out 24

     Se você é cliente de um plano semanal da Claro muito provavelmente está sendo vítima de uma cobrança indevida e nem se deu conta. Isso porque o sistema da operadora costuma debitar do saldo dos assinantes o valor referente ao pacote semanal (R$ 14,90 no Prezão) e em seguida um pacote diário (R$ 0,99). Parece pouco, mas num universo de milhares (ou milhões?!) de consumidores, isso dá um lucro extra considerável a empresa (deve dar até pra pagar a Anitta e Tiago Leifert).

     Todas as vezes que eu reclamo para a empresa, ela se dispõe a reparar o problema, me reembolsando do valor (R$ 0,99). Contudo, se eu deixo passar e não reclamo, o sistema não me reembolsa automaticamente, o que me leva a crer que tal comportamento faz com que milhares de clientes sejam lesados e nem fazem ideia que a operadora está se apropriando indevidamente do seu dinheiro.

     Eu estou há meses reclamando de tal prática junto ao SAC da empresa, bem como utilizando do Portal da Anatel e também do Consumidor.Gov.Br (ligado ao Procon). Também já fiz reclamações ao Ministério Público, mas a empresa simplesmente não muda o seu comportamento errático. Talvez, quem saiba, porque tal “erro sistêmico” lhe traga lucro e não o contrário. Acredito que se fosse o oposto, tal erro já teria sido corrigido em questão de poucos dias (ou horas?!).

     Se você é um cliente Claro com plano semanal, confira no seu extrato se tal cobrança equivocada está ocorrendo e, caso esteja, deixe seu comentário. Estou pensando seriamente em propor uma ação coletiva contra a operadora. Acredito que só dessa forma a empresa passe a respeitar os consumidores.

TAG(s):
Categoria(s): Geral
ago 23

Como regularizar seu drone pra voar tranquilo

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 23/08/2017 às 00:52h

     Muita gente ainda não sabe, mas não basta apenas carregar seu drone, buscar um local pra decolar e sair brincando. Antes de dar o pontapé inicial, você precisa seguir alguns procedimentos relativamente simples, mas que muita gente tem deixado de lado, o que pode causar problemas legais, apreensão do equipamento, entre outras dores de cabeça.

     A primeira coisa é ter um drone homologado pela Anatel. Mesmo que você tenha comprado seu drone fora do pais, se o modelo é vendido aqui oficialmente, seja pela própria fabricante, seja por revendas autorizadas, muito provavelmente ele já possui a homologação na agência reguladora responsável por equipamentos que emitam radiofrequência. Assim, não há com o que se preocupar, pois o fabricante já enviou pra Anatel tudo que era necessário. Porém, se o seu drone não é vendido oficialmente por aqui, será necessário homologá-lo preenchendo um cadastro e pagando uma taxa de R$ 200,00.

     Uma vez que o drone possui autorização da Anatel, agora você precisa cadastrá-lo na ANAC, outra agência reguladora, dessa vez, da aviação civil. Se o seu equipamento tiver menos de 250g, está livre do cadastro. Se tiver acima disso, até 25Kg, precisa fazer um breve cadastro aqui. Feito isso (não leva 5 minutos), imprima a matrícula da sua aeronave e leve sempre com você nos voos. Importante frisar que essa autorização é válida apenas para voos até 120 metros. Se a intenção é voar acima desse teto, serão necessários licença, habilitação e certificado médico aeronáutico.

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
set 24

O iPhone é o melhor smartphone da atualidade. Correto?

4 Comentarios »Postado por GordoGeek em 24/09/2015 às 17:52h

     Muita gente sonha em ter um iPhone, o dito “melhor smartphone da atualidade”, especialmente quem sofre com Android, Windows Phone e outros sistemas. É correto dizer que com o telefone da Apple, você paga mais caro (muito mais caro, diga-se de passagem), mas fica livre de dores de cabeças?

     Antes de despertar a fúria dos fãs da Apple nos comentários, pra quem ainda não sabe, sou usuário de Android e Windows Phone também. Já passei pelos mais diversos aparelhos, de vários fabricantes, tais como Motorola (Moto Maxx, Moto X 2013, Moto X 2014), Samsung (Galaxy S, S2, S3, S4 e S5, Note, Note 2, Note 3, entre outros), Sony (Xperia Z Ultra, Z2 e Z3), LG (Nexus 4 e Nexus 5), Nokia (Lumia 520, 535, 920, entre outros), etc. Ou seja, eu sei que alguns erros não são exclusividades da Apple. Meu ponto nesse post é justamente esse. Mostrar pras pessoas que o iPhone dá erro, alguns bem bizarros, como qualquer outro dispositivo eletrônico, uma vez que ele é muito endeusado como um “dispositivo mágico e revolucionário”.

     Pra não fazer um post gigantesco, vou resumir apenas o que aconteceu comigo na última semana, ok? Começando com a lentidão que observei no meu iPhone 6+ 128GB. Assim, resolvi limpar tudo e começar do zero. Reinstalei o iOS 9 via iTunes e tentei puxar o backup do mesmo. Porém, no meio, ele simplesmente parou. Provavelmente devia ter algo corrompido. Em resumo: tive que apagar tudo de novo e configurar tudo do zero, já que o backup estava imprestável.

     Logo que saiu o update 9.0.1, fiz a atualização OTA (direto do iPhone, sem iTunes). Na volta do reboot, ele não reconhecia minha digital no TouchID. Me pedia a senha de 4 dígitos, eu colocava e ele não reconhecia. Cada vez que eu supostamente errava, ficava alguns minutos sem poder mexer no aparelho. Por sorte, eu estava em casa, pois se estivesse na rua, estaria fudido. Assim, depois de vários sucessivos bloqueios, desisti de recuperar o que tinha no aparelho, entrei no iCloud e mandei limpá-lo remotamente. Tentei voltar o backup via iCloud mesmo, mas também corrompeu. De novo, me vi perdendo horas pra instalar e reconfigurar tudo do zero.

     Por fim, vou contar a história do vídeo acima. Cansado de sofrer com Android, resolvi pegar usar dois iPhones e não mais a dupla iPhone e Android. Voltei meu backup do iPhone principal no outro aparelho (igualzinho, ou seja, um iPhone 6+ 128GB topo de linha) e logo que tentei fazer uma chamada, deu erro. Fiz de tudo pra tentar usar o aparelho e nada, conforme mostro no vídeo.

     Como minha esposa usava esse aparelho e acabou perdendo-o, eu fiz um boletim de ocorrência e mandei bloquear o IMEI do mesmo. Porém, até eu dar o restore com meus dados, ele estava funcionando com o chip da T-Mobile. Mas, como podia ter algum resquício desse bloqueio, fui até as operadoras (Claro, Tim e Vivo), verificar. Segundo eles, não tem bloqueio algum. Me mostraram até a tela do sistema. No caso da Vivo, me deixou até fotografar a tela.

     Liguei no suporte da Apple, contei toda a história e lá também não consta bloqueio algum. Ou seja, não tá bloqueado por ninguém, mas não funciona. Qual o motivo? Até o momento, a Apple não sabe me dizer. Eles abriram um protocolo pra equipe de engenharia, que fica em Cupertino e nos próximos dias eu terei uma posição.

     Esse post é um puro e simples #mimimi que Apple é uma bosta? Não, amigos. Esse post é um relato dos vários problemas que me aconteceram, apenas na última semana, envolvendo o suposto melhor aparelho da atualidade. Ou seja, se você pensa em fazer um sacrifício e colocar mais de R$ 4.000 num telefone, porque ele é o melhor do mundo e você terá uma vida sem problemas com ele, pense duas vezes.

TAG(s):
Categoria(s): Apple
nov 06

Um convite sincero ao amigo internauta: me dê unfollow

3 Comentarios »Postado por GordoGeek em 06/11/2014 às 21:01h

     Esse talvez não seja o canal mais adequado pra esse tipo de postagem, mas como eu não tenho outro blog, tumblr, Facebook e afins, vai aqui mesmo. E quem achar ruim ter um post desse tipo entre dezenas de outros de tecnologia, aceite também o convite que irei propor. É sincero e de coração.

     Acredito que muitos leitores do blog, espectadores do canal e seguidores do Twitter talvez não saibam, mas eu não vivo de produzir conteúdo pra internet. Faço como um hobby. É algo que eu gosto e me relaxa. Assim, quando não tô afim, simplesmente não faço. Também não abordo assuntos da moda, que eu não curto, apenas porque dá audiência. A regra é: gosto, publico. Não gosto, caguei.

     Cresci num lar onde política sempre foi um assunto presente. Meu pai já exerceu alguns cargos e desde cedo eu ia pra palanque, pra rua fazer campanha, pra palácio de governo acompanhar meu pai a “mendigar verba” em convênios, etc. Vez ou outra recebíamos um Sarney, Michel Temer, Covas, Quércia, Fleury e afins em casa. Ou seja, eu sempre me interessei pelo assunto, apesar de não falar tanto sobre ele. Isso não virou uma obsessão de uma hora pra outra.

     Nas últimas semanas eu comecei a falar mais de política em meu perfil do Twitter, especialmente mostrando fatos que julgo relevantes pra nossa economia, já que muitos imaginam que o país anda bem pra caralho. Ou então, até desconfiam que as coisas não andam bem, mas resolvem ignorar, porque “política é um assunto chato”. Pode ser chato, pode não ser do seu interesse, mas afeta diretamente sua vida. Quer ver uma pequena amostra?

     A qualidade das escolas públicas, a qualidade da saúde, da segurança, do transporte e mais uma infinidade de coisas, depende de políticos. Se eles acertam ou fazem cagada, quem paga o preço somos todos nós, pagadores de impostos que vivemos no país. Se a qualidade da sua internet tá ruim, é por culpa deles, já que a agência reguladora é fraca e não consegue exercer seu papel, seja pelo pouco poder legal que tem (pra impor multas e sanções), seja porque o governo contigencia verbas (impostos que nós pagamos pra essa finalidade e o governo aloca pra outras) e ela não consegue ter tantos funcionários quanto precisaria.

     Não vou fazer um post gigantesco, enumerando em detalhes o quanto política é importante. Se você até hoje não entendeu, não sou eu quem vai fazê-lo entender em algumas linhas. A única coisa que peço é respeitar o meu direito de falar o que eu achar que devo no meu perfil do Twitter. Se não está interessante, se está chato, se não está curtindo, basta apertar um botãozinho e tudo se resolve. Talvez, num futuro, eu até fale menos de política, como era antes. Mas, no momento, eu quero falar sobre isso e tenho esse direito. Assim como você tem o direito de não gostar e parar de seguir. Não vou ficar chateado, inclusive com amigos, já que acho que o fato de seguir ou não alguém, não tem a ver com amizade e sim com interesse pelo conteúdo.

     Se eu te mandei esse link no Twitter, logo depois de você ter “reclamado” que gostava mais do perfil como era antes, saiba que não estou desprezando sua opinião. Só acho que o meu direito de fazer o que acredito está acima do seu direito em querer pautar o meu conteúdo e, acima de tudo, lutar pelo que acho certo para os meus filhos, pra mim e para o meu país.

TAG(s):
Categoria(s): Geral
ago 11

Vivo e a falta de respeito com o consumidor brasileiro

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 11/08/2014 às 14:35h

     Já tem 3 semanas que tento resolver, sem sucesso, um problema com a operadora Vivo. Já contei a história aqui nesse outro post, então não irei me repetir. Pois, diferente da Vivo, eu sei que o seu tempo é importante e não deve ser desperdiçado. Pelo contrário, quero lhe fazer ganhar tempo.

     O episódio mais recente que eu gostaria de compartilhar com vocês ocorreu há alguns minutos. Recebi uma ligação deles e, quando achei que finalmente fôssemos por fim a essa novela, a Vivo novamente me decepciona. Primeiro, a atendente me disse que eles não iriam me fornecer a gravação da chamada telefônica, como eu havia solicitado junto a Anatel. Depois, quando comecei a argumentar sobre isso, desligou o telefone na minha cara, sem cerimônias. Afinal, respeito pra que, né?

     Já ouvi de muitas pessoas: “GG, você adora um processo. Vai ficar ryku com isso”. Como eu também já escrevi aqui no blog, eu percorro, durante semanas, todo um caminho, pra conseguir resolver a reclamação fora da esfera judicial. Começo direto com a operadora, vou pro site Reclame Aqui, ouvidoria da operadora, Anatel, Procon e, não havendo mais o que possa ser feito, Juizado Especial Civil (JEC). Ou seja, não fico rezando pra cair um problema no meu colo, processar a operadora e ficar ryku. É bem o oposto disso. Perco meu tempo e me desgasto correndo atrás de uma solução amigável.

     Quem acha que consumidor que processa empresa, no Brasil, fica ryku, anda vendo muitos filmes e seriados americanos. Lá, talvez, a pessoa até consiga uma grana fazendo isso. Aqui, somos feitos de idiotas. Simples assim. O “simples descumprimento de um contrato”, ou seja, quando a empresa se recusa a fazer o que foi combinado, não gera dano moral. Agora, quando a empresa começa a ser negligente, fazer o consumidor de idiota, como a Vivo vem fazendo, a coisa muda de figura. Mas, mesmo assim, na remota hipótese do juiz entender que realmente cabe dano moral, esse valor chega a uns R$ 5.000,00, quando muito. O que, com certeza, não pesará muito para a empresa, que não se sentirá obrigada a respeitar o consumidor e nada mudará.

     Algumas pessoas argumentam que o Judiciário não dá altas multas pra não estimular o consumidor a querer brigar por qualquer coisa. Eu já acho o oposto. Se as multas fossem altas e a punição severa, as empresas iriam se adequar e não mais iriam fazer os consumidor de idiotas, atendendo as suas demandas logo de cara, evitando assim, que elas chegassem a Justiça. Dessa forma, teríamos muito menos processos se empilhando nos Fóruns e não o contrário.

     Em tempo: o Canal do Otário, deu RT no post sobre a Vivo na semana passada. Resultado: mais de 10.000 views e quase 200 curtidas. Ou seja, ao invés da Vivo investir no pós-venda, não deixando o caso chegar a isso, prefere fazer o consumidor de otário e depois investir bilhões em marketing, pra tentar fortalecer uma marca que ela mesma vem queimando ao longo dos anos.

TAG(s):
Categoria(s): Geral
ago 05

Ouvidoria da VIVO enganando consumidores da operadora

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 05/08/2014 às 11:27h

     No dia 19 de julho eu fiz um post aqui no blog pra comentar de um processo judicial que a VIVO perdeu. O motivo? Ela, supostamente, orienta seus funcionários a mentirem, na cara dura, pros clientes. E, quando esses se negam, sofrem assédio moral e até chegam a ser demitidos por isso.

     Eu tenho algumas dezenas de protocolos de reclamação contra a VIVO na Anatel. A maioria deles é por motivos de cobranças indevidas. Assim, passei a controlar mais de perto meu saldo e, ao menos uma vez por mês, eu coloco numa planilha quanto eu tinha de saldo. Venho fazendo isso de 2011 pra cá.

     Tanto eu, quanto minha esposa e outros membros da família, somos clientes VIVO e temos o plano VIVO SEMPRE, no qual colocamos R$ 25 a cada 30 dias e falamos com qualquer outro número da operadora, no Brasil todo, a R$ 0,06 (era R$ 0,05) o minuto. Ou seja, em 12 meses, a gente paga R$ 300 pra operadora. Mas, como uso bem pouco, eu tinha muito crédito acumulado. E, de uma hora pra outro, os créditos simplesmente sumiram. Nem lançamentos a débito no extrato constam. Foram quase R$ 150 de prejuízo.

     Reclamei da VIVO no site ReclameAqui e na Anatel. Passaram-se os 5 dias úteis previstos e nenhum contato. Até que hoje me ligaram e não conseguiram me explicar o que houve, mas não propuseram me reembolsar. Assim, liguei na ouvidoria da empresa. Na primeira tentativa, depois de 12 minutos explicando o caso, a chamada caiu e não retornaram. Já puto com a situação, liguei novamente e comecei a gravar a ligação. Até que, pasmém, não sei se por orientação da VIVO (visando lesar o consumidor) ou por despreparo, o funcionário insistiu que agora, todo e qualquer crédito, expira em 30 dias e por isso meus créditos teriam sumido.

     Realmente houve uma mudança recente. Inclusive, algumas operadoras recorreram e acabaram derrubando a decisão. Tal decisão, entre outras coisas, dizia que as operadoras não podiam vender créditos com validade inferior a 30 dias. Ou seja, adeus recargas de R$ 2 válidos por 5 dias. Agora, o mínimo são 30 dias. Eu tentei argumentar com o funcionário que ele havia feito confusão, mas o mesmo disse que quem estava errado era eu.

     No meu extrato dos últimos 30 dias constam apenas 2 chamadas, totalizando meros R$ 0,48. SMS eu já usei mais e foram R$ 3,96. Ou seja, ligações e SMS não totalizaram nem R$ 5 e me debitaram quase R$ 150. Pra mim, está claro que houve um erro. É evidente. Basta fazer contas. Mas os funcionários da VIVO parece que são orientados a irritar, confundir e fazer seus clientes perderem tempo, ao invés de resolverem o problema.

     Fico aqui me perguntando: quantas pessoas tem esse mesmo controle que eu tenho das contas? Com quantas pessoas a VIVO teria cometido esse “erro sistêmico pontual”? Quantos milhões de clientes da operadora podem ter sido lesados e não estão sabendo? Afinal, a empresa ainda é a maior operadora do Brasil e 80% dos clientes são pré-pagos. Se esse “erro sistêmico pontual” acontecer em 10 milhões de contas e 10.000 (chutando alto) reclamarem, quanto a empresa lucra com esse erro?

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
jun 29

É cliente pré da Claro? Você pode estar sendo lesado!

2 Comentarios »Postado por GordoGeek em 29/06/2014 às 17:47h

     Como as telecomunicações no Brasil são um lixo, eu e minha esposa temos planos celulares da Claro, Tim e Vivo. Assim, as chances de ficar na mão são menores. Mas, ainda assim, acontece. Mesmo com 3 aparelhos diferentes, cada qual com uma operadora, às vezes ficamos sem comunicação.

     Aqui na família usamos prioritariamente a Vivo, pois é a empresa que costuma (ou costumava) ter a melhor cobertura. Além disso, temos um plano (Vivo Sempre) onde pagamos R$ 0,05 o minuto pra qualquer Vivo no Brasil. O backup é a Tim, onde temos o Tim Beta e falamos a R$ 0,05 o dia (não é por chamada, é o dia, se usar) com qualquer Tim no Brasil todo. Por fim, temos a Claro.

     Por ser a empresa que menos usamos, não acompanho a Claro muito de perto. Aliás, ela é a pior empresa quando o assunto é transparência. Diferente de Vivo e Tim, que oferecem extratos detalhados de consumo em seus sites, a Claro tem um site horroroso, todo bugado e que não tem o recurso de extrato. Periodicamente, eu tenho que entrar na Anatel e solicitar que me enviem o extrato.

     Hoje eu recebi o seguinte SMS da Claro, me avisando que meu plano de internet iria expirar e eu pagaria, pasmem, R$ 4 por MB! Absurdo! Abusivo! Ridículo! Eu, como sou chato, sou um pouco mais difícil de enganar. Mas minha esposa, que tem mais o perfil do brasileiro, de não se ligar nesses “detalhes”, recebeu essa mensagem e ignorou. Resultado: gastou algumas centenas de reais na brincadeira.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
nov 19

Estou com problema. Onde e como devo reclamar?

2 Comentarios »Postado por GordoGeek em 19/11/2013 às 10:04h

     Esse é um daqueles posts que eu já deveria ter feito há muito tempo, tamanha é a quantidade de perguntas que me fazem a respeito do tema, principalmente via Twitter e email. Nem sempre eu tenho tempo de analisar todo o relato, até mesmo porque, alguns tem vários parágrafos e demandaria um tempo enorme, coisa que não disponho no momento. Assim, se você me perguntou algo e, ao invés deu te responder um texto igualmente longo, específico pra você, não fique chateado. É apenas falta de tempo mesmo. Mas leia o post até o final que provavelmente sua dúvida será respondida aqui.

     Quem me acompanha no blog e/ ou Twitter por mais de duas semanas certamente me viu reclamar de alguma empresa, produto ou serviço. Muitos consideram isso um mero #mimimi, ou seja, uma reclamação vazia, de uma pessoa com raiva e que não tem o que fazer a não ser xingar nas redes sociais. Pela minha experiência, se você fizer a coisa direita, isso gera um retorno muito positivo pro seu problema. Então, apesar de alguns contatos te chamarem de mimizento, vale a pena reclamar. Mas como?

     A primeira coisa a se fazer, antes mesmo da contratação do serviço ou da compra do produto, é dar uma pesquisada no histórico da empresa. Eu sei que uma grande parcela das compras são feitas no impulso e isso é um problema sério. Você praticamente está pedindo pra ter problemas. Se você perder 5 minutinhos e entrar no ReclameAqui pra ver como a empresa trata seus consumidores, você já vai conseguir escapar de várias roubadas. Nota: não é pelo fato de simplesmente achar o nome da empresa lá, que ela é ruim. Toda empresa tem problemas! Todas! Como ela lida com os problemas e como trata o consumidor é que faz toda a diferença. Veja os índices de resposta, as avaliações dos consumidores e, se possível, leia a resposta dela a alguns casos, pra ver se realmente está empenhada e comprometida em resolver ou se está apelando para resposta padrões apenas pra ganhar tempo.

     Se você contratou algo e deu problema, o primeiro passo é reclamar junto a empresa. Não adianta por a carroça na frente dos bois, dizer que vai processar e os cambau. Não funciona assim, por mais raiva que você esteja. Primeiro faça um contato com a empresa, preferencialmente de uma forma que você possa documentar todo o trâmite, seja através de email ou gravando uma chamada telefônica. Muitas empresas, já tentando dificultar a vida do consumidor, sequer geram número de protocolo em seus formulários de reclamação. É raro quando reclamo de algo via formulário e recebo um email com um número de protocolo e cópia do que foi reportado. Assim, eu geralmente ligo pra empresa e gravo a chamada.

     Transcorrido alguns dias (geralmente o prazo dado pela empresa) e o problema não foi sanado, recomendo recorrer ao já citado Reclame Aqui, pois muitas empresas mantém uma equipe dedicada a receber e resolver as reclamações vindas do site. Quando você liga num SAC, geralmente, o esse primeiro atendimento é feito por funcionários do mais baixo escalão. Tiveram um péssimo treinamento e não tem autonomia alguma. É mais comum que funcionários mais bem treinados e com maior autonomia respondam as reclamações vindas de sites como o Reclame Aqui, Procon, Anatel, etc.

     Se o seu problema for com uma empresa de telecomunicações, seja fixa, móvel ou tv, recomendo também reclamar junto a Anatel. Já disse algumas vezes que a agência reguladora é totalmente omissa e não tá muito a fim de ajudar. Porém, você deve ter paciência e seguir os trâmites corretos. Entre em Fale Conosco, faça seu cadastro e deixe sua reclamação. Geralmente um funcionário da empresa vai te ligar em até 5 dias, mas costuma ocorrer antes. É comum que os problemas sejam resolvidos nessa etapa, pois a operadora já viu que você não é um “migué qualquer” e está disposto a criar problemas pra eles, então eles estarão mais bem disposto a resolver. Caso mesmo assim, não dê certo, Procon neles.

     Caso o seu problema seja com o setor bancário, outro campeão de reclamações nos órgãos de defesa do consumidor, eu recomendo uma reclamação junto ao Banco Central, que também pode ser feita via internet, clicando aqui. Coloque seus dados, escolha o banco e deixe sua reclamação. Em alguns minutos você irá receber um email do BACEN confirmando que notificou a instituição, te passando o protocolo e dizendo o prazo que eles tem pra responder. O mais comum é alguém da ouvidoria do banco colocar meio kilo de rola na bunda do seu gerente e ele vai te ligar todo disposto a ajudar. No setor bancário, os funcionários vivem numa corda bamba. As cobranças são gigantescas e cada pisada de bola pode ser mais uma chance da guilhotina. Então, use e abuse desse método.

     Apesar de algumas empresas ignorarem sumariamente o Procon, as mais sérias, vão fazer o possível para que sua reputação não seja maculada por uma reclamação desse nível. O Procon do Estado de São Paulo possui um atendimento online, onde você pode deixar sua reclamação via formulário, evitando que você tenha que ir fisicamente ao local. Dependendo do problema, eles vão te mandar um email pedindo alguns documentos e fazem tudo por lá. Alguns poucos casos vão te pedir pra ir até o Procon da sua cidade. Pela minha experiência, a maioria das compras online eles resolvem tudo online. Infelizmente, pra outros estados, você terá que perder um tempinho indo fisicamente até o local. Mas, recomendo que o faça, pois o índice de resolução de problemas é alto.

     Se você já fez tudo isso e, infelizmente, não teve o seu problema resolvido, não resta outra alternativa senão entrar com uma ação contra a empresa. Aliás, se a empresa não responde ao Procon ou se não resolve o problema de forma satisfatória, é justamente essa a recomendação que virá no termo que vão enviar pra você. Geralmente, o problema pode ser resolvido através do Juizado Especial Civil (JEC) e não precisa de advogado. No meu caso, eu tenho um escritório que me presta assessoria, então eu marco uma reunião, conto o caso, mando os documentos e eles resolvem tudo. Nunca tive tempo/ paciência de fazer tudo eu mesmo, mas já tive dezenas de relatos no Twitter de pessoas que fizeram tudo por conta própria e, ou ganharam a causa, ou a empresa propôs um acordo que acabou se mostrando vantajoso.

     Espero que esse artigo tenha lhe inspirado a lutar por seus direitos. Eu sei que vivemos num país de merda, onde a maioria das empresas não trata o consumidor com o devido respeito. Apesar de termos várias operadoras de telefonia, vejo casos absurdos em todas elas. Pagamos uma carga tributária altíssima e não contamos com o respaldo do governo e suas agências para intervir a nosso favor. Mas, mesmo com todas essas adversidades, não deixe que as empresas passem por cima dos seus direitos. Reclame! Corra atrás! O brasileiro é um povo que reclama muito em redes sociais, mas não toma nenhuma atitude mais definitiva pra realmente resolver o problema. Só “xingar muito no Twitter” não vai resolver (na maioria dos casos). Agregue a essa reclamação outras atitudes, como as que citei aqui. As empresas tem pleno conhecimento que muitos clientes não estão disposto a correr atrás dos seus direitos e é por isso mesmo que estamos nessa situação lamentável. Pra elas, fica muito mais barato pagar os processos que perdem do que tratar a todos com respeito. A partir do momento que a conta dos processos começar a ficar alta demais, todos seremos beneficiados com uma mudança de postura por parte das empresas. Corra atrás!

     Em tempo: você pode entrar com uma ação no JEC sem ter usado os outros métodos (Reclame Aqui, Anatel, Procon, etc.) pra tentar resolver? Sim, pode. Mas num país onde os processos se acumulam aos milhões, o juiz verá seu caso com outros olhos se ver que você tentou praticamente de tudo pra resolver e só recorreu a Justiça em último caso. Coloque-se no lugar do juiz. Imagina que você tem a mesa abarrotada de processos e você abre um e vê alguém pedindo uma indenização de R$ 5.000,00 por um produto não entregue e a pessoa nem sequer se deu ao trabalho de ir ao Procon. O que ele vai pensar de você? No mínimo, que você não fez a coisa direito. Em alguns casos, quem sabe, que você é um oportunista querendo ganhar um dinheiro fácil. Por isso, reforço: siga todos os trâmites que recomendei. Caso tudo o mais falhar e você precise do JEC, as chances de ganhar serão maiores. Aliás, não basta “apenas” ter razão. Você precisa comprovar os fatos. Ou seja, reuna a máxima documentação possível, para que você dê pouco espaço pra defesa do réu trabalhar, explorando as brechas que você deixou no processo.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
fev 19

Dá pra confiar no sistema de bilhetagem da Vivo?

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 19/02/2013 às 13:44h

     Já tem vários meses que reclamo na Vivo sobre o sistema deles ter algum tipo de falha na bilhetagem. Cheguei a ficar quase 1 hora na linha com uma atendente, pedindo pra ele olhar o extrato, linha a linha e ver que era claro o erro. Como vocês sabem, emprego em callcenter é o auge da carreira de qualquer ser humano bem qualificado, né?

     Brincadeiras e ironias mordazes a parte, quando a Anatel engrossou o papo com as operadoras no ano passado, inclusive proibindo a venda de chips por vários dias, um dos maiores problemas era justamente a cobrança indevida. O Código de Defesa do Consumidor (CDC) é claro ao dizer que toda cobrança indevida deve ser punida com a devolução em dobro, justamente para não estimular que empresas usem da má fé pra obter rendimentos extras. O problema é que, quase todo mundo confia cegamente nos sistemas das operadoras (mesmo não tendo motivos pra isso) e não confere a conta.

     Como não é de hoje que eu sei que a Vivo me cobra errado, eu simplesmente assumi meu TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) e passei a fazer, diariamente, um controle rigoroso do saldo, entrando no site da operadora, pegando o saldo e colocando numa planilha. Uma vez por semana, eu ainda tiro uma captura de tela do sistema e imprimo, como prova que naquele dia o saldo era o que apontava na tela. Isso porque, quando dá algum erro, por mais que você tente argumentar com os atendentes da Vivo, você está sempre errado.

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
nov 08

Vivo estaria entregando pedidos cancelados

6 Comentarios »Postado por GordoGeek em 08/11/2012 às 14:32h

      Falei aqui no começo da semana que a Vivo abusou tanto da sorte, cancelando sem motivo aparente, dezenas (quem sabe até centenas) de pedidos feitos na Loja Online, que o Procon entrou no caso e o Kissuco engrossou.

      Como eu fui um dos afetados, ontem eu recebi uma ligação da Vivo dizendo que haviam recebido a documentação que mandei via Procon e estavam apenas me ligando pra dizer que estão cientes, mas que, infelizmente, ainda não tem uma posição concreta pra me dar. Segundo eles, houve um problema no sistema da Loja Online (ahan, ahan..) e foram vendidos mais aparelhos do que eles tinham em estoque. Mas, eles estariam estudando formas de não prejudicar quem teve os pedidos cancelados e iriam entregar produtos compatíveis, na mesma faixa de preço e/ ou similares. Assim que tivessem uma posição concreta, iriam retornar o contato.

      Durante o período da promoção na loja, eu divulguei bastante via Twitter e aqui no blog. Assim, muitos vieram até mim dizer que os pedidos foram cancelados e orientei a reclamarem na Anatel e Procon. Eu sei que o brasileiro geralmente é um povo acomodado e muitos deixaram pra lá. Mas os que seguiram minha orientação, também tiveram contato similar da Vivo. Alguns inclusive já receberam o aparelho e detalhe: tiveram casos que a operadora, pra tentar não tomar um processo ou coisa parecida, resolveu dar o aparelho de graça e deixaram isso subentendido na ligação de contato.

      Se você foi um dos prejudicados pela lambança da Vivo e ainda não fez a reclamação, recomendo que corra atrás, pois pelo visto, ela vai honrar os pedidos cancelados. Não sei se ela vai dar de graça o aparelho pra todos, mas vale a pena tentar. Certamente o jurídico da empresa já está ciente que uma ação coletiva movida pelo Procon e outros órgãos de defesa do consumidor não seria boa coisa. Aliás, a Microsoft, na semana passada, ao anunciar um preço do Windows e cobrar mais caro por ele, teve comportamento similar quando o Procon pediu explicações: ela cancelou o que haviam pago e o entregou o produto, ou seja, saiu de graça. Nada mais justo, já que é uma compensação pela dor de cabeça que a empresa fez o consumidor passar.

TAG(s):
Categoria(s): Notícias
preload preload preload