jun 10

Como importar seus MP3 para o streaming da Deezer

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 10/06/2014 às 16:11h

      Havia muitos meses que eu não gastava meu suado dinheirinho na loja de música do Tim Cook. Isso porque adotei os serviço de música por streaming e, na maioria das vezes, me atende razoavelmente bem. Porém, comecei a acompanhar o programa Super Star da Globo e quis comprar algumas músicas que gostei. Claro, eu poderia apelar pra pirataria, pegar os mp3 por ae ou simplesmente gravar o áudio do Youtube ou ainda do site do programa no GShow, mas optei pela facilidade de pagar uns trocados pra Apple, usando a iTunes Store.

      Minha intenção inicial era continuar ouvindo minhas músicas via streaming, de forma que eu não ficasse preso a plataforma da Apple e pudesse ouvir via Windows Phone e Android. No caso do Spotify, ele já reconhece as músicas do iTunes e você consegue sincronizar nos dispositivos móveis. Porém, tem um pequeno detalhe: diferente do Deezer, que faz o upload das músicas em formato MP3, no Spotify você precisa do app aberto no computador. Mas só na hora de sincronizar. Uma vez baixado no smartphone, o PC não precisa estar ligado.

      Como disse anteriormente, o Deezer tem o diferencial de subir as músicas pra nuvem. Porém, ele só suporta o formato MP3 e como as músicas compradas na iTunes Store são em M4A, tive dificuldades em fazer isso. Apesar de geek, que deveria “saber dessas coisas”, fazia tanto tempo que não pirateava música que acabei esquecendo nome de programas e afins. Apelei pro Twitter e me deram a dica de fazer a conversão usando o próprio iTunes.

      Se você for seguir a documentação da Apple, saiba que ela está errada. Provavelmente, num update do aplicativo, a empresa mudou o nome dos botões e não atualizou a documentação. Por isso, as referências não são válidas. Na prática, você deve abrir o iTunes, clicar em “Preferências”, e na guia “Geral”, clicar no último botão do rodapé “Ajustes”. Dentro da tela que vai se abrir, mude a opção “Importar Usando” de AAC para MP3. Dê Ok e volte pra tela principal do iTunes. Lá, selecione a(s) música(s) que deseja converter, clique com o botão direito e depois “Criar Versão MP3″. Aguarde alguns minutos e pronto. Versão MP3, suportada pelo Deezer, gerada.

      Pra finalizar, abra o site do Deezer, logue-se no serviço, clique em cima do seu avatar, logo debaixo de “Biblioteca” e depois em “Meus MP3″. Note que vai abrir uma tela que tem uma espaço com a orientação “Arraste seus MP3s até aqui”. Localize os arquivos do iTunes, arraste-os para a área indicada ou use o botão “Enviar Seus MP3″, se preferir selecioná-los usando o sistema de pastas do seu sistema operacional. Caso você não saiba onde estão os arquivos, você pode abrir o iTunes, selecionar os arquivos e mandar colar na área de trabalho. Depois do upload, pode apagá-los.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
fev 07

Saiba como quebrar o DRM de livros da Amazon

12 Comentarios »Postado por GordoGeek em 07/02/2013 às 00:21h

     Nas últimas semanas eu fiz uma série de artigos, inclusive com muitos vídeos, comparando os leitores de livros digitais Kobo (distribuído no Brasil pela Livraria Cultura) e Kindle (da gigante americana Amazon). Dois fatores contam muito a favor do Kobo: o leitor e cartões microSD (que permite expandir a capacidade de livros disponíveis no dispositivo para a ordem de milhares) e sua maior compatibilidade com os formatos de e-books vendidos, inclusive o famoso ePub.

     Eu testei o Kobo Touch e o Kobo Glo por alguns dias e infelizmente não me adaptei. Pra quem vai comprar todo conteúdo a ser lido pela Livraria Cultura ou Kobo Books, a experiência pode ser positiva. Porém, pra quem já tem conteúdo comprado em outras lojas (como a Amazon) ou vai colocar outros tipos de documentos, como trabalhos de faculdade, artigos científicos e outros, o Kindle é bem mais interessante. Isso porque, ao contrário do Kobo, o e-reader da Amazon sincroniza suas notas, destaques e posição que parou a leitura em todo o tipo de documento e não apenas em livros comprados na loja deles. Ou seja, muito mais flexível! Além disso, todos os documentos ficam disponíveis na nuvem da Amazon e basta um clique para baixá-los em um novo dispositivo.

     Eu sou um fã declarado do Kindle, mas confesso que a Livraria Cultura saiu na frente, trazendo aparelhos com mais recursos ao público brasileiro. A Amazon está comercializando apenas a versão mais simples do seu e-reader, sem a tela touch e sem iluminação própria. Dessa forma, não querendo mais aguardar a boa vontade de empresa americana, muitos leitores acabaram comprando versões do Kobo, mesmo que esse não fosse seu dispositivo favorito.

     Essa semana alguns leitores me pediram pra fazer um artigo explicando como quebrar o DRM dos livros comprados na Amazon. Não que eles estejam com intenção de piratear os livros (alguns até podem estar), mas a maior parte deles vai fazer o chamado “fair play use”, ou seja, eles compraram os livros na Amazon, mas como atualmente tem aparelhos Kobo e esse não é capaz de ler os livros com DRM da concorrente, é necessário esse pequeno “truque” para que eles tenham acesso a um conteúdo que eles já pagaram e não seria justo ter que comprar novamente na Livraria Cultura.

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
jan 06

Como melhorar a leitura de PDF no Kindle?

2 Comentarios »Postado por GordoGeek em 06/01/2013 às 22:21h

     Sempre ouvi que e-readers como Kindle e Kobo não eram os melhores dispositivos para leitura de PDF. É um tal de ficar dando zoom in e zoom out que até o mais persistente dos monges desiste. Nesses casos, a melhor solução seria um tablet do tipo iPad ou Galaxy. Porém, hoje recebi umas dicas via Twitter e consegui melhorar a leitura de um PDF que tava interessado.

     Como muitos donos de Kindle já devem saber, todo dispositivo Kindle (e também os apps, para Android e iOS) tem um email exclusivo para envio de documentos (algo como [email protected]). Quando se envia um PDF anexado a esse email, ele simplesmente cai no Kindle como um livro digitalizado. Fica horrível de ler, pois as fontes são pequenas e é impossível aumentá-las. No entanto, se no assunto, você colocar a palavra “CONVERT”, ele será convertido e interpretado como um livro, deixando trocar a fonte, espaçamento, etc.

     Se por algum motivo, você gostar mais do aplicativo Send to Kindle, basta fazer um pequeno ajuste e ele também fará a conversão antes de enviar. É um pouco mais chato que o email e sinceramente, não sei quem iria preferir usar o app, mas fica a dica.

     Queria agradecer ao @PabloSaraiva e ao @BugHead pelas dicas. Graças a eles, consegui ler o PDF que pretendia de maneira mais agradável e menos sofrível. Ah, curioso pra ver a diferença? Aqui é sem conversão e aqui convertido.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
abr 25

Convertendo PDF em ePub

26 Comentarios »Postado por GordoGeek em 25/04/2010 às 00:28h

     Como muitos devem saber, a Apple adotou o formato ePub para seus livros da iBookstore. Esse formato não é apenas utilizado pela Apple, mas também por diversas outras empresas, o que torna possível ler conteúdo em formato ePub no iPad. Mas e os PDF? Como fazer?

     Existem vários programas para ler PDF no iPad/ iPhone. Eu utilizo o GoodReader, do qual já falei aqui anteriormente. Contudo, é muito mais confortável e poderoso, utilizar o iBooks, onde pode-se selecionar/ copiar trechos do livro, trocar a fonte, trocar o tamanho da fonte, etc. Mas como converter PDF em ePub?

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Apple, Biblioteca Digital, Dicas, Videos
preload preload preload