abr02

Primeiras impressões do Polar WearLink+ Bluetooth

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 02/04/2012 às 15:33h

     Apesar do meu avatar deixar claro que sou gordo (e geek), isso não quer dizer que eu seja sedentário. Eu procuro fazer caminhadas diárias de cerca de 1 hora (6Km) e sempre gostei de monitorá-las pelo iPhone, seja usando o RunKeeper ou o Nike+. Não que eu fique monitorando a minha performance, querendo andar cada vez mais rápido e bater metas. Eu prefiro sair andando “de boa”, usando esse tempo também para relaxar e geralmente vou ouvindo podcast, tweetando, tirando alguma foto pro Instagram, consultando um feed RSS, etc. Mas é legal ter as estatísticas dos exercícios, especialmente quando você forma um grupo de amigos (mesmo que virtuais) e ficam competindo pra ver quem pratica mais.

     Faz tempo que estava de olho num monitor cardíaco que fosse compatível com o iPhone. Nunca achei nada bacana e num preço aceitável. Essa semana eu achei o Polar WearLink+ Bluetooth, que apesar de não funcionar com iPhone, funciona com Android. Ela é um conjunto de cinta elástica com um pequeno transmissor que envia esses dados pra um dispositivo compatível. Uma coisa que não gostei é que ela envia os dados apenas para o smartphone, não sendo compatível com nenhum relógio (nem da própria marca).

     O Gerson da GSShop, me enviou uma cinta dessas para teste. Ela custa praticamente R$ 300,00. Não é um produto barato, mas é o preço desse tipo de equipamento. Não consegui encontrar nada mais em conta nas minhas pesquisas. Aliás, eles tem outros produtos também, que eu pretendo testar no futuro, inclusive compatíveis com iPhone, mas eles costumam trabalhar com um pequeno dispositivo (ANT+) que vai encaixado no conector de 30 pinos. Eu sinceramente tenho medo disso acabar quebrando no meu bolso, mas graças as limitações que a Apple impõe ao bluetooth dos seus dispositivos, essa tem sido a saída escolhida pelos fabricantes.

     Assim que o produto chegou, eu fui fazer a pareamento dele com o Galaxy Note. Não resisti e tentei fazer também no iPhone, só por desencargo de consciência e realmente nem apareceu listado. Já no Galaxy, foi de primeira, sem qualquer problema. Uma vez pareado, comecei a baixar os apps que são compatíveis com o dispositivo: Sports Tracker, Endomondo, SportyPal, RunKeeper, Cardio Trainer, Runtastic e Run.GPS. Eu fiquei bem decepcionado com o site da Polar, pois não existe um PDF detalhando o produto, com características e tudo o mais.

     Uma coisa que notei, usando vários apps, é que o Android fica um pouco perdido se você ficar comutando entre eles. Por exemplo, se você abrir o Sports Tracker, depois quiser ver como fica no Endomondo, provavelmente esse último não vai detectar o monitor cardíaco. Nos meus testes, mesmo fechando o aplicativo anterior, desligando e religando o bluetooth, hora ele achava, hora não achava. O mais recomendado era desparear o dispositivo, reiniciar o smartphone e começar tudo do zero. Obviamente que no uso cotidiano você não vai ficar usando mais de um app. Durante os testes, você provavelmente vai escolher o seu favorito e vai passar a usá-lo, até mesmo porque, uma coisa bacana de tudo isso é manter um histórico e ficar mudando de apps acaba com isso.

     O RunKeeper é um app que utilizo no iPhone há muito tempo. Quando comecei a usar Android, também instalei sua versão para o robôzinho verde. No geral, o aplicativo é bem bacana, mas quando o assunto é trabalhar integrado com o monitor cardíaco, eu achei simples demais. Ao abrir o app, ele simplesmente dá um aviso que encontrou o dispositivo pareado e nada mais. Em nenhum lugar, ele mostra o batimento que está lendo ou nada similar (a versão pra iPhone parece que mostra, mas na Android, nada). Apenas no final do treino, quando você sobe as informações pro site, ae ele mostra as informações num gráfico, onde você consegue acompanhar o ritmo cardíaco durante o exercício. Isso vai de pessoa pra pessoa, mas eu não gostei do RunKeeper pra essa função.

     O aplicativo que achei mais bacana foi o Sports Tracker. Bem diferente do RunKeeper, ele mostra na própria aplicação um nível de detalhamento muito grande. Pra começar, antes mesmo do exercício, você pode dar uma conferida no seu batimento cardíaco. Quando você dá início ao treino, na tela principal ficam acessíveis as informações de tempo, distância, velocidade atual e velocidade média (pode alterar para passos ao invés de Km/h), gasto calórico, batimentos cardíacos atuais e média do BPM. Ao mudar de tela, você pode ver o gráfico do seu batimento cardíaco ao longo do tempo do exercício. Numa outra tela, um gráfico cruza as informações de altitude do terreno com a sua performance. Assim como acontece em outros apps, dá pra ir acompanhando num mapa tipo Google Maps e também ir separando as etapas do treino por voltas ou similar. Para o meu tipo de atividade, achei que é o melhor dos apps testados.

     Sobre o Polar WearLink+ Bluetooth em si, eu achei um produto bem bacana. Minhas únicas ressalvas são o fato dele só funcionar com Android e de não trabalhar em conjunto com um relógio de pulso, facilitando o acesso a informações quando o smartphone está no bolso. Claro, é possível que se configure suas zonas no próprio aplicativo (como o Sports Tracker) e você receberá avisos sonoros se ultrapassar tais limites, mas ainda assim acho que no relógio seria mais prático.

Leave a Reply

preload preload preload