fev 26

Contornando problemas do token pelo Vivo TuGo

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 26/02/2016 às 11:16h

      Ontem eu recebi email de um leitor do blog, me pedindo ajuda para resolver a seguinte situação: ele mora no exterior, mas precisa gerenciar conta em bancos brasileiros. Contudo, tais instituições não oferecem como uma opção de token via SMS, o cadastro de números internacionais. Claro, dá pra usar via aplicativo do banco, mas antes de chegar nessa etapa, o banco exige um número nacional para validação.

      Há alguns meses a Vivo lançou um app chamado Vivo TuGo. Com ele, você “transforma” sua linha tradicional da Vivo numa linha VoIP, podendo usar até 5 dispositivos para fazer e receber, tanto chamadas, quanto SMS. Ou seja, se você estiver fora do país e com acesso a internet, via Wi-Fi ou 3G/ 4G, consegue receber chamadas no seu número brasileiro sem pagar exorbitantes tarifas de roaming.

      No caso do nosso leitor, tem um complicador porque, uma vez cadastrado o número da Vivo na sua conta do banco, é necessário ir até uma agência ou uma das máquinas de auto-atendimento para validar a informação. Contudo, uma vez feito isso, poderá receber os token via SMS em qualquer lugar do mundo, usando seu Vivo TuGo. Como ele virá ao Brasil nas próximas semanas, problema resolvido.

      Se você tiver emigrando do Brasil, coisa cada vez mais comum de se ver, devido as atuais condições político e econômicas, recomendo que compre um chip pré-pago da Vivo, ative o app Vivo TuGo e faça recargas mínimas regulares para manter o número ativo. No caso da Vivo, o mais recomendável são R$ 20, válidos por 90 dias. Se depois desses 3 meses você não recarregar, em até 2 meses eles cancelam a linha.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
dez 15

Vale a pena migrar da sua operadora para a OI?

4 Comentarios »Postado por GordoGeek em 15/12/2015 às 12:43h

     Há algumas semanas, TIM e OI lançaram novos planos com tarifas bem agressivas para falar com outras operadoras. Com isso, muita gente ficou na dúvida se vale a pena fazer a migração, mesmo que cada vez mais a tendência seja usar menos minutos e mais internet. Ninguém gosta de puxar o extrato e ver que pagou R$ 1,80 numa chamada de menos de um minuto pra outra operadora.

     Sempre fui usuário das três maiores operadoras: Vivo, TIM e Claro. Contudo, deixava sempre uma de principal e duas de backup. A principal ficava no meu telefone principal (recebendo recargas mensalmente e tendo um plano de internet também mensal) e as duas de backup eu fazia o mínimo de recargas possíveis, apenas pra manter a linha ativa e usava os serviços (geralmente internet) diários, quando a linha principal falhava. Eram usos bem esporádicos.

     Por muito tempo eu usei a Vivo como operadora principal, deixando TIM e Claro de backup. Porém, devido a queda acentuada de qualidade na Vivo, acabei rebaixando-a para backup e promovi a Claro para principal. Mas, tanto Vivo, como Claro, não possuem boas tarifas para falar com outras operadoras e isso era um enorme problema pra mim.

     Como meu plano da TIM era o Beta (100MB de internet por apenas R$ 0,50, o que dá R$ 1GB por R$ 5), acabei comprando um chip novo pra ativar o plano de R$ 7 por semana que dá direito a 150MB de internet, SMS ilimitados e 100 minutos pra falar com qualquer operadora no Brasil todo. Parecia uma grande oferta, mas a cobertura da TIM inviabilizou as coisas. Tentei durante longas 3 semanas e passei muita raiva, conforme relatei aqui nesse outro post. Assim, decidi fazer um teste com Oi, que até então, nunca tinha testado e não sabia da cobertura deles.

     Eu moro no interior e aqui não tem loja própria de nenhuma operadora. Só tem autorizadas, que geralmente só fazem serviços mais simples. Porém, nem isso a Oi tem aqui. Não sabia nem onde comprar um chip. Tentei em vários varejos da internet (como Magazine Luiza, Submarino, Americanas, etc.) e na hora de fechar a compra, dizia que o produto não podia ser enviado pro meu CEP. Ou seja, um primeiro passo nada simples, né? Sem o chip, sem serviço.

     Acabou que encontrei um chip pra comprar (infelizmente, nada de nanoSIM) numa farmácia. O chip custou módicos R$ 10 e veio já com o novo plano deles (que custa R$ 10 por semana) ativo. Logo, o chip acabou saindo de graça. Importante ressaltar que aqui na minha cidade, um chip geralmente sai por R$ 30 e não vem um bônus tão generoso quanto esse da OI. Recentemente tive que trocar chips da Claro e TIM, cada um saiu por R$ 30 e não ganhei nada de bônus.

     Uma coisa que muita gente não se dá conta é o seguinte: de nada adianta a oferta ser boa, se você não conseguir usá-la. Por que eu digo isso? A TIM tinha uma oferta excelente, mas a cobertura é sofrível. Quase nunca tem sinal e quando tem, fica em GPRS. Completar ou receber chamadas é um parto. De cada 7, 1 completa. Assim, não adianta migrar pra operadora e só passar raiva. O barato vai sair caro.

     A não ser que você já conheça muito bem os serviços da operadora que pretende migrar, jamais peça portabilidade do seu número pra ela, sem antes testá-la. Se não sabe como é o sinal onde você costuma estar, tente usar esse site da Anatel pra saber onde a operadora tem suas ERB (Estações Rádio Base), que nada mais são do que as antenas e os equipamentos que te conectam a rede delas.

     Depois de me lascar com a TIM, estava meio na dúvida se valeria a pena ir pra OI. Porém, como vi no site da Anatel que as antenas da OI geralmente estão próximas as da Claro e nesse, eu tenho bom sinal, era uma boa primeira impressão. Não é sempre que o sinal vai ficar igual, porque é algo mais complexo que isso. As operadoras podem usar frequências diferentes e isso vai afetar diretamente o nível do sinal. Além disso, uma operadora pode estar sobrecarregada numa determinada área e outra livre, o que também vai afetar a qualidade final do serviço prestado.

     Se você tiver um outro aparelho pra por o chip da operadora que pretende ir, podendo deixar ele ligado durante um período, sem afetar sua outra linha, é a melhor coisa. Assim, você faz um teste real, de pelo menos uma semana e vê como ela se comporta. Se sair tudo bem, ae você pensa em migrar, fazer portabilidade, etc.

     Caso não tenha outro aparelho, programe alguns alertas em seu celular (8hs, 12hs, 15hs, 18h e 21h) pra tirar o seu chip principal e por o chip da operadora que quer conhecer. Faça umas chamadas, teste a internet, etc.

     No caso da OI, eu achei bem interessante a proposta deles, pois como já disse mais acima, com R$ 10 você compra o chip e já tem esse novo plano ativo por 1 semana. Você terá 300 SMS, 400MB de internet e 75 minutos (pra qualquer operadora no Brasil todo) pra fazer o teste, sem precisar fazer uma recarga.

     O novo plano mais barato da OI custa R$ 10. Achei meio caro, pois são R$ 40 mensais e eu estava acostumado a por só R$ 25 por mês na Vivo ou Claro. Apesar do pacote ser muito bom, eu queria pagar um pouco menos. Eles poderiam ter um plano de R$ 7 por semana (o que daria R$ 28 por mês e não R$ 40), como a TIM e outras empresas tem. Mas se você pensar que vai ter 300 minutos pra qualquer operadora, mais 1.6GB de internet, 1.200 SMS e acesso a rede Oi Wi-Fi, parece troco de pinga.

     Outros planos da OI estão disponíveis aqui. O Controle (com obrigação mensal) mais vantajoso é o de R$ 44,90. Custa “apenas” R$ 4,90 a mais do que manter o semanal de R$ 10 e você ganha 2GB de internet (versus 1.6GB do outro). Se você fala pouco, tem o mensal de R$ 34,10 com 1GB de internet e minutos a parte (R$ 0,30 o minuto pra qualquer operadora). Pra quem fala mais, tem o que custa R$ 10 a mais e tem os mesmos 2GB, mas com o dobro de minutos (500).

     Uma coisa que achei estranho na OI foi a demora pra ativar o meu chip. Foram quase 8hs tentando usar, depois de cadastrar meu CPF e receber mensagem que estava sendo processado. Tive um problema parecido com a TIM também e esse durou quase 2 semanas. Então, 8hs é fichinha. Mas é algo incômodo pra quem quer comprar um chip e sair falando.

     A OI tem um site para os clientes consultarem os serviços, extratos, fazer recargas e afins. Ele é bonitinho e simples. Porém, os extratos disponíveis para a consulta são o dia atual menos 3 dias. Ou seja, se hoje é dia 15/12, só pode consultar até 12/12. Meio antiquado, né?

     A empresa também disponibiliza um app para celular, mas até o momento não consegui usar. Ele dá um erro e pede pra tentar mais tarde. Como contratei a linha tem menos de 24hs, ainda não consegui testar. Talvez nos próximos dias (ou horas) o sistema libere meu número.

     Uma coisa que eu detestei na TIM foi que não tinha como saber quantos minutos eu ainda tinha pra falar. Na OI, eles enviam um SMS quando você desliga a chamada, informando quantos minutos da sua franquia ainda tem. Além disso, se quiser saber essa informação (e outras, como o pacote de dados), basta ligar pra um número e receberá um SMS com todas as informações. Parece básico, mas na TIM eu não conseguia acesso fácil a isso.

     A OI tem nove opções de recarga, que vão de R$ 12 a R$ 200. No caso de R$ 12 e R$ 17, não tem bônus algum e os créditos são válidos por apenas 1 mês. Já nas recargas de R$ 20 e R$ 25, são válidos por 45 dias e você ganha um bônus de 100MB de dados. Com R$ 30, R$ 40 e R$ 50, também tem bônus de 100MB e os créditos duram 3 meses. Por fim, R$ 100 ou R$ 200 duram 6 meses e também tem o bônus de 100MB.

     O sinal da OI tem se mostrado muito melhor que o da TIM aqui pra mim. Claro, pra você pode ser diferente, então vale a pena consultar o site que passei e, quem sabe, comprar um chip pra testar na prática. Mas pra mim, aparentemente, resolveu o problema. Geralmente fica acima de 3 barrinhas no H+. Até o momento não tive nenhum problema pra receber ou fazer chamada.

     Já no uso de dados, aqui na minha cidade, nenhuma operadora tem 4G. Mas a Claro costuma atingir de 5Mb a 12Mb mesmo no 3G (H+). A TIM fica em torno de 1Mb, quando tem bom sinal 3G, o que é bem raro. Já a Vivo, anda uma lástima e não passa de 100kbps. A OI, tem oscilado de 300kbps a 3Mb, mesmo de madrugada, o que me deixou espantado, já que era pra ser rápido, uma vez que tem pouca gente usando.

     Estou cruzando os dedos pra OI manter a qualidade atual por muito tempo, pois assim vou conseguir parar com a putaria de múltiplos chips e ter uma qualidade mínima aceitável. Mas só o tempo dirá. Espero ter contribuído com as informações citadas e, se você é usuário da OI ou vai migrar pra ela, deixe seu comentário ae embaixo pra ajudar mais leitores.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
dez 07

     Final de ano está ae e muita gente resolve viajar. Se você é daqueles que recebe muitos parentes e não quer vê-los sugando toda sua banda de internet, te deixando sem nada para as suas coisas, veja como proceder. É muito simples e fácil, trazendo um enorme benefício para a sua rede.

     A limitação da velocidade de internet para convidados não é apenas “filhadaputagem”. Muita gente hoje em dia trabalha em casa e, como muitas pessoas são leigas, acabam clicando em um mundo de coisas e, algumas vezes, baixam um bocado de conteúdo pesado, deixando tudo lento. Se você trabalha em casa e precisa de uma banda mínima pra executar sua rotina, deixar a rede sem nenhum controle é um pesadelo. Mas você não precisa passar raiva com isso.

     A primeira dica que dou é implementar uma rede somente para convidados, como explico nesse outro post. É altamente recomendável fazer isso pois você cria uma rede isolada da sua. Assim, se alguém tiver vírus, não vai passar pros seus computadores. Além disso, eles terão acesso a internet, mas não a seus computadores. Ou seja, nada de fuçar em suas coisas e de repente achar aquela pastinha cheia de putaria.

     Muitos roteadores tem a função de gerenciamento de velocidade. Eu uso um TP-Link N750 (TL-WDR4300) e vou me basear nele. Porém, é bem provável que o seu também tenha esse recurso. Basta procurar um pouco nas opções dele pelas palavras chaves: Bandwidth Control.

     Aqui no meu caso, clico em “Guest Network” e na tela da direita, logo em cima, tem a opção “Enable Guest Network Bandwidth Control” para marcar. Abaixo, ficam as opções “Egress Bandwidth For Guest Network” e “Ingress Bandwidth For Guest Network”, que controlam, respectivamente, upload e download. Como minha internet é de 20Mb (pelo menos nominalmente), eu deixei algo em torno 2Mb de upload e 4,5Mb de download. Não é muito, mas suficiente pra usarem redes sociais. É melhor que o 3G por aqui, não vai usar a cota dos seus convidados, nem vai entupir a rede e impedir que se trabalhe.

     O controle é eficiente? No meu roteador, posso dizer que sim. Ao medir a velocidade pelo site SpeedTest, fica basicamente dentro do especificado no roteador, oscilando bem pouco. E, quando eu mudo a velocidade, nem precisa reiniciar. As novas diretrizes já passam a valer de imediato.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
dez 07

Como criar facilmente uma rede Wi-Fi para convidados

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 07/12/2015 às 11:20h

     Esses dias eu comentei no Twitter que havia criado uma rede Wi-Fi para convidados que vem em casa e me perguntaram como se faz isso. O mais curioso é que muita gente achou que isso é complicado ou caro de se fazer. Não é.

     A maior vantagem em se criar uma rede para convidados é separar a sua rede local da rede que os convidados terão acesso. Assim, ao se conectar na rede para visitas, eles só poderão usar a internet e não terão permissão de ver seus computadores. Assim, você diminui os riscos de alguém acessar algo que não deva (como aquelas suas fotos íntimas).

     Infelizmente não existe um padrão e cada fabricante tem uma interface diferente para seus produtos. Acontece inclusive do mesmo fabricante ter interfaces diferentes dependendo dos modelos de roteadores comercializados.

     Eu tenho vários roteadores em casa, pois a pessoa que a construiu deve ter utilizado paredes de chumbo. Pouco tempo depois de me mudar, eu gastei uma graninha passando cabos RJ-45 Gigabit para os cômodos. Foi trabalhoso e um tanto caro, mas consegui interligar os roteados por um cabo de alta velocidade e não via Wi-Fi em modo WDS, como geralmente as pessoas fazem quando não querem ter muito trabalho.

     O meu roteador central (onde chega o cabo do modem do provedor da internet) é um TP-Link N750 (TL-WDR4300). Na época que comprei, ele estava por volta de R$ 275. Hoje, pelo que vi no Buscapé, está bem mais caro (agradeço ao dólar alto). O lugar mais em conta (e confiável) que encontrei foi no Walmart por R$ 379 em 3x.

     Apesar do meu roteador não ser dos mais baratos, eu já vi essa função de criar rede para convidados em aparelhos na faixa de R$ 200. Acredito que, apesar de diferentes, as interfaces são um tanto parecidas e as “palavras chaves”, que podem te levar a achar o recurso em seu modelo, também são.

     Aqui no meu caso, no menu esquerdo, eu clico “Guest Network”. Capturei a tela do meu roteador pra ficar mais fácil. Veja aqui.

     Meu roteador, por ser mais caro, ele tem muitos recursos. Mas o básico que você precisa configurar pra ativar a rede Wi-Fi de convidados é o seguinte. Preencha o nome da rede (Network Name), algo como “Convidados”. Escolha o tipo de segurança empregada na autenticação (Wireless Security): WPA/ WPA2. Por último, defina a senha (PSK Password).

     Mesmo sendo uma rede só para internet, separada dos seus computadores, não recomendo que você a deixe sem senha ou escolha algo muito fácil. Afinal, o sinal acaba vazando e seus vizinhos podem fazer uso da sua internet sem a sua permissão. Isso não apenas degrada a sua velocidade, como pode lhe colocar em problemas, tendo em vista que eles podem fazer uso indevido (algo ilegal) e o IP que vai aparecer nos logs é o seu. Logo, você será responsabilizado.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
dez 03

     Escrevi no post anterior como atualizar o tablet CCE TF74W para o Windows 10. Porém, isso gera um problema muito chato: o teclado fica minúsculo, dificultando muito o uso. Mas, graças ao pai Google, achei uma forma de resolver.

     Se você não tiver um cabo OTG e um teclado externo ou um teclado bluetooth, vai ficar bem complicado de executar o procedimento. Então, recomendo fortemente que você tenha acesso a um dos dois. Caso você não tenha em casa, veja com um amigo, senão tu vai ficar catando milho no tecladinho minúsculo e vai morrer de raiva.

     Uma vez de posse do teclado, abra o terminal (CMD) e digite regedit. Vamos precisar ter acesso as entranhas do Windows para corrigir esse problema, que não é muito difícil, mas precisa prestar bastante atenção pra não fazer nada errado.

     Com o editor de registro aberto, localize a parte HKEY_LOCAL_MACHINE e vá entrando na árvore: Software / Microsoft / Windows / CurrentVersion / Explorer. Em seguida, clique com o botão direito do mouse sobre Explorer, mande criar uma nova chave e coloque o nome “Scaling” (sem aspas). Depois, clique com o botão direito sobre a recém criada chave “Scaling”. Mande criar uma nova “Cadeia de Caracteres”. Use o nome “MonitorSize” (sem as aspas novamente). Pra finalizar, devemos informar um valor para a cadeia e fazemos isso clicando duas vezes sobre “MonitorSize”. Será aberta uma tela e em dados do valor coloque “5.0″ (sem aspas). Agora é só reiniciar e tudo vai se normalizar.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
dez 03

Como atualizar o tablet CCE TF74W para o Windows 10

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 03/12/2015 às 17:02h

     Em maio eu escrevi aqui no blog sobre como instalar o Windows 10 no tablet CCE TF74W. Como o Windows 10 ainda não tinha sido lançado oficialmente, a tarefa era bem complicada, exigindo muitos passos, pendrive, teclado externo, etc. Agora, dá pra fazer isso mais fácil.

     Eu fiquei dias tentando atualizar o CCE do Windows 8.1 para o Windows 10. Aparecia a recomendação da Microsoft, eu mandava baixar, mas sempre dava erro de falta de espaço, mesmo eu tendo um cartão microSD instalado. Isso porque, para instalar o Windows 10, ele exigia um mínimo de 2.7GB livre e eu não tinha, por mais que eu apagasse tudo, deixando apenas o sistema operacional.

     Quando você restaura o tablet da CCE, ele fica com um bom espaço livre (6GB – considerando que ele tem apenas 16GB). Porém, conforme você faz os updates do Windows, isso vai caindo, caindo, até chegar a apenas algumas centenas de MB. Então, tive que ir pacientemente instalando os updates, até conseguir espaço livre para instalar o Windows 10.

     Como eu não tinha os arquivos de instalação do Windows 10 para esse tablet (tinha outra versão e não dava certo), tive que usar o que ele mesmo baixa. Porém, logo após a restauração, não aparecia a sugestão da Microsoft para baixar e instalar o Windows 10. A solução foi ir instalando os updates, até aparecer a tela pra baixar. Porém, se você mandar instalar tudo, vai cair no problema da falta de espaço. Assim, é necessária uma boa dose de paciência.

     Minha recomendação é você ir instalando os pequenos pacotes de updates, aqueles na faixa de 1MB. Tem uns bem grandes, com algumas centenas de MB. Não precisa instalar esse. Vai chegar uma hora que, instalados os pequenos updates, vai aparecer na barra de tarefas um ícone com o símbolo da Microsoft, sugerindo que você instale o Windows 10. Além dos 2,7GB livres no tablet, você precisará de um cartão microSD com uns 6GB livre, pra ele baixar os arquivos do Windows e fazer uma espécie de disco de recuperação, que permite voltar ao Windows 8.1

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
dez 02

Como monitorar um site e ser avisado se ele cair

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 02/12/2015 às 16:00h

     No post anterior eu dei a dica de como saber se um site realmente está fora pra todo mundo ou apenas pra você. Agora vou ensinar como usar um serviço gratuito para monitorar determinados sites do seu interesse, 24 horas por dia, pra te alertar quando ele passar por instabilidade ou cair.

     Existe uma infinidade de empresas que prestam o serviço de monitoramento de servidores, sistemas e afins. Alguns são pagos e outros gratuitos. A diferença, geralmente, é que os pagos oferecem monitoramento minuto a minuto e os gratuitos tem um intervalo maior, que varia de 5 a 10 minutos.

     Um serviço gratuito que gosto bastante é o UptimeRobot. Você pode cadastrar diversos sites que deseja monitorar e ele faz checagem tanto de ping (icmp), como de acesso ao site em si (www). O intervalo de checagem no modo gratuito é de 5 minutos e te avisa por email sempre que cair e voltar.

     Eu uso o UptimeRobot pra monitorar o blog e ele me informa sempre que o servidor cai ou passa por instabilidade. Para tunar um pouco as coisas, eu criei algumas regras, unindo com o IFTTT e outros scripts, pra me enviar SMS e me ligar. Porém, isso é assunto pra outro post, uma vez que é um pouco complexo.

     Além dos alertas em si, o site também gera alguns gráficos legais, pra você bater o olho e saber se tem algum servidor monitorado com problema ou ainda, ver um breve histórico de quedas, problemas, etc. Apenas pra exemplificar, tirei 2 capturas de telas (1 e 2).

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
dez 02

Como saber se um site ou servidor está realmente fora

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 02/12/2015 às 15:55h

     Se tem uma coisa que eu vejo todo santo dia no trabalho é usuário me perguntando se determinado site/ servidor/ serviço está realmente fora ou se é apenas com ele. E saber isso é algo extremamente fácil! Não precisa contar com a colaboração de mais ninguém nas redes sociais.

     Antes de dizer a “mágica”, como não sei o nível técnico de cada leitor, preciso fazer uma breve introdução sobre a estrutura da internet, que é um emaranhado de cabos, conectando diversos equipamentos, como uma rodovia. Vamos pra um exemplo que sempre uso no meu dia-a-dia.

     Imagine que você está indo de casa pro trabalho, seguindo a mesma avenida de sempre e num determinado dia ela está com algum problema, seja um reparo, um alagamento, uma árvore que caiu, etc. Qualquer coisa que te impeça de seguir por ela. O que você faz? Provavelmente, vai procurar outras vias pra chegar até o seu destino, mesmo que demore mais, tenha mais trânsito, etc. Na internet, é basicamente a mesma coisa.

     Quando você tenta acessar um determinado site e ele está fora, não quer dizer que está fora pra todo mundo. Pode ser que o seu caminho (a sua rota) pra chegar até ele esteja com problema e o sinal da sua operadora não tenha conseguido outras rotas alternativas. Dae, a aparência que está tudo fora.

     Existem diversos sites (pagos e gratuitos) que fornecem serviços pra detectar se um determinado servidor está ativo ou não. Um dos mais simples e que recomendo é o IsUpMe (nome pra lá de sugestivo). Uma vez nele, basta informar o domínio do site e o serviço vai tentar acessá-lo, pra mostrar se o site está fora mesmo ou não.

     Como trabalho administrando servidores e recebo chamados do Brasil todo, com usuários de diversas operadoras, é comum alguém do Sul usando GVT não consiga acessar determinado serviço, mas no resto do Brasil estar Ok. Pra ter mais informações sobre isso, uso um serviço pago que tem servidores espalhados em diversos locais, no Brasil e no exterior. O relatório dele é mais completo e me exibe não apenas se o site está fora ou não, mas mostra isso do ponto de vista de cada servidor, exibindo também o tempo de acesso (latência) de cada um.

     Se você tentar acessar um site e ele estiver fora, mas o IsUpMe mostrar que ele está ativo, você pode abrir o terminal do seu computador e digitar algo como “traceroute www.sitequedesejo.com”. Essa ferramenta varia de uma plataforma pra outra, mas geralmente é traceroute mesmo. Ela mostra o sinal saindo do seu computador, passando pelo seu roteador, indo pra operadora e seguindo por vários outros equipamentos até chegar ao destino. Quando o sinal é interrompido, é comum ter um * * * no meio do caminho, indicando onde ele parou. De posse disso, você pode reclamar na sua operadora e manda um printscreen dessa tela. Vai ajudar muito na resolução do problema!

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
nov 24

Vale a pena migrar da sua operadora para a TIM?

3 Comentarios »Postado por GordoGeek em 24/11/2015 às 12:24h

      Recentemente a TIM anunciou novos planos bem interessantes, especialmente pra quem ainda precisa falar muito. Geralmente, as operadoras te socam um monte de minutos (que você não quer/ precisa) pra falar com outros números da mesma empresa (efeito clube), mas quando precisa ligar pra outras empresas, a tarifa é altíssima. Se for pra uma área de DDD diferente da sua então, prepara o bolso.

      Nos novos planos da empresa dos homens de azul, falar com celulares de outras operadoras, no Brasil todo, não é um problema. Começando com um plano de apenas R$ 7 por semana (R$ 28 por mês ou menos de R$ 1 por dia), você tem 100 minutos por semana (400 minutos por mês), mais 150MB de internet por semana (600MB por mês) e SMS ilimitado pra qualquer operadora. Se for insuficiente, você ainda pode contratar + 50 minutos por R$ 4 (apenas R$ 0,08 por minuto) e R$ 3 por mais 150MB de internet 4G. Bom, né?

      A oferta em si é muito tentadora e muita gente está cogitando mudar pra operadora. Recebo diariamente muitas pessoas me perguntando sobre isso no Twitter e por isso estou escrevendo o post. Antes de portar seu número, pense bem, converse com amigos que já usam e frequentam os mesmos locais que você, pra saber como é o sinal, o atendimento, etc.

      Eu já tenho o plano TIM Beta da empresa e sofro muito com a cobertura. O mais comum é o aparelho estar sem sinal ou em GPRS. Ou seja, de nada adianta eu ter 100MB de internet por apenas R$ 0,50 (o que daria pra ter 1GB por meros R$ 5) se na maior parte do tempo eu não consigo usar. Fora isso, a empresa ainda insiste em ficar sacaneando o cliente, como enviar insistentes SMS dizendo que você não tem saldo, mas tem.

      Além disso, é super comum você querer conferir seu saldo, quantos minutos ainda tem no plano, quanto usou de internet e #fail. Pede pra você tentar mais tarde, você tenta e ainda assim não consegue. Ou seja: um inferno!

      Assim, eu fecho o post com a seguinte dica: quer migrar da sua operadora atual pra TIM, pois você vai ter mais cota de 4G, mais minutos pra qualquer operadora e ainda economizar? Pense bem! Mas pense bem mesmo!

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
out 29

Como capturar tela com o Skitch da Evernote

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 29/10/2015 às 11:39h

     Como aqui no PontoGeek nós costumamos abordar assuntos mais “difíceis”, alguns podem achar que esse post é um publieditorial disfarçado ou coisa parecida, por ele trazer um assunto que a maioria julga extremamente fácil. Contudo, lembre-se que nem todo mundo é geek como você.

     No meu dia-a-dia no trabalho, recebo algumas dezenas de emails contendo anexos com telas de sistemas e, na sua imensa maioria, as pessoas enviam documentos do Word recheados de figuras. A visualização fica horrível, pois as letras ficam extremamente pequenas, além de você ter que ler longos textos tentando explicar o que a figura deveria representar facilmente, uma vez que elas não trazem destaque algum.

     Existem dezenas de ferramentas para captura de tela, algumas gratuitas e outras pagas. O Skitch da Evernote é uma das que não custam nada e oferece recursos básicos, mas bem interessantes, numa interface descomplicada e bem intuitiva. Porém, muitos leigos ficam olhando pra tela do programa e pensando: “e ae? por onde começar?”.

     No vídeo acima eu explico de maneira bastante superficial e rápida (menos de 5 minutos) como utilizar os principais recursos do Skitch, permitindo que qualquer pessoa, por mais leigo que seja, consiga abolir a prática de ficar colando capturas de tela dentro do Word. Ele não foi feito pra isso! Até mesmo porque, podem existir informações confidenciais ou sensíveis nelas, que você não deseja compartilhar.

     Em tempo: sugiro que vejam o vídeo em tela cheia, observando se está na melhor qualidade possível, de forma a conseguir ver todos os detalhes mencionados.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
preload preload preload