fev 28

Como solicitar cancelamento e estorno na Google Play

31 Comentarios »Postado por GordoGeek em 28/02/2013 às 10:15h

     Já comentei algumas dezenas de vezes no Twitter o quanto eu adoro a política de reembolsos adotada na Google Play, a loja do Android pra aplicativos, músicas, filmes, seriados, revistas e livros. Lá, você pode se arrepender de uma compra e pedir o cancelamento da mesma até 15 minutos depois de iniciar o uso do conteúdo. Supondo que você comprou um app de manhã, mas foi usá-lo só a noite, quando chegou do trabalho, o prazo começa a contar só depois da primeira execução e não ao término da compra ou da instalação.

     Muitos usuários da Apple ficam bravos comigo quando eu digo que na iTunes não existe reembolso e me enviam vários tutoriais. Minha intenção com esse artigo foi justamente mostrar, em vídeo, como a coisa é fácil na Google Play. O botão de reembolso está ali, visível e disponível pra você solicitar a qualquer momento e eles nem querem saber qual foi o motivo. Você é tratado com todo o respeito e não precisa ficar preenchendo formulário e mendigando atenção do suporte. Aliás, todo reembolso que a Apple aceita fazer (e não são todos), eles deixam claro que foi em caráter de liberalidade, ou seja, você não tem direito a isso. Eles fizeram, naquela oportunidade e podem não fazer nas futuras. Está claro no email de retorno. Basta ler.

     Por mais fã da Apple que o estimado leitor seja, acredito que não dá pra comparar no mesmo pé de igualmente como as coisas acontecem nas duas lojas. São políticas extremamente diferentes. Enquanto na Apple você precisa ficar correndo atrás de reviews, resenhas, vídeos e matérias a respeito do aplicativo, pra não correr o risco de comprar gato por lebre, na Google Play você simplesmente clica em comprar, pega a versão completa do aplicativo, sem qualquer restrição, testa em sua totalidade e, caso não lhe agrade, com um clique, você cancela a compra e tem o dinheiro de volta.

     No meu modo de ver a coisa (e pode não ser o correto) a política da Apple estimula aplicativos mal feitos e até mesmo golpes, onde um desenvolvedor usa de má fé, dizendo que o app dele faz certa coisa que realmente não faz. Pense comigo: se o produto é de qualidade, porque não deixar o consumidor testá-lo por meros 15 minutos e ver se realmente cumpre o que ele procura, conforme o anunciado? Que tipo de respeito é esse que a Apple tem com o seu consumidor? A Apple é muito conhecida por focar sempre na experiência do usuário, deixando as coisas sempre mais fáceis que seus concorrentes, mas eu tenho certeza que meus pais, ou qualquer outro usuário mais leigo, não conseguiria pedir o tal reembolso através de formulário de maneira tão fácil, chegando até a pensar “ah, deixa quieto, são apenas USD 1,99. não vou me dar a essa trabalho todo.”. Aliás, será que essa postura da Apple, não é justamente para que isso aconteça?

TAG(s):
Categoria(s): Android
dez 07

Como ver vídeos (MKV/ AVI/ MP4) via rede no Android

3 Comentarios »Postado por GordoGeek em 07/12/2012 às 12:18h

     No começo do ano eu falei aqui no blog sobre o Emit, um programa que permite a visualização de multimídia (especialmente vídeos) via streaming. Porém, ele está longe de ser tão bom quanto o AirVideo, seu similar para a plataforma iOS. Enquanto o esse último usa poucos recursos do computador que está enviando o conteúdo, o EMIT degrada demais a performance do mesmo.

     A solução que uso por aqui é combinar dois programas muito bons que tenho no Android. Um deles é o reprodutor MX Player Pro e outro é o gerenciador de arquivos ES File Explorer. Com essa dupla, é possível assistir a praticamente todos os formatos de arquivos de vídeos, via rede, com total suporte a legendas.

     O MX Player é um app fantástico no que diz respeito a reprodução de vídeos. Ele tem suporte a vários tipos de arquivos de codificações (MKV, AVI, MP4, só pra citar alguns), permite aceleração por hardware, vários tipos de zoom, bloqueio contra crianças (muito útil pra quem tem filhos curiosos) e um suporte completo a legendas, permitindo definir a cor de borda, cor de preenchimento, tamanho, fonte, altura na tela e muito mais. Com relação ao recurso destinado a crianças, você pode colocar um filme pra ser reproduzido, dar o aparelho na mão da criança e, por mais que ela toque na tela ou pressiona os botões, nada vai acontecer. O aparelho só irá voltar ao modo convencional depois de digitar uma sequência, como por exemplo, tocar nos cantos da tela no sentido horário.

     O ES File Explorer é também um dos apps que acho mais incrível no Android. Além de administrar arquivos localmente, permitindo copiar, cortar, mover (e tudo o mais que precisamos fazer no dia-a-dia), dá pra acessar arquivos remotamente, com suporte a FTP, Dropbox, Google Drive, Skydrive, Box.net, Sugarsync, Amazon S3 e outros serviços de nuvens. Porém, o que eu mais uso é o acesso a rede, seja arquivos armazenados em computador Windows, OSX ou mesmo no AirPort Extreme.

TAG(s):
Categoria(s): Android, Dicas
dez 14

Dá pra usar o Apple TV sem Jailbreak?

27 Comentarios »Postado por GordoGeek em 14/12/2011 às 12:01h

     Já tem cerca de um ano que comprei meu primeiro Apple TV, conforme comentei aqui no blog. De lá pra cá, comprei mais quatro, deixando um pra cada quarto e duas salas. Detalhe: eu já tinha três WDTV Live, que acabaram encostados. Mas o Apple TV é melhor que o WDTV? Bom, eu escrevi sobre isso nesse outro post e não vou me repetir por aqui. A questão que quero debater hoje é: com a chegada da iTunes Store e Netflix, bem como alguns updates que deram novas funcionalidades ao dispositivo, vale a pena fazer o jailbreak?

     Se você não sabe o que é jailbreak, recomendo que dê uma conferida nesse outro post que escrevi. Mas, em resumo, é efetuar um procedimento (não autorizado pela Apple) que permite adicionar mais funções ao equipamento, entre eles, um navegador de internet e a capacidade de reproduzir tipos de arquivos não suportados nativamente, como Divx, MKV, entre outros formatos bem populares pra quem costuma baixar conteúdo da internet.

     Quando eu comprei meu primeiro Apple TV, os únicos conteúdos que eu poderia acessar com ele eram os autorizados pela Apple, ou seja, alugar ou comprar filmes e seriados na loja americana (pagando com gift card ou cartão americano) e acessar o conteúdo em outros computadores, desde que, devidamente convertidos nos formatos reconhecidos pelo iTunes. Isso era extremamente frustrante e limitador. Justamente por isso que sempre optei por fazer o jailbreak, me permitindo acessar qualquer computador na minha rede que rodasse o protocolo SMB ou AFP. Assim, eu poderia ter acesso a meus filmes caseiros, seriados e outros, sem ter que convertê-los. Caso eu não quisesse manter um computador ligado, economizando energia, poderia inclusive acessar o conteúdo de outros dispositivos, como o AirPort Extreme.

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Apple
set 28

OPlayer: visualizando arquivos Divx em rede no iPhone

4 Comentarios »Postado por GordoGeek em 28/09/2011 às 09:11h

     Eu não sou o maior fã que existe de processos de conversão de arquivos, especialmente os de vídeo. Se eu depender de converter algo, por mais simples que seja, vou acabar deixando de lado. Quem tem iPhone/ iPad sabe que, nativamente, a Apple limita bem os tipos de arquivos de vídeo visualizados em seu player. Claro, isso provavelmente se deve não a uma limitação técnica e sim a estratégia da empresa com a iTunes Store.

     Existem dezenas de formas de visualizar conteúdo em Divx (e outros formatos de vídeo populares) no iPhone/ iPad, seja via streaming ou localmente. Via streaming eu costumo usar o excelente Air Video, que já comentei por aqui. O lado ruim dessa forma é que você precisa ter um computador (Mac ou PC) ligado para fazer a conversão e mandar o conteúdo pro dispositivo. O lado bom é que, dentro de casa, ou até mesmo via 3G, você não precisa lotar seu dispositivo com vídeos, o que pode ser um grande problema, visto que os iTrecos possuem espaço bem limitado.

     Ontem eu estava explorando alguns apps de vídeo que tenho no iPhone e descobri, por acaso, que o OPlayer, além de reproduzir diversos formatos de vídeo localmente, ele também permite o streaming via rede. Existe uma versão gratuíta do aplicativo (com um banner de propaganda irritante) e outra paga. No iPhone custa USD 2.99 e no iPad USD 4.99. Também achei uma tremenda sacanagem ele não ser universal, mas paciência…

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): App Store, Apple
set 05

Netflix finalmente disponível para o Brasil (ou quase)

13 Comentarios »Postado por GordoGeek em 05/09/2011 às 11:46h

     Depois de muitas promessas, rumores e disse-me-disse, a Netflix finalmente chegou no Brasil. A boa notícia é o preço, muito abaixo do que eu esperava. A ruim é que ainda temos algumas limitações e problemas, como o fato de não se conseguir assistir ao conteúdo pelo iPhone, iPad, AppleTV, XBox, etc. Por enquanto, só via PC ou Mac mesmo. Isso é, com IP nacional, pois se você tiver uma VPN, vai funcionar normalmente. Porém, a grande vantagem em se ter uma conta brasileira seria justamente não ter que ficar tendo que dribar bloqueios de IPs com uso de VPN, proxys e afins.

     Levando-se em conta tudo que é lançado no Brasil, eu estava prevendo que a conta Netflix brasileira sairia na faixa de R$ 29,90/ mês por tempo promocional e subiria para R$ 39,90 nos meses seguintes. Felizmente, a empresa teve um enorme bom senso e, sabendo que o preço é um fator determinante, fixou o valor em R$ 14,99, que é algo bem próximo dos USD 7.99 cobrados nos Estados Unidos. Segundo o CEO da empresa, esse preço não é promocional e vai ficar nisso por um longo período. Nós agradecemos!

     Pelo que eu li no Twitter, o suporte da Netflix está dizendo que ainda não tem previsão oficial para disponibilizar o streaming para os demais dispositivos. Porém, a informação que corre em meios não oficiais é que seja entre outubro e novembro. Claro que cada usuário tem seus hábitos de consumo, mas pra mim, disponibilizar o conteúdo para o AppleTV, iPhone e iPad são fundamentais. Por enquanto, estou driblando esse bloqueio com o uso de VPN.

     Update 14/12/2011 15:52H => Acaba de sair uma atualização do aplicativo da Netflix para iOS. Agora é possível ter acesso ao conteúdo sem gambiarras (VPN, Proxy, etc.) com legendas e áudio nacional. Sem dúvida, uma ótima notícia de final de ano. Em tempo: recentemente a Microsoft soltou um update pro XBox, que também ganhou acesso ao Netflix. Infelizmente, só pra quem tem conta gold (paga).

TAG(s):
Categoria(s): Geral
mar 20

TorrentButler: a pirataria com o charme da iTS

3 Comentarios »Postado por GordoGeek em 20/03/2011 às 02:46h

     Tirando um gato pingado aqui e outro acolá, nós brasileiros estamos muito mal servidos de opções para alugar filmes online. O conteúdo ainda é restrito, geralmente recheado de coisa velha e costuma ser caro. Não existe algo tão interessante quanto a iTunes Store e, pelo visto, não teremos tão cedo. Li recentemente relatos de que a Netflix estaria preparando sua operação brasileira, mas pra quem curte novidade, não é com eles. Eles tem um acervo imenso, mas geralmente de filmes mais antigos.

     Pra quem curte lançamentos, a opção mais lógica é ir ao cinema. Mas não dá pra ficar pagando R$ 50,00 (entradas pro casal + estacionamento + comes e bebes) pra cada filme. E ainda tem outro porém, se você tem filho pequeno e não tem com quem deixar, lascou.

     Se cinema não é uma opção válida, que tal a locadora? Aqui, elas estão cada vez mais raras. Havia uma excelente, mas acabou fechando. Claro que tem outras, mas abarrotada de filmes velhos, os quais eu não tenho o menor interesse em perder meu tempo. Filme velho eu tenho no Netflix, serviço que pago USD 8 por mês e vejo tudo a hora que eu quiser, sem precisar sair de casa, na minha TV (XBox, Apple TV, etc.) ou na palma da minha mão (iPad, iPhone, iPod, etc.).

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
preload preload preload