ago 24

[Vlog] Minha casa em New Jersey alugada no Airbnb

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 24/08/2015 às 00:03h

     Pessoal, conforme eu avisei aqui, essa série de vídeos está cru, sem edição, porque meu MacBook está um horror. Peço a compreensão da boa alma de vocês em entender a situação atípica ;) Assim que voltar ao Brasil vou editar os vídeos na qualidade de costume (que também não é grandes coisas, mas é melhor que deixar todos os vídeos soltos, com erros de gravação e tal, rs.).

     Como já havia adiantado em outro post, quem vive me falando bem do Airbnb é o Vladimir Campos, uma pessoa que respeito muito a opinião e sempre dá dicas boas. Assim, mesmo nunca tendo utilizado o serviço e ficado de pé atrás, resolvi dar um voto de confiança ao serviço.

     Assim como o Uber, que conecta motoristas profissionais a usuários, via aplicativo, o Airbnb conecta donos de residências a hóspedes. Não é como um hotel, onde você simplesmente paga e aluga. Como você irá ficar na casa de alguém, seja alugando o local todo ou apenas um quarto, ninguém vai alugar algo assim sem referência. Por isso, antes de alugar, você deve demonstrar o interesse no lugar, comunicar os dias que pretende ficar e o proprietário irá avaliar se pode te receber.

     Em 2013 eu vim para os Estados Unidos com meu irmão e na ocasião eu já estava curioso sobre o Airbnb. Fiz meu cadastro, mandei algumas propostas, mas foram todas recusadas, seja porque os locais já estavam reservados, seja porque os proprietários não me conheciam e talvez ficaram com medo de receber um usuário novo em sua propriedade.

     Do jeito que estou falando, parece que é super difícil você usar o serviço, já que provavelmente ainda não fez o cadastro e não referências, correto? Se você for ficar num local de alta rotatividade, muitas vezes o proprietário já é mais profissional, tem seguro e as regras são mais flexíveis que na casa de alguém que aluga um quarto (e mora na casa) porque o filho foi pra faculdade e acabou ficando um cômodo livre.

     O motivo principal para usar o Airbnb é porque ele é muito mais barato que hotel. Correto? Nem sempre. Geralmente é sim, mas tem lugares muito badalados, como Manhattan e São Francisco, que os preços já estão equivalentes. Já, nos arredores (como é meu caso aqui em Jersey), acabou compensando. Porém, para longas estadias e se você quiser ter uma experiência mais próxima a de um morador (e não de um turista), morar numa casa é muito legal.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
ago 23

[Vlog] Indo da casa em New Jersey/ NJ até Manhattan/ NY

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 23/08/2015 às 11:59h

     Pessoal, conforme eu avisei aqui, essa série de vídeos está cru, sem edição, porque meu MacBook está um horror. Peço a compreensão da boa alma de vocês em entender a situação atípica ;) Assim que voltar ao Brasil vou editar os vídeos na qualidade de costume (que também não é grandes coisas, mas é melhor que deixar todos os vídeos soltos, com erros de gravação e tal, rs.).

     Muita gente tem medo de ficar fora da ilha de Manhattan e acaba pagando um absurdo em hospedagem. Eu era uma dessas pessoas! Mas de tanto o Vladimir Campos me falar do Airbnb, eu acabei dando uma chance e aluguel um quarto (e não uma casa inteira) em New Jersey, coladinho na ilha de Manhattan. Aliás, pra quem não sabe, Jersey não pertence ao Estado de Nova Iorque. Muito menos é um dos distritos, como Bronx, Brooklyn, Manhattan, Queens e Staten Island. Aqui estamos em NJ, separados de NY pelo rio Hudson. Porém, em menos de 10 minutos é possível estar em NY e por USD 3.

     Os hotéis que eu estava vendo pra ficar em New York estavam absurdamente caro, tanto em USD, quanto em R$ (com essa câmbio, natural, né?). E como eu queria muito viajar, acabei optando pelo Airbnb. Fiz uma longa busca e a melhor opção disponível pro período que eu vinha foi essa em Jersey.

     A casa é bem legal (mostrarei em outro post) e muito bem localizada. Temos o Ellsworth Park bem na frente e dá pra dar uma descansada. Como já disse antes, dá pra ir pra Manhattan rapidamente e por apenas USD 3, bastando ir até a Bergenline Avenue e esperando um micro-ônibus no ponto. Se você quiser a comodidade de um Uber, vai gastar uns USD 30.

     Temos uma linda vista de Manhattan no topo da casa e, descendo a rua, ficamos a beira do Rio Hudson, podendo apreciar a bela vista. Vale a pena dar um pulinho ali, mas como é fora do caminho pro micro-ônibus que vai pra Nova Iorque, indo uma vez, só pra conhecer, está ótimo.

     Muita gente me pergunta sobre o plano de internet que uso aqui. Eu optei pelo plano top da T-Mobile no pré-pago. Ele custa USD 80 (tem planos mais baratos) e tem ligações, SMS e dados ilimitados. Por mais USD 10 daria pra adicionar ligações ilimitadas pro Brasil. Só um adendo: aqui nos Estados Unidos as operadoras controlam o tethering, ou seja, você compartilhar a internet do seu dispositivo que tem o chip. Nesse meu plano, o limite é de 7GB. Mas se você vai ficar apenas alguns dias, pode optar pelo plano mais básico, onde você compra o chip (USD 10), contrato o de USD 3 (30 minutos de voz e 30 SMS), depois usa dados por dia (USD 5/ dia), com limite de 500MB/ dia. Tem também a opção do semanal por USD 10, com direito a 1GB. Se usar com moderação (eu nunca uso, rs) dá pra se virar.

     Sobre o deslocamento, eu recomendo muito usar metro. Nas primeiras vezes que vim a Nova Iorque eu fiquei com medo, mas era algo totalmente injustificado. Ele é bem sinalizado e funciona bem. Sobre as tarifas, custa USD 31 pra uma semana ou USD 116.50 a mensal. Nessa modalidade, paga por período, você pode andar quantas vezes precisar. Mas claro, se quiser comprar apenas o ticket quando for andar, custa USD 3. Tudo vai depender do seu uso.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
ago 23

Publicando os vídeos da viagem a NY no YouTube

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 23/08/2015 às 11:11h

     E ae galera, tudo beleza? Estou aqui para avisar que comecei a publicar uma série de vídeos sobre a viagem a Nova Iorque no nosso canal do YouTube. Porém, como aviso no vídeo abaixo, devido a lerdeza extrema do meu MacBook (2009) eu não consegui fazer uma edição prévia, então o material está totalmente cru, sem edição alguma, totalmente sem cortes, com meus erros e tal.

     E por que diabos eu tô enviando esse material pro YouTube agora, sem edição e não espero fazer isso no iMac de costume, quando voltar ao Brasil. São vários fatores, mas o principal é que vai levar algumas semanas pra eu voltar e o pessoal tá pedindo pra ver os vídeos. Assim, estou atendendo aos pedidos dos leitores.

     Eu sei que vai ter gente que não vai gostar de ver vários vídeos pingados, sem edição alguma, mas eu peço a compreensão de vocês. Da mesma forma que você não gosta (e devemos respeitar isso), tem pessoas que querem ver, seja porque vem pra cá em breve, ou simplesmente porque querem conhecer os lugares, saber dicas, etc.

TAG(s):
Categoria(s): Geral
preload preload preload