ago 18

Transformando o AirPort Extreme num NAS repleto de HDs

9 Comentarios »Postado por GordoGeek em 18/08/2011 às 00:20h

     Antes de falar sobre o tema, vou fazer aquele clássico pedido de desculpas por andar meio sumido do blog. Estou com muitos projetos profissionais e a vida de pai exige bastante de mim. Dei uma bela diminuida no ritmo de posts por aqui e também pelo Twitter. Não vou prometer voltar aos posts diários, pois isso não será possível tão logo, mas queria dar apenas essa “satisfação” a quem sempre passa por aqui, deixa comentários, pergunta no Twitter, etc.

     Meu último post aqui no blog já tem quase 10 dias e foi um “bate bola” com os leitores sobre algumas coisas que estou fazendo aqui em casa/ home office. Vários leitores deixaram comentários e deram dicas valiosas. Contudo, hoje chegou um pedido do DealExtreme e nele, um (na verdade três, rs) HUB energizado de 7 portas. Com ele, consegui “transformar” meu AirPort Extreme num NAS e colocar até 4 HDs nele (antes era apenas 1 de 3TB). Mesmo restando 3 portas no HUB, me parece que 4 seja o limite do AirPort, pois quando espeto um quinto HD, ele pára de responder na rede (até cabeada) e o LED indicador de status começa a piscar em laranja, indicando alguma anormalidade.

     Pela documentação oficial da Apple, daria pra expandir os HDs via USB no AirPort apenas até a segunda geração. Porém, na prática, o meu de quarta geração está funcinando normalmente. Há alguns dias eu havia testado com um HUB tradicional e não havia reconhecido mais de 1 HD. Hoje, com o HUB energizado, funcionou de boa. Aliás, o link para ele no DealExtreme (onde comprei) é esse aqui, por USD 8.53 (e frete grátis). Se você não quiser esperar cerca de 40 dias, pode comprar no Mercado Livre, como nesse outro link, por R$ 22,90 (não inclue o valor do frete).

     Boa parte dos NAS (pelo menos os mais caros) tem suporte a RAID e mais um monte de coisas, como webserver, servidor de banco de dados, cliente de torrent, etc. O AirPort Extreme não tem nada disso. A função dele é apenas compartilhar os HDs na rede. Inclusive, na parte de permissões de acesso, é tudo ou nada. Não tem como configurar que o usuário fulano terá acesso a determinadas pastas e outras não. Se você precisa disso, compre um NAS mais caro ou invista num servidor. Como não preciso disso aqui em casa, tá tranquilo.

     Eu ainda estou com aquele problema de reconhecer o HD de 3TB SATA 3. O que eu mencionei acima foi um outro que tive que comprar (externo). Essa semana eu recebi 2 HDs externos de 2TB da Seagate e tentei colocar meu HD de 3TB SATA 3 nele: não reconheceu. Ou melhor, achou apenas 850GB (ou algo assim). Acabei deixando os HDs de 2TB mesmo e deixei o SATA 3 encostado, até aparecer uma gaveta compatível.

     Acredito que muita gente deve estar se perguntando se a performance é boa ou se fica comprometida, já que estamos compartilhando a porta USB com vários outros HDs. Isso realmente acontece. A cópia de 1GB no HD de 3TB conectado direto no AirPort levou 45 segundos. O mesmo HD, agora conectado ao AirPort pelo HUB, levou 56 segundos. Ou seja, demorou quase 25% pra copiar os dados com o HD conectado ao HUB. Pra fechar, tirei o HD do case externo e conectei-o no meu servidor. A cópia do mesmo arquivo de 1GB levou 33 segundos. Acredito que se eu tivesse um NAS, o tempo ficaria em torno disso ae. É claro que 25% não é algo pra se desprezar, mas levando-se em conta o benefício de poder colocar 12TB (4 x 3TB) no AirPort, acho que vale a pena. A princípio, tudo está funcionando dentro do esperado e até desisti de importar o NAS que estava pensando (QNAP 410). O brinquedinho ia chegar aqui no Brasil por volta de R$ 1.500,00 (sem HDs).

TAG(s):
Categoria(s): Apple, Dicas
ago 09

Reflexões sobre backup e armazenamento de dados

12 Comentarios »Postado por GordoGeek em 09/08/2011 às 16:53h

     O nome do post ficou um tanto filosófico, mas eu gostaria de compartilhar algumas coisas com vocês (e pedir ajuda em outras). Ia falar disso rapidamente pelo Twitter mesmo, mas quando vi que as perguntas foram surgindo, achei que o melhor caminho seria vir pro blog, onde não temos limitação de espaço e lê quem tiver interesse, sem tumultuar a timeline alheia.

     Comentei por aqui recentemente que fiz algumas aquisições e mudei bastante coisa no meu ambiente de trabalho. Comecei com a troca do Mac mini pelo iMac, passando pela troca de um switch de 8 portas fast-ethernet para um de 24 portas gigabit, mais uns HDs para backup, DVR Stand Alone para monitoramento, etc.

     Já comentei por aqui também que nessas compras eu tive alguns probleminhas. Por exemplo, o DVR Stand Alone, que iria substituir meu servidor, acabou não dando certo. Apesar de super econômico (em consumo de energia) e cheio de recursos, eu não conseguia acessá-lo pelo Mac e pelo iPhone. Sempre dava algum tipo de problema e funcionava quando ele queria. Maiores detalhes nesse outro post.

     Outra compra que tive problema foram os 2 HDs externos de 2TB da Samsung. Comprei no Submarino e após uns 3 dias de uso, começaram a apresentar problemas pra ligarem. Pelo que comentei no Twitter, outras pessoas que compraram tiveram o mesmo problema. Achei melhor devolvê-los e evitar problemas futuros. Também fiz um outro post detalhando o problema. Caso queira ler mais sobre isso, clique aqui.

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Apple
jul 18

Compartilhando informações sobre pendrives, HDs e SDs

14 Comentarios »Postado por GordoGeek em 18/07/2011 às 01:44h

     Conforme comentei bastante pelo meu Twitter, recentemente fiz algumas comprinhas tecnológicas, como um iMac, um switch gigabit, um HD de 3TB e dois discos externos de 2TB da Samsung. Ao tentar ligar o HD de 3TB no meu servidor Dell, acabou dando problema e ele não reconheceu mais que 740GB. Tentei novamente no meu Atom e esse só reconheceu 2TB. Como eu também comprei um DVR Stand Alone e pretendo desativar meu servidor (para economia de energia), comecei a repensar minha estratégia de armazenamento de dados e backup.

     Como herança da minha época de usuário Windows, sempre particionei meus HDs dos Macs em dois volumes, sendo um pro sistema (cerca de 100GB) e outro pra dados (com o restante). Como já deve imaginar, no volume do sistema eu instalo o MacOS e os aplicativos. Já no volume de dados, mantenho meus documentos, músicas, vídeos, fotos, etc. Eu costumo fazer isso pois, caso tenha que formatar o computador, mantenho os meus dados onde estão, formato o volume do sistema e reinstalo. Porém, comecei a me questionar se essa é a forma mais inteligente de trabalhar.

     O iMac que comprei foi o modelo entrada, com 4GB de RAM e 500GB e HD, por R$ 3.999,00. A Apple cobra R$ 700,00 adicionais para fazer um upgrade para 8GB de RAM. Nesse modelo de entrada a Apple não permite customizar mais disco. Já no modelo seguinte, que vem com 1TB, o upgrade para 2TB fica em R$ 525,00. Eu comprei 16GB no Mercado Livre por menos de R$ 500,00. Fiz upgrade, vendi os 4GB que vieram com ele e bola pra frente. Já o disco, não é nada fácil fazer upgrade. O procedimento é complicadíssimo e a Apple introduziu medidas que dificultam o uso de discos “genéricos”. Dessa forma, ainda fiquei com o problema de falta de espaço.

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Geral
abr 08

Novo Drobo de até 256TB

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 08/04/2009 às 15:29h

     Já havia ouvido falar do Drobo, mas nunca fui muito atrás de saber porque custava tão caro, até que ouvindo o podcast dos amigos da “Hora do Mac“, um dos integrantes comprou uma versão do Drobo diretamente dos EUA. Mesmo trazendo de lá, não ficou muito barato, mas parece que justifica o investimento.

     O Drobo não é apenas uma gaveta para HDs externos, está muito além disso. Com ele, você consegue fazer vários tipos de RAID, ou seja, esquema de contingência, onde se um ou mais HDs falharem, você não perde a informação, pois ela está replicada em outros HDs.

     A nova versão do Drobo suporte até 8 HDs, o que pode chegar a até 256 TB de dados, além de contas com 2 portas FireWire 800 e uma porta de rede, podendo funcionar também como NAS.

     Como eu já tinha falado antes, o equipamento é muito bom, mas está longe de ser acessível a todos. A nova versão custa a partir de USD 1,299, sem os HDs.

TAG(s):
Categoria(s): Gadgets, Notícias
preload preload preload