Uma coisa que muita gente não se dá conta é o seguinte: de nada adianta a oferta ser boa, se você não conseguir usá-la. Por que eu digo isso? A TIM tinha uma oferta excelente, mas a cobertura é sofrível. Quase nunca tem sinal e quando tem, fica em GPRS. Completar ou receber chamadas é um parto. De cada 7, 1 completa. Assim, não adianta migrar pra operadora e só passar raiva. O barato vai sair caro.

     A não ser que você já conheça muito bem os serviços da operadora que pretende migrar, jamais peça portabilidade do seu número pra ela, sem antes testá-la. Se não sabe como é o sinal onde você costuma estar, tente usar esse site da Anatel pra saber onde a operadora tem suas ERB (Estações Rádio Base), que nada mais são do que as antenas e os equipamentos que te conectam a rede delas.

     Depois de me lascar com a TIM, estava meio na dúvida se valeria a pena ir pra OI. Porém, como vi no site da Anatel que as antenas da OI geralmente estão próximas as da Claro e nesse, eu tenho bom sinal, era uma boa primeira impressão. Não é sempre que o sinal vai ficar igual, porque é algo mais complexo que isso. As operadoras podem usar frequências diferentes e isso vai afetar diretamente o nível do sinal. Além disso, uma operadora pode estar sobrecarregada numa determinada área e outra livre, o que também vai afetar a qualidade final do serviço prestado.

     Se você tiver um outro aparelho pra por o chip da operadora que pretende ir, podendo deixar ele ligado durante um período, sem afetar sua outra linha, é a melhor coisa. Assim, você faz um teste real, de pelo menos uma semana e vê como ela se comporta. Se sair tudo bem, ae você pensa em migrar, fazer portabilidade, etc.

     Caso não tenha outro aparelho, programe alguns alertas em seu celular (8hs, 12hs, 15hs, 18h e 21h) pra tirar o seu chip principal e por o chip da operadora que quer conhecer. Faça umas chamadas, teste a internet, etc.

     No caso da OI, eu achei bem interessante a proposta deles, pois como já disse mais acima, com R$ 10 você compra o chip e já tem esse novo plano ativo por 1 semana. Você terá 300 SMS, 400MB de internet e 75 minutos (pra qualquer operadora no Brasil todo) pra fazer o teste, sem precisar fazer uma recarga.

     O novo plano mais barato da OI custa R$ 10. Achei meio caro, pois são R$ 40 mensais e eu estava acostumado a por só R$ 25 por mês na Vivo ou Claro. Apesar do pacote ser muito bom, eu queria pagar um pouco menos. Eles poderiam ter um plano de R$ 7 por semana (o que daria R$ 28 por mês e não R$ 40), como a TIM e outras empresas tem. Mas se você pensar que vai ter 300 minutos pra qualquer operadora, mais 1.6GB de internet, 1.200 SMS e acesso a rede Oi Wi-Fi, parece troco de pinga.

     Outros planos da OI estão disponíveis aqui. O Controle (com obrigação mensal) mais vantajoso é o de R$ 44,90. Custa “apenas” R$ 4,90 a mais do que manter o semanal de R$ 10 e você ganha 2GB de internet (versus 1.6GB do outro). Se você fala pouco, tem o mensal de R$ 34,10 com 1GB de internet e minutos a parte (R$ 0,30 o minuto pra qualquer operadora). Pra quem fala mais, tem o que custa R$ 10 a mais e tem os mesmos 2GB, mas com o dobro de minutos (500).

     Uma coisa que achei estranho na OI foi a demora pra ativar o meu chip. Foram quase 8hs tentando usar, depois de cadastrar meu CPF e receber mensagem que estava sendo processado. Tive um problema parecido com a TIM também e esse durou quase 2 semanas. Então, 8hs é fichinha. Mas é algo incômodo pra quem quer comprar um chip e sair falando.

     A OI tem um site para os clientes consultarem os serviços, extratos, fazer recargas e afins. Ele é bonitinho e simples. Porém, os extratos disponíveis para a consulta são o dia atual menos 3 dias. Ou seja, se hoje é dia 15/12, só pode consultar até 12/12. Meio antiquado, né?

     A empresa também disponibiliza um app para celular, mas até o momento não consegui usar. Ele dá um erro e pede pra tentar mais tarde. Como contratei a linha tem menos de 24hs, ainda não consegui testar. Talvez nos próximos dias (ou horas) o sistema libere meu número.

     Uma coisa que eu detestei na TIM foi que não tinha como saber quantos minutos eu ainda tinha pra falar. Na OI, eles enviam um SMS quando você desliga a chamada, informando quantos minutos da sua franquia ainda tem. Além disso, se quiser saber essa informação (e outras, como o pacote de dados), basta ligar pra um número e receberá um SMS com todas as informações. Parece básico, mas na TIM eu não conseguia acesso fácil a isso.

     A OI tem nove opções de recarga, que vão de R$ 12 a R$ 200. No caso de R$ 12 e R$ 17, não tem bônus algum e os créditos são válidos por apenas 1 mês. Já nas recargas de R$ 20 e R$ 25, são válidos por 45 dias e você ganha um bônus de 100MB de dados. Com R$ 30, R$ 40 e R$ 50, também tem bônus de 100MB e os créditos duram 3 meses. Por fim, R$ 100 ou R$ 200 duram 6 meses e também tem o bônus de 100MB.

     O sinal da OI tem se mostrado muito melhor que o da TIM aqui pra mim. Claro, pra você pode ser diferente, então vale a pena consultar o site que passei e, quem sabe, comprar um chip pra testar na prática. Mas pra mim, aparentemente, resolveu o problema. Geralmente fica acima de 3 barrinhas no H+. Até o momento não tive nenhum problema pra receber ou fazer chamada.

     Já no uso de dados, aqui na minha cidade, nenhuma operadora tem 4G. Mas a Claro costuma atingir de 5Mb a 12Mb mesmo no 3G (H+). A TIM fica em torno de 1Mb, quando tem bom sinal 3G, o que é bem raro. Já a Vivo, anda uma lástima e não passa de 100kbps. A OI, tem oscilado de 300kbps a 3Mb, mesmo de madrugada, o que me deixou espantado, já que era pra ser rápido, uma vez que tem pouca gente usando.

     Estou cruzando os dedos pra OI manter a qualidade atual por muito tempo, pois assim vou conseguir parar com a putaria de múltiplos chips e ter uma qualidade mínima aceitável. Mas só o tempo dirá. Espero ter contribuído com as informações citadas e, se você é usuário da OI ou vai migrar pra ela, deixe seu comentário ae embaixo pra ajudar mais leitores.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
dez 13

Porque comprar um Moto X Play ao invés de um Zenfone 2

3 Comentarios »Postado por GordoGeek em 13/12/2015 às 21:41h

     Na semana passada eu fiz um post sobre a decepção que tive ao usar o smartphone Zenfone 2 da Asus. O aparelho foi muito elogiado por um bocado de sites de tecnologia, como sendo super poderoso, arrasando nos benchmark, mas eu simplesmente detestei o gadget.

     Eu pedi o cancelamento da compra no Submarino e, antes mesmo do estorno, acabei comprando um Motorola Moto X Play, que muitos vem dizendo ser uma super decepção da marca, um verdadeiro downgrade pra quem tinha a versão do ano passado. Mas por que eu optei pelo azarão, ao invés do favorito? Vamos lá, pois tenho alguns pontos pra explicar a decisão.

     Se tem uma coisa que a Apple sabe fazer é propiciar uma boa experiência ao usuário, independente das especificações técnicas, que ficam em segundo plano. O iPhone 6, que é um excelente aparelho, tem apenas 1GB de RAM e uma CPU dualcore. Enquanto isso, concorrentes do mundo Android (como o próprio Zenfone 2) trazem 4GB de RAM, outros entregam CPU octa-core, blablabla. Isso realmente importa?

     Muita gente criticou meu vídeo sobre o Zenfone 2 no YouYube dizendo que eu dei ênfase demais em design e isso é uma coisa muito pessoal. Não, não é. Se todo o mercado tivesse fazendo as cagadas que a Asus fez, tudo bem. Mas não é isso que estamos vendo. A Asus tentou copiar a LG em alguns pontos e deu um belo tiro no pé. Colocar caixas de som traseiras, onde o som fica abafado quando o aparelho é apoiado na cama, impossibilitando assim de ver um vídeo, não é legal. O mesmo vale para os botões na traseira, forçando o usuário a virá-lo toda vez que quer ajustar o volume. Ao digitar algo com o aparelho na mesa, ele fica “dançando” devido a sua curvatura avantajada. E por ae vai… Um verdadeiro show de horrores, que ninguém na Asus teve o bom senso de gritar PARE.

     Eu sinceramente não consigo ignorar falhas graves de design como essa, pois me afetam a todo minuto que interajo com o gadget. Porém, vamos deixá-las de lado só por um instante e vamos nos concentrar em outros ítens, como a pífia autonomia de bateria (chega ao meio dia com 45% de bateria), os 59% de RAM que o sistema devora mesmo sem nada carregado ou o fato de ter que abrir o aparelho para inverter os chips das operadoras, pois não dá pra fazer isso via software.

     Com o aumento do dólar e a venda da Motorola para a Lenovo, a linha Moto realmente sofreu um duro baque. Nem de longe são os espetaculares aparelhos de 2013/ 2014. Porém, não são de todo ruim. Eles são equilibrados. E essa é a palavra-chave. Deixaram de lado grandes números, um acabamento mais refinado, mas conseguiram entregar uma boa experiência pro usuário e isso é o que importa no final das contas. Não quero ficar lembrando quantos GB de RAM o aparelho tem. Quero clicar em algo e carregar rápido. E isso o Moto X me entrega.

     Eu optei pelo Moto X Play, concorrente direto do Zenfone 2 (ambos tem a mesma faixa de preço) porque não gosto de apps de terceiros inundando meu aparelho, sem que eu possa desinstalá-los (bloatware). Gosto de um Android puro, sem customização (ainda mais de péssimo gosto como a ZenUI). Isso só deixa o aparelho mais lento e inseguro, tendo em vista que atrasa os updates.

     A Motorola nunca teve uma câmera que se destacasse em seus smartphones. Muito pelo contrário. Mas eles finalmente acertaram a mão e colocaram uma câmera bem razoável nos Moto X desse ano. Aliás, até os Moto G, tiveram uma melhora significativa. Não vou comprar com o iPhone, porque isso seria covardia (e burrice, já que um custo R$ 1.000 e outro R$ 4.000). Mas se você levar em conta que o Sony Xperia Z5 custa mais de R$ 4.000 e tem uma câmera pior que a do Moto X, é um ótimo negócio.

     A bateria também ficou mais “esperta” (enormes 3630mAh) e tem durado mais. Segundo os primeiros testes, dá pra chegar até o final do dia num uso intenso ou um dia e meio pegando mais leve com o bichinho. Pra mim, se durar um dia todo de uso, no meu ritmo, cumpre seu papel. O que não pode é no meio do dia me forçar a pegar leve ou pior: me deixar na mão. Durante a madrugada eu durmo e não uso telefone, então o que espero é ter um aparelho que me aguente durante o dia, enquanto estou acordado e preciso dele. E como eu não moro numa vila indígena sem energia e posso deixá-lo carregando, sem problema de durar “só” um dia.

     Muita gente pode achar bobagem, mas eu sou fã dos comandos de voz do Google. Poder interagir com seu aparelho durante o dia, sem ter que pegá-lo na mão, disparando comandos sem apertar nenhum botão é coisa linda. E depois que você se acostuma, abrir mão disso é muito complicado.

     Apesar da TIM e OI terem liberado novos planos com tarifas super agressivas pra outras operadoras, ambas tem sinal muito ruim na minha cidade (e acredito que em grande parte do país). Claro e Vivo ainda seguem com a melhor cobertura, apesar dos planos mais caros. E é por isso que ainda preciso de um aparelho dualSIM e com possibilidade de usar, senão 4G, pelo menos 3G em ambos os slots, podendo comutar rapidamente, via software, sem ter que abrir a capa do aparelho no meio da rua, ejetar um SIM, colocar no bolso, ejetar outro, colocar no primeiro slot, tirar o outro SIM do bolso..

     Em testes de performance, medidos por aplicativos como GeekBench e AnTuTu, o Moto X Play tomou uma surra do Zenfone 2. Foram em torno de 35% de diferença. Mas, ainda bem, no dia-a-dia, pro meu uso, isso não se mostrou significativo. Pelo contrário. Enquanto eu experimentava alguns lags (travadinhas) no Zenfone, no Moto X Play eu sinto o sistema roda tudo super fluido. Talvez, porque não tem a customização cagada da fabricante pra atrapalhar, mas não posso afirmar que seja isso.

     Confesso que fiquei incomodado quando tava escolhendo entre Moto G de terceira geração e Moto X Play. Cheguei a encontrar promoções do Moto G por R$ 750, enquanto o Moto X Play saiu por R$ 997. Meu desconforto foi saber que o Moto G tem proteção IPx7, podendo ter contato com água, enquanto o Moto X não. Como assim? Eu tô pagando mais caro num modelo superior e ele não traz os mesmos recursos do mais barato? Talvez a Motorola, na sua luta por cortar custos, teve que fazer esse sacrifício (assim como outros). Mas eu fiquei fulo com isso.

     Falando em me deixar fulo, que diabos é aquilo de ter que escolher entre um segundo SIMcard e o cartão microSD no Moto X Style, Motorola? Sério que não dava pra colocar a gaveta do microSD em outro canto e deixar o usuário ficar com 2 operadoras e espaço extra? Burrice tem limites e vocês estão chegando bem perto dele. Conselho de quem gostou muito da marca no passado recente e está ficando descrente.

     Espero que nos próximos dias não surjam novos fatos desagradáveis no uso do Moto X Play, pois até o momento, as primeiras impressões são muito boas e certamente não me arrependo de ter devolvido o Zenfone 2.

TAG(s):
Categoria(s): Android
dez 10

Comparativo: Lenovo ThinkPad 8 vs Nokia Lumia 2520

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 10/12/2015 às 22:23h

     Muitas promoções rolando na interwebz e o pessoal me pergunta muito se ainda vale a pena comprar o tablet super estiloso e bem acabado da Nokia, o Lumia 2520 com Windows RT.

     Levando-se em conta que o Lumia 2520 foi vendido inicialmente há mais de R$ 2.500, vê-lo por R$ 999 faz o dedo coçar. Ele é lindo, bem feito, mas existe coisa melhor e mais barata, com o Lenovo ThinkPad 8. Confira no vídeo acima.

TAG(s):
Categoria(s): Windows Phone
dez 10

Comparativo: Nokia Lumia 2520 vs Sony Xperia Z2

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 10/12/2015 às 17:02h

     Crise batendo a porta do consumidor brasileiro, produtos já com quase 2 anos “encalhados” e as empresas precisando fazer dinheiro e girar o estoque pra abrir espaço pros novos modelos. Essa combinação de fatores tem feito os varejistas anunciarem bons produtos, mas um pouco antigos, por preços bem interessantes, como é o caso dos tablets 4G Nokia Lumia 2520 e o Sony Xperia Z2.

     Tanto o Sony, como o Lumia, tem muitas coisas parecidas e outras bem diferentes. Começando pelas parecidas, ambos tem um acabamento bem legal, 4G compatível com o padrão brasileiro, boa performance e tamanhos quase iguais. Porém, um roda Android e outro é movido pelo Windows RT, que já foi aposentado pela Microsoft. Qual a melhor escolha? Veja o vídeo acima.

TAG(s):
Categoria(s): Android, Windows Phone
dez 10

     Depois de muitos anos usando a Vivo como operadora principal, acabei mudando pra Claro, pois vinha tendo muitos problemas de cobertura, qualidade de chamada e especialmente baixas velocidades de 3G (não passava de 100kbps) com a Vivo, mesmo no começo do ciclo da franquia, com muitos MB ainda pra estourar o limite. Cheguei até a tentar usar a Tim, por causa dos novos planos com tarifas muito baixas pra falar com outras operadoras, mas como vivo sem sinal ou fico no GPRS (sim, nem EDGE é), acabei ficando com a operadora vermelha mesmo.

     A Claro me trouxe melhor cobertura (geralmente 3 ou 4 barrinhas), qualidade de chamada melhor e um 3G acima de 5mbps na média. Além disso, tem o benefício deles não cobrarem pelo uso de Facebook, Twitter e WhatsApp. Assim, meu plano de 600MB por R$ 24,90 acaba durando muito mais, pois meu maior uso (redes sociais) não é incluso na franquia do plano de dados.

     Como nem tudo são flores, tenho duas chateações com a operadora. Quem me acompanha pelo Twitter já deve saber muito bem quais são. Primeiro, eles ficam enviando uma propaganda massiva, mesmo eu pedindo pra não receber nada. Segundo, não existe recorrência nos pacotes de internet, me obrigando a efetuar a contratação manual todos os meses. Vou explicar melhor porque isso é chato.

     Apesar deu já ter pedido inúmeras vezes pra operadora parar de me enviar propaganda, inclusive 3 delas via Anatel, ela insiste em fazer. Se fosse um simples SMS, eu já acharia chato e abusivo, pois não quero receber, mas seria menos problemático. O x da questão é que ela envia a propaganda nesse formato, onde a tela do celular se acende e a mensagem fica na tela. Um toque errado no botão (com o celular no bolso, por exemplo) e você contrata um pacote sem querer. Detalhe: a burrice (ou má fé) da operadora chega a tanto que, mesmo eu tendo usado menos de 10% da franquia contratada do 3G, eles querem me vender um plano diário de dados. Oi? Não tem CRM nessa empresa, pra saber que tipo de propaganda deve ser encaminhada pro cliente?

     O segundo problema é que os pacotes de internet (R$ 14,90 por 300MB e R$ 24,90 por 600MB) não possuem recorrência. Ou seja, você não contrata uma vez, todo dia X eles cobram e você vai usando. No dia do vencimento, o pacote expira e eles começam a te cobrar R$ 0,75 pelo pacote diário. Gozado que, mesmo o celular estando no Wi-Fi, se a opção de dados estiver ativa, a cobrança vai ocorrer. Chato, né? Mas tem mais.

     Se você contratou o pacote no dia 10, ele não expira no próximo dia 10 às 23:59h. Ele expira na hora da contratação, mesmo a informação do *1052# dizendo que é às 23:59h. Assim, se você ativou dia 10/11 às 20:10h, no dia 10/12 às 20:11h eles já te cobram os R$ 0,75. Isso ocorreu ontem comigo.

     Outro detalhe é que você não tem a opção de cancelar o pacote, dentro da vigência dele e recontratar logo em seguida, pra não ocorrer essa cobrança de R$ 0,75. A única opção possível é você configurar um alerta no celular, desativar a opção de dados e esperar o SMS dizendo que o pacote venceu. Em seguida você o contrata de novo. Eu sinceramente acho isso de uma burrice, que fico na dúvida se é realmente falta de bom senso ou uma dificuldade pensada pra justamente cobrar centenas de milhares de usuários nesses R$ 0,75. O que vocês acham? Burrice ou má fé pra lesar o consumidor?

TAG(s):
Categoria(s): Geral
dez 07

     Final de ano está ae e muita gente resolve viajar. Se você é daqueles que recebe muitos parentes e não quer vê-los sugando toda sua banda de internet, te deixando sem nada para as suas coisas, veja como proceder. É muito simples e fácil, trazendo um enorme benefício para a sua rede.

     A limitação da velocidade de internet para convidados não é apenas “filhadaputagem”. Muita gente hoje em dia trabalha em casa e, como muitas pessoas são leigas, acabam clicando em um mundo de coisas e, algumas vezes, baixam um bocado de conteúdo pesado, deixando tudo lento. Se você trabalha em casa e precisa de uma banda mínima pra executar sua rotina, deixar a rede sem nenhum controle é um pesadelo. Mas você não precisa passar raiva com isso.

     A primeira dica que dou é implementar uma rede somente para convidados, como explico nesse outro post. É altamente recomendável fazer isso pois você cria uma rede isolada da sua. Assim, se alguém tiver vírus, não vai passar pros seus computadores. Além disso, eles terão acesso a internet, mas não a seus computadores. Ou seja, nada de fuçar em suas coisas e de repente achar aquela pastinha cheia de putaria.

     Muitos roteadores tem a função de gerenciamento de velocidade. Eu uso um TP-Link N750 (TL-WDR4300) e vou me basear nele. Porém, é bem provável que o seu também tenha esse recurso. Basta procurar um pouco nas opções dele pelas palavras chaves: Bandwidth Control.

     Aqui no meu caso, clico em “Guest Network” e na tela da direita, logo em cima, tem a opção “Enable Guest Network Bandwidth Control” para marcar. Abaixo, ficam as opções “Egress Bandwidth For Guest Network” e “Ingress Bandwidth For Guest Network”, que controlam, respectivamente, upload e download. Como minha internet é de 20Mb (pelo menos nominalmente), eu deixei algo em torno 2Mb de upload e 4,5Mb de download. Não é muito, mas suficiente pra usarem redes sociais. É melhor que o 3G por aqui, não vai usar a cota dos seus convidados, nem vai entupir a rede e impedir que se trabalhe.

     O controle é eficiente? No meu roteador, posso dizer que sim. Ao medir a velocidade pelo site SpeedTest, fica basicamente dentro do especificado no roteador, oscilando bem pouco. E, quando eu mudo a velocidade, nem precisa reiniciar. As novas diretrizes já passam a valer de imediato.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
preload preload preload