dez 13

Porque comprar um Moto X Play ao invés de um Zenfone 2

3 Comentarios »Postado por GordoGeek em 13/12/2015 às 21:41h

     Na semana passada eu fiz um post sobre a decepção que tive ao usar o smartphone Zenfone 2 da Asus. O aparelho foi muito elogiado por um bocado de sites de tecnologia, como sendo super poderoso, arrasando nos benchmark, mas eu simplesmente detestei o gadget.

     Eu pedi o cancelamento da compra no Submarino e, antes mesmo do estorno, acabei comprando um Motorola Moto X Play, que muitos vem dizendo ser uma super decepção da marca, um verdadeiro downgrade pra quem tinha a versão do ano passado. Mas por que eu optei pelo azarão, ao invés do favorito? Vamos lá, pois tenho alguns pontos pra explicar a decisão.

     Se tem uma coisa que a Apple sabe fazer é propiciar uma boa experiência ao usuário, independente das especificações técnicas, que ficam em segundo plano. O iPhone 6, que é um excelente aparelho, tem apenas 1GB de RAM e uma CPU dualcore. Enquanto isso, concorrentes do mundo Android (como o próprio Zenfone 2) trazem 4GB de RAM, outros entregam CPU octa-core, blablabla. Isso realmente importa?

     Muita gente criticou meu vídeo sobre o Zenfone 2 no YouYube dizendo que eu dei ênfase demais em design e isso é uma coisa muito pessoal. Não, não é. Se todo o mercado tivesse fazendo as cagadas que a Asus fez, tudo bem. Mas não é isso que estamos vendo. A Asus tentou copiar a LG em alguns pontos e deu um belo tiro no pé. Colocar caixas de som traseiras, onde o som fica abafado quando o aparelho é apoiado na cama, impossibilitando assim de ver um vídeo, não é legal. O mesmo vale para os botões na traseira, forçando o usuário a virá-lo toda vez que quer ajustar o volume. Ao digitar algo com o aparelho na mesa, ele fica “dançando” devido a sua curvatura avantajada. E por ae vai… Um verdadeiro show de horrores, que ninguém na Asus teve o bom senso de gritar PARE.

     Eu sinceramente não consigo ignorar falhas graves de design como essa, pois me afetam a todo minuto que interajo com o gadget. Porém, vamos deixá-las de lado só por um instante e vamos nos concentrar em outros ítens, como a pífia autonomia de bateria (chega ao meio dia com 45% de bateria), os 59% de RAM que o sistema devora mesmo sem nada carregado ou o fato de ter que abrir o aparelho para inverter os chips das operadoras, pois não dá pra fazer isso via software.

     Com o aumento do dólar e a venda da Motorola para a Lenovo, a linha Moto realmente sofreu um duro baque. Nem de longe são os espetaculares aparelhos de 2013/ 2014. Porém, não são de todo ruim. Eles são equilibrados. E essa é a palavra-chave. Deixaram de lado grandes números, um acabamento mais refinado, mas conseguiram entregar uma boa experiência pro usuário e isso é o que importa no final das contas. Não quero ficar lembrando quantos GB de RAM o aparelho tem. Quero clicar em algo e carregar rápido. E isso o Moto X me entrega.

     Eu optei pelo Moto X Play, concorrente direto do Zenfone 2 (ambos tem a mesma faixa de preço) porque não gosto de apps de terceiros inundando meu aparelho, sem que eu possa desinstalá-los (bloatware). Gosto de um Android puro, sem customização (ainda mais de péssimo gosto como a ZenUI). Isso só deixa o aparelho mais lento e inseguro, tendo em vista que atrasa os updates.

     A Motorola nunca teve uma câmera que se destacasse em seus smartphones. Muito pelo contrário. Mas eles finalmente acertaram a mão e colocaram uma câmera bem razoável nos Moto X desse ano. Aliás, até os Moto G, tiveram uma melhora significativa. Não vou comprar com o iPhone, porque isso seria covardia (e burrice, já que um custo R$ 1.000 e outro R$ 4.000). Mas se você levar em conta que o Sony Xperia Z5 custa mais de R$ 4.000 e tem uma câmera pior que a do Moto X, é um ótimo negócio.

     A bateria também ficou mais “esperta” (enormes 3630mAh) e tem durado mais. Segundo os primeiros testes, dá pra chegar até o final do dia num uso intenso ou um dia e meio pegando mais leve com o bichinho. Pra mim, se durar um dia todo de uso, no meu ritmo, cumpre seu papel. O que não pode é no meio do dia me forçar a pegar leve ou pior: me deixar na mão. Durante a madrugada eu durmo e não uso telefone, então o que espero é ter um aparelho que me aguente durante o dia, enquanto estou acordado e preciso dele. E como eu não moro numa vila indígena sem energia e posso deixá-lo carregando, sem problema de durar “só” um dia.

     Muita gente pode achar bobagem, mas eu sou fã dos comandos de voz do Google. Poder interagir com seu aparelho durante o dia, sem ter que pegá-lo na mão, disparando comandos sem apertar nenhum botão é coisa linda. E depois que você se acostuma, abrir mão disso é muito complicado.

     Apesar da TIM e OI terem liberado novos planos com tarifas super agressivas pra outras operadoras, ambas tem sinal muito ruim na minha cidade (e acredito que em grande parte do país). Claro e Vivo ainda seguem com a melhor cobertura, apesar dos planos mais caros. E é por isso que ainda preciso de um aparelho dualSIM e com possibilidade de usar, senão 4G, pelo menos 3G em ambos os slots, podendo comutar rapidamente, via software, sem ter que abrir a capa do aparelho no meio da rua, ejetar um SIM, colocar no bolso, ejetar outro, colocar no primeiro slot, tirar o outro SIM do bolso..

     Em testes de performance, medidos por aplicativos como GeekBench e AnTuTu, o Moto X Play tomou uma surra do Zenfone 2. Foram em torno de 35% de diferença. Mas, ainda bem, no dia-a-dia, pro meu uso, isso não se mostrou significativo. Pelo contrário. Enquanto eu experimentava alguns lags (travadinhas) no Zenfone, no Moto X Play eu sinto o sistema roda tudo super fluido. Talvez, porque não tem a customização cagada da fabricante pra atrapalhar, mas não posso afirmar que seja isso.

     Confesso que fiquei incomodado quando tava escolhendo entre Moto G de terceira geração e Moto X Play. Cheguei a encontrar promoções do Moto G por R$ 750, enquanto o Moto X Play saiu por R$ 997. Meu desconforto foi saber que o Moto G tem proteção IPx7, podendo ter contato com água, enquanto o Moto X não. Como assim? Eu tô pagando mais caro num modelo superior e ele não traz os mesmos recursos do mais barato? Talvez a Motorola, na sua luta por cortar custos, teve que fazer esse sacrifício (assim como outros). Mas eu fiquei fulo com isso.

     Falando em me deixar fulo, que diabos é aquilo de ter que escolher entre um segundo SIMcard e o cartão microSD no Moto X Style, Motorola? Sério que não dava pra colocar a gaveta do microSD em outro canto e deixar o usuário ficar com 2 operadoras e espaço extra? Burrice tem limites e vocês estão chegando bem perto dele. Conselho de quem gostou muito da marca no passado recente e está ficando descrente.

     Espero que nos próximos dias não surjam novos fatos desagradáveis no uso do Moto X Play, pois até o momento, as primeiras impressões são muito boas e certamente não me arrependo de ter devolvido o Zenfone 2.

TAG(s):
Categoria(s): Android
dez 02

Uma enorme decepção que atende pelo nome de Zenfone 2

15 Comentarios »Postado por GordoGeek em 02/12/2015 às 20:18h

     A crise tá foda. Acho que não sou o único a achar isso, né? E justamente pelo aperto no cinto, faz tempo que não compro gadgets. Mas, nesse BlackFriday, tinha R$ 300 em cupons acumulados no Submarino e eles tavam pra vencer. Ae decidi fazer minha única compra da temporada e apostar as fichas num “super smartphone” com 4GB de RAM. Ele tava de R$ 1.399 por R$ 999 (em 20 vezes no cartão Submarino), menos os R$ 300 dos cupons, saiu R$ 699 em 20 vezes sem juros!

     Como todo bom geek, fiquei todos os dias de olho no status do pedido. Quando saiu pra entrega, roia as unhas para esperar o bicho chegar. Estava super ansioso e entusiasmado, já que um smartphone com 4GB de RAM deve ser o capeta de bom, né? E eu estou usando um modesto Lumia 435 DTV.

     Logo que tirei o aparelho da caixa, comecei a “achar defeitos” que foram se acumulando e me incomodando. Ele é pesado demais, a traseira muito curva e lisa (pedindo pra cair), os chips são microSIM (e não nanoSIM), a bateria não é removível, o software é extremamente poluído com uma customização de péssimo gosto da Asus e por ae vai. Em resumo: detestei com menos de 10 minutos mexendo.

     Quando eu fui gravar o vídeo com meus comentários, eu já sabia que daria polêmica. Eu realmente não gosto de falar mal de um produto. Gosto de fazer boas compras e ficar feliz com elas. Porém, quando minha única compra da BlackFriday é um produto todo cagado, eu tenho obrigação moral com meus leitores, alertando-as da tremenda roubada que é esse aparelho. Especialmente quando o marketing da Asus despeja rios de dinheiro, dando o aparelho para vários influenciadores, que na verdade usam iPhone, mas no dia que recebem o smartphone (e vendem logo em seguida), falam maravilhas (mas nunca mais usam). Vocês já devem ter visto muita blogueira de moda assim, né?

     Eu gosto de ver pequenos “filmes” na cama logo após o almoço. Pode ser algo no YouTube, Netflix, etc. E logo que coloquei o aparelho na cama, percebi várias coisas horríveis. Primeiro, as caixas de som traseiras abafam completamente o som, ficando impraticável usá-lo dessa forma. Segundo, como os botões de volume ficam na traseira, toda vez que você quiser fazer algum ajuste, terá que pegar o aparelho com as duas mãos, virá-lo e acessar os botões. Por fim, a tal traseira abaulada que faz com que o aparelho fique “dançando” quando você dá toques na tela do mesmo, seja pra escolher o conteúdo, dar um pause, acessar uma notificação, etc.

     Um dos comentários mais divertidos que deixaram no YouTube foi que não era justo eu comparar o Sony Xperia Z2 com o Asus Zenfone 2, pois o Z2 é highend e o Asus é midleend. Gente, a Sony lançou o Z2 em fevereiro de 2014 e a Asus lançou o Zenfone 2 mais de um ano e meio depois. E outra: o Zenfone 2 tem o dobro de RAM do Z2. Se a comparação é injusta, só pode ser com a Sony e não com a Asus. Bom senso mandou lembranças..

     Outra leva de comentários disse que são apenas opiniões rasas. Lançar em 2015 um aparelho com microSIM e não nanoSIM é razoável? Encher o aparelho com software customizado que só atrapalha a experiência de uso, compromete a segurança e atrasa os updates é razoável? Botões totalmente fora do convencional, longe do caminho natural dos dedos, ignorando todo o bom senso do design é razoável? Pelo amor de Deus.. Não precisam concordar comigo, mas coloquem argumentos válidos na mesa.

     Os fãs da Asus simplesmente ficaram malucos comigo, mas o fato é que a Asus não teve o mínimo cuidado ao pensar situações de uso do aparelho, coisa que a Apple faz a exaustão. São falhas de design que toda vez que você usar o telefone, vai pensar “caralho Asus, como vocês são burros”. E, por isso, eu prefiro devolver o aparelho enquanto posso, ao invés de passar raiva toda vez que eu for interagir com o smartphone.

     Update 07/12/2015 19:28h => Vou fazer esse update para falar mais algumas coisas que notei no uso do Zenfone 2 por quase 1 semana. Hoje eu vi que realmente o aparelho não é pra mim, apaguei tudo, coloquei na caixa e solicitei a coleta pelo Submarino. Por que fiz isso?

     Mesmo as minhas primeiras impressões sendo horríveis, pensei que talvez pudesse me acostumar. Afinal, não se acha um aparelho com 4GB de RAM por R$ 699 (preço da Black Friday + meus cupons de desconto). Porém, algumas aberrações da Asus ficam “gritando” a todo momento na minha cara, enquanto tento usar o Zenfone 2.

     Sobre os famigerados botões, realmente não me acostumei. Talvez uma semana seja pouco tempo, mas novamente eu me pergunto: se é algo tão bom, por que outras fabricantes não foram atrás, já que tudo que é bom, é copiado? Pelo simples fato de que não é bom! Isso é uma aberração! Empresas não gastam milhões em pesquisa e desenvolvimento a toa. Quando elas chegam a certas conclusões, depois de milhares de horas de estudo, sobre onde por o botão, quer dizer que ali é o lugar “certo”. Não foi frescura.

     Eu sou um heavy-user. Achei que 4GB de RAM iriam me fazer sentir no paraíso. Contudo, logo ao ligar o aparelho, o sistema já consome 58% disso. Ou seja, mais um tapa na cara daqueles que dizem que a tal interface da Asus não pesa. Pesa sim sr! Tem muito aparelho Android com “apenas” 2GB de RAM e que o sistema roda com menos de 700MB e se comporta de forma muito mais lisa. Além disso, a Asus não permite remover um monte de apps, o que é extremamente chato. Por que eu não posso remover o Amazon Kindle que vem instalado? De certo porque a Asus fez parceria com a Amazon, levou uma bela grana e socou o app ali. Isso me irrita muito! Eu paguei pelo telefone. Não sou palhaço pra ficar com um app ali, útil ou não, que eu não possa remover.

     A câmera do Zenfone 2 é realmente bem satisfatória. Não é nada excepcional, mas ela costuma ser rápida e fazer fotos decentes quando existe bastante luz. De noite, ae já complica tudo. Ela raramente acerta o foco.

     Guardei o melhor para o final. Apesar do Zenfone 2 ser um aparelho dual-SIM, apenas o slot 1 possui acesso a dados. Ou seja, se você (como eu), tem 2 planos, com 2 planos de dados, pra poder comutar rapidamente (via software) qual chip usar, a depender da qualidade do sinal, ficará frustrado. Não tem como fazer isso! A única forma é abrir a capinha, tirar os 2 chips e inverter a posição deles. É ridículo isso num aparelho lançado na metade 2015. Inaceitável!

TAG(s):
Categoria(s): Android
mar 23

Notebook Bom, Bonito e Barato (BBB) existe ou é mito?

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 23/03/2015 às 17:56h

     Já tem alguns meses que eu estava a procura de um notebook pra minha esposa e outro pro meu avô. As necessidades dos dois são basicamente a mesma, mas o da minha esposa eu queria caprichar um pouco mais, pois ela pode precisar de um pouco mais de potência. Já meu avô, qualquer coisa que não trave e abra Facebook e Powerpoint (aqueles famosos anexos dos emails) estava de bom tamanho.

     No universo de notebooks rodando Windows, as possibilidades são praticamente infinitas. Eu me segurei pra não comprar algumas opções super baratas, como alguns CCE e Positivo girando na casa dos R$ 600, inclusive com tela touch. Porém, pelo que andei lendo (faz tempo que estava fora do mundo Windows), pegar algo com menos de 2GB é pedir pra ter problemas. Especialmente se levarmos em conta que o Windows 10 chega ainda esse ano e provavelmente vai exigir mais do sistema, além de ser um upgrade gratuito.

     Resolvi abrir mão de uma tela touch, apesar de ficar bastante atraído por elas, pois os modelos de marcas mais conhecidas (Dell, Lenovo, Asus, etc.) com tela touch e hardware um pouco melhor eram bem mais caros. Eu dei sorte de comprar ambos os notebooks em promoção. O do meu avô (Asus X552EA-SX188H) tem um preço médio de R$ 1.100 e paguei R$ 850. O da minha esposa (Lenovo G40 i5), atualmente vale em torno de R$ 2.000 e paguei R$ 1.150. Ou seja, excelentes descontos.

     Se você não quer pagar muito caro e ter uma máquina de um fabricante conhecido, com uma boa garantia, uma boa performance para tarefas cotidianas e acadêmicas, recomendo que fique de olho em promoções do Asus que comprei para o meu avô. Com certeza você vai conseguir usar a suíte Office, se divertir em redes sociais e aproveitar de recursos multimídias (YoYube, Netflix, etc.) pagando relativamente pouco.

TAG(s):
Categoria(s): Computadores
set 10

Tablet HP 1401 e Gradiente Tegra Note: valem a pena?

4 Comentarios »Postado por GordoGeek em 10/09/2014 às 13:47h

     Já tem quase um mês que comprei o tablet Android HP 1401 (16GB) e estava enrolando pra fazer o review. Como essa semana eu recebi também o Gradiente Tegra Note, resolvi matar dois coelhos com uma cajadada só e fazer um grande vídeo para responder a pergunta fatídica: vale a pena comprá-los? Porque no final das contas, de nada adianta o equipamento ser bom, se tem concorrentes melhores, na mesma faixa de preço, que acabam por não torná-los uma boa escolha de compra.

     A primeira coisa que me chamou a atenção no tablet da HP foi sua impressionante similaridade com o iPad mini Retina da Apple. Muitos até disseram que pareciam um clone, quando postei as fotos no Instagram. Tirando um detalhe ou outro, a semelhança entre os dois produtos (pelo menos fisicamente) é muito grande. O tamanho de ambos, posicionamento de botões, proporcionalidade da tela e outros itens parecem idênticos. É um mistério que a Apple ainda não tenha processado a HP por isso. Por muito menos, ela foi atrás da Samsung com faca nos dentes.

     Apesar de ser fisicamente muito parecido com o iPad, a experiência é completamente diferente. Primeiro, porque um roda o iOS e o outro o Android. Segundo, porque as especificações são bem diferentes, conforme podemos ver nos aplicativos que medem a performance dos mesmo. E, mesmo esses testes não refletindo muito bem a verdade, servem sim pra nortear o poder de fogo de cada um. E, pelo preço que o HP é normalmente vendido, existem alternativas bem melhores.

     Quando o Gradiente anunciou sua parceria com a NVidia, eu fiquei bem empolgado em testar o Tegra Note. Porém, isso já faz muitos meses e só consegui o aparelho agora. Aliás, ele não é dos equipamentos mais fáceis de ser encontrado por ae, nem novo, nem usado. Ele só é vendido na loja online da Gradiente, pelo preço de R$ 999, o que o tornava uma boa pedida há alguns meses, mas em setembro de 2014 já existe alternativa melhor.

     Conforme eu mostrei nesse vídeo, por ter uma arquitetura de CPU diferente, nem todos os apps (inclusive os de benchmark) rodam bem no Tegra Note. No AnTuTu, a performance do tablet foi muito boa. No uso geral, idem. Não dá pra sentir engasgadas e o sistema é fluido. Porém, quando se chega no quesito preço, os R$ 999 pedidos pela Gradiente parecem um pouco demais para um dispositivo que tem uma performance similar ao LG G Pad V 500, que pode ser encontrado em promoções constantes por menos de R$ 600. Assim, fica um tanto complicado justificar a compra do mais caro, já que o restante dos atributos, como tamanho, peso, qualidade da tela, chassi e outros, são similares ou pendem mais pro lado do concorrente.

TAG(s):
Categoria(s): Android
jul 22

Qual o melhor tablet barato para criançada ver desenho

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 22/07/2014 às 14:14h

     Se você perguntar pra alguém, que tablet ele gostaria de ter, é muito provável que quase todos digam: iPad. Mas, como nem todo mundo tem condições financeiras de pagar R$ 1.500,00 no tablet da Apple, se proliferam por ae dezenas de opções com Android.

     Já tem tempo que eu queria comprar algus tablets Android pra testar e finalmente tomei coragem pra isso. Claro, esperei promoções para tal e acabei pegando um modelo da Asus e outro da Philips. Além disso, peguei um Galaxy Tab 3, que já tinha aqui, pra fazer o vídeo acima.

     Espero que todos tenham o bom senso de saber que um tablet de R$ 300,00 não será o estado da arte. Porém, acredito que atenderá a um público que não esteja disposto a desembolsar muito dinheiro e se contente em ver vídeos armazenados no cartão microSD, Netflix, Youtube e afins. Apesar da resolução e da performance estarem longe do ideias, pra essas funções, até que quebram um belo galho.

TAG(s):
Categoria(s): Android
jul 16

LG Nexus 4 de 16GB por apenas R$ 879,12 à vista

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 16/07/2013 às 22:31h

     O Submarino às vezes tem bons descontos pra quem tem o cartão deles. Dessa vez o @o_nerd avisou que o smartphone Nexus 4 de 16GB, o puro sangue do Google/ LG, está saindo por R$ 879,12. Preço muito bom por um quad-core com 2GB de RAM, apesar de não ter uma câmera tão boa assim, bateria não removível e ausência de slot para cartão microSD. Tem inclusive o novo modelo branco.

TAG(s):
Categoria(s): Android
jul 09

Tablet de 7″ ASUS ME172V por apenas 10 de R$ 39,90

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 09/07/2013 às 21:10h

     Que tal um tablet baratinho de 7″ de um fabricante respeitado para deixar na mão da criançada ou fazer tarefas que exijam pouco desempenho? Esse é o foco do tablet ME172V da Asus. Ao menos, no meu modo de ver. Porque evidente que a fabricante vai querer colocá-lo no mesmo patamar de um iPad mini ou tablets mais poderosos, o que nem de longe é verdade.

     O @wallacedpq me avisou pelo Twitter que a Fastshop tem Asus M#127 por R$ 362,38 à vista ou 10 parcelas de R$ 39,90. Se você quer algo bem barato, mesmo que modesto, mas não quer apelar para um fabricante pouco conhecido (Xing Ling), recomendo.

     O ME172 da Asus tem tela de 7″ LED WSVGA (1024X600), CPU single core, 1GB de RAM, 8GB de espaço interno e espaço para cartão microSD, de forma a expandir a capacidade do bichinho na parte multimídia, colocando documentos, músicas, vídeos, etc. Pra criançada, é suficiente, pois dá pra ver Netflix, desenhos, filmes, etc. Ele roda Android 4.1, ou seja, não dá pra instalar apps no cartão, ficando restrito ao armazenamento interno.

TAG(s):
Categoria(s): Android
mar 06

Comparativo em vídeo: Galaxy Tab versus Nexus 7

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 06/03/2013 às 23:18h

     No começo do mês passado eu escrevi aqui no blog um comparativo entre iPad mini, Nexus 7 e Galaxy Tab, na tentativa de responder a inúmeras perguntas que recebo dos leitores. Eu estava aguardando a Apple lançar o iPad mini no Brasil pra fazer um vídeo com os três, mas como já se passaram quatro meses do lançamento nos Estados Unidos e nada do bichinho aparecer por aqui, fiz um vídeo apenas com os tablets Android que tenho por aqui.

     Apesar do tablet da Google possuir as melhores especificações e apresentar performance superior, o modelo de 16GB apenas com Wi-Fi, que nos Estados Unidos é vendido na Google Play por meros USD 199, chegou por aqui custando a bagatela de R$ 1.299,00. Além de caro, essa é a única versão comercializada por aqui. A versão de 32GB apenas com Wi-Fi custa lá fora USD 249 e a 32GB com 3G USD 299. Infelizmente, nem sinal delas pra vender oficialmente aqui no Brasil. Porém, se fizermos uma regra de três pra determinar quantos os varejistas iriam cobrar delas por aqui, talvez seja melhor que nem vendam mesmo.

     No outro lado do ringue temos os tablets da veterana Samsung. Se você quiser algo bem baratinho, temos o modelo P3110, de 8GB com Wi-Fi saindo por R$ 625,00 à vista ou R$ 699,00 em 12 vezes. Já o modelo com 16GB (estranhamente também chamado de P3110) sai por R$ 762,00 à vista ou R$ 897,00 parcelado. Pra finalizar, o modelo que eu tenho, o 16GB com 3G e telefone, sai R$ 1.070,00 à vista ou R$ 1.199,00. Todos esses modelos, se você der uma pesquisada em sites de usados, vai encontrar preços muito bons. É relativamente comum surgirem promoções (geralmente de madrugada) de aparelhos em queima de estoque, cerca de 30% mais barato.

     Se você tiver alguém que lhe traga o Nexus dos Estados Unidos, sem dúvida que vale a pena comprar o brinquedo por lá. Porém, devemos lembrar que ele só tem câmera frontal e não tem suporte a cartões microSD. Assim, se isso for importante pra você, leve em consideração. Por outro lado, ele tem uma baita performance, graças a sua CPU de 4 núcleos Tegra 3. Já o Galaxy Tab, é menos poderoso, mas possui preços bastante interessantes no Brasil, além de ter câmera traseira, aceitar slots de expansão de memória e funcionar como telefone.

TAG(s):
Categoria(s): Android
jul 09

Precisando de um notebook com tela confortável?

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 09/07/2009 às 15:07h

     Muita gente não gosta de notebook, seja pelo tamanho reduzido da tela, seja pelos teclados menores e descortáveis. Pensando em atednder esse público, a Asus está lançando uma linha muito bacana de notebooks.

     Bonitos e poderosos, as máquinas tem opção de CPU AMD ou Intel. Esse ae acima por exemplo, tem tem de 17,3 polegadas, 4GB de RAM e placa gráfica ATI Mobility Radeon HD4570.

TAG(s):
Categoria(s): Computadores, Gadgets
jun 25

Asus eeePC 1005-HA: incríveis 10,5hs de bateria

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 25/06/2009 às 14:46h

     Se você precisa de muita autonomia de bateria, mas nem tanto assim de potência, uma boa pedida é o netbook eeePC 1005-Ha da Asus, que ultrapassa as 10hs de uso.

     O pequeno portátil tem tela LED de 10.1 polegadas (1024×600), processador Intel Atom N280 de 1.66GHz, 1 GB de RAM e 160GB de HD. Precisa mais que isso? Eu, não.

TAG(s):
Categoria(s): Computadores, Gadgets
preload preload preload