ago 05

Onde encontrar cartões microSD originais com garantia

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 05/08/2017 às 14:26h

         Faz muitos anos que costumo bater a cabeça contra a parede, me iludindo que os cartões microSD comprados no Mercado Livre, são originais, possuem qualidade, garantia e um ótimo preço. Bom, chega uma hora que a gente cansa de dar soco em ponta de faca e chega a conclusão que o barato realmente sai caro e precisamos resolver o problema da maneira correta.

         Sempre que usei o Mercado Livre para comprar cartões microSD, optava por vendedores com muitos anos na plataforma, com uma reputação excelente e que deixavam claro no anúncio que o produto era original. Bem, infelizmente, mesmo com tudo isso, o que eu recebia eram cartões fora da embalagem, muito porcamente envolvidos num plástico de lixo preto, dentro de um envelope pardo e sem nota fiscal. Como que um comprador que recebe isso consegue qualificar a experiência como positiva, eu não sei dizer. Pra mim é uma verdadeira lástima.

         Eu tenho alguns cartões SanDisk originais que comprei na Amazon quando estive fora do país. Já tive a infelicidade de ter problema com alguns e fui muito bem atendido pelo suporte da empresa, que prontamente me passou instruções de como enviar o produto com defeito e receber outro novo em troca. O que me espantou é que haviam se passados muitos anos e não me foi solicitado sequer a nota fiscal. Assim, apesar de existir várias marcas, acabo sempre optando pela SanDisk.

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
abr 09

Como saber se um cartão microSD da SanDisk é original?

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 09/04/2015 às 16:30h

     Compro cartões de memória microSD com certa frequência e sempre fico na dúvida se realmente são produtos autênticos ou são falsos. Isso porque, a enorme maioria deles, não vem em caixa alguma. Mesmo quando o vendedor é muito bem qualificado, o produto chega num envelope, muito mal embalado e protegido, com os cartões “jogados” lá dentro. Ou seja, isso levanta certas dúvidas quanto a qualidade e autenticidade do produto, não?

     Eu sei que não sou apenas eu quem tem essa dúvida, pois diariamente eu recebo dúvidas de leitores perguntando como fazer pra ver se um produto da SanDisk é original. Infelizmente, em pleno 2015, a empresa ainda não dispõe de um aplicativo que lê o número de série do cartão contido no dispositivo (PC, tablet, smartphone, etc.) e faz a validação. Uma página no site oficial, onde o usuário coloca o número, já ajudaria (se bem que é um saco pegar o número serial de um produto tão pequeno).

     Depois de algumas semanas tentando alguma interação com o perfil da SanDisk, tanto no Brasil, como americano (sem qualquer resposta), resolvi recorrer ao site oficial de suporte da marca. Lá, utilizei o chat para tirar minhas dúvidas. E, realmente, não existe, nem app e nem local no site pra fazer essa validação. Porém, no chat, o atendente pode te ajudar.

     Antes de mais nada, recomendo que você compre uma lupa. Tentei usar a excelente câmera do iPhone 6+ pra me ajudar a pegar o número serial do cartão, mas como são minusculamente gravados, não consegui. Ae tentei usar o app SD Insight (veja vídeo no Instagram), que me trás algumas informações do cartão, inclusive o número serial. Contudo, o número informado pelo app não bate com o que está na traseira.

     Depois de pegar uma lupa e uma lanterna, consegui finalmente pegar o número serial do microSD. Entrei no chat, passei as informações solicitadas pela atendente e tive a feliz notícia que o meu produto parece ser autêntico. Digo parece pois, o que impede que fabricantes clonem um cartão, pegando todas as características dele, como cor, número de série, etc.?

     De qualquer forma, caso você queira validar se aquele cartão recebido num envelope de pão é original, agora já sabe a forma oficial de fazer. E, além disso, se tiver com tempo, recomendo efetuar alguns testes de leitura e escrita no cartão, seja usando apps próprios pra isso, seja cronometrando o processo manualmente.

     Há mais de um ano, eu tive problema com alguns cartões que comprei no Mercado Livre e, tanto o próprio, como o vendedor (Platinum), se recusam a trocar o cartão, que já chegou sem funcionar. Entrei em contato com a SanDisk e eles trocaram o cartão numa boa. Demorou algumas semanas, pois vem tudo dos Estados Unidos (eles pagam o imposto pra você, fica tranquilo), mas chegou.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
jul 02

Mercado Livre apronta de novo e reverte qualificação

5 Comentarios »Postado por GordoGeek em 02/07/2014 às 16:53h

     Já estou cansado de falar do Mercado Livre por aqui. São tantos casos que acaba cansando. Mas, eu não desisto. Acho importante deixar documentado pela internet. Assim, quem estiver procurando mais casos, verá que não está sozinho e eles cagam pra tudo que é lei, mas nada acontece. Lembram da minha denúncia ao Ministério Público? Nada aconteceu… Não viram irregularidades no Mercado Livre, mesmo eu mostrando várias.

     Conforme eu comentei hoje mais cedo no Twitter, eu uso muito o Mercado Livre, já que moro no interior e não posso dar um pulo no shopping ou na 25 de março e comprar o que preciso. Nos últimos dias foram sete compras, conforme vocês podem ver na fatura do meu cartão. Por que estou falando isso? Porque sempre tem gente que compra uma vez por ano no Mercado Livre e fala que nunca teve problema. Amigo, eu compro SETE vezes mais que você, por mês! Ou seja, acho que eu tenho um pouco mais de autoridade pra falar do assunto, né?

     Recentemente eu fiz um post aqui no blog mostrando a qualidade dos cartões microSD comprados lá. Na última compra, vieram 2 cartões, sendo que 1 deles sequer funcionou. Abri reclamação, pedi pra seguirem o Código de Defesa do Consumidor e fui ignorado. Eles deram baixa no chamado como resolvido e liberaram o dinheiro pro vendedor. Pra variar, não vi outra alternativa senão reclamar junto ao Procon, que já mandou a notificação e estou aguardando.

     Agora a pouco eu recebi vários emails no celular. Quando vim pro PC, achando que o mundo tivesse acabando, notei que eram todos do Mercado Livre, me pedindo pra mudar a qualificação. Entrei lá e disse que não vou mudar, já que o caso não foi resolvido. Porém, isso é mera formalidade. Sabe o que eles fazem quando pedem pra você mudar e ocorre recusa da sua parte? Eles mesmo mudam. Veja aqui casos recentes de problemas que tive com eles. Foram todos negativos e eles cancelaram a qualificação.

     Se, assim como eu, você só compra de vendedores bem ranqueados no Mercado Livre, achando que estará seguro e protegido, caso algo dê errado, pense novamente. Com tantas qualificações negativas sendo anuladas, será mesmo que o ranqueamento é válido?

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
jun 24

Testes com cartões microSD comprados no Mercado Livre

2 Comentarios »Postado por GordoGeek em 24/06/2014 às 11:46h

     Muitas pessoas me perguntam se vale a pena comprar cartões microSD no Mercado Livre e estou chegando a conclusão que a resposta padrão deve ser não, independente do vendedor. Já comprei de vários, todos com qualificações muito boas, mas os produtos “parecem” muito suspeitos.

     Primeiramente, o modo que os vendedores enviam os cartões é pra lá de curioso. Não vem embalagem original, conforme eu mostrei nesse outro vídeo. A maioria dos vendedores alega que os produtos são versões OEM, ou seja, não vem embalagem mesmo. Porém, mesmo que eu aceite isso, por que não colocar o produto de forma mais cuidadosa, evitando que seja danificado no transporte?

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
jun 16

Pegadinha com frete no Mercado Livre: se liga!

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 16/06/2014 às 10:35h

     Eu adoro fazer posts alarmantes sobre o Mercado Livre, né? Mas continuo a comprar por lá. É masoquismo? Burrice? Antes de mais nada, é preciso reforçar que nós não compramos DO Mercado Livre, mas ATRAVÉS do Mercado Livre. Ou seja, algumas compras podem ser uma experiência muito boa e outras nem tanto, já que existem milhares de vendedores. Precisamos saber filtrar de quem comprar.

     Vocês já devem ter observado uma tática usada por alguns vendedores de lá pra maquiar o real preço de um produto. Como quase todo mundo pesquisa um produto e manda ordenar pelo preço, começando pelo menor, ter um bom preço é muito importante. Mas muitos ali acabam colocando o preço do produto baixo, mas compensam no frete, cobrando um valor bem acima do normal.

     Esse artifício é usado geralmente por vendedores que tem produtos pequenos e leves, como cartões microSD. Um Sedex dentro do estado, pra esse tipo de produto (pequeno e leve) não passa dos R$ 20,00. Porém, não é incomum você ver vendedores cobrando o dobro disso ou ainda, usando outras modalidades mais baratas, como PAC ou carta registrada. Também não é raro você cobrar 2 cartões microSD e te cobrarem o frete dobrado, sendo que daria perfeitamente pra enviar no mesmo Sedex, sem impactar no custo da postagem.

     Antes de fechar uma compra no Mercado Livre, assumindo a responsabilidade do negócio, use o espaço de perguntas e respostas para esclarecer tudo que achar necessário, como prazo de entrega, tipo do frete, prazo de garantia, se tem nota fiscal, etc. Além disso, verifique o custo do frete, seja com o vendedor, seja direto na página do anúncio do produto, que muitas vezes trás ferramentas para cálculo do mesmo.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
abr 07

As câmeras IPs que tem por ae são todas iguais?

13 Comentarios »Postado por GordoGeek em 07/04/2014 às 18:27h

     Quem acompanha o blog ou meu twitter há algum tempo já sabe que eu sou “meio” freak e tenho quase 80 câmeras em casa. Paranóia a parte, elas já me ajudaram em inúmeras situações, como coisas que “desaparecem” na mão de funcionários, prestadores de serviços que vem fazer alguma coisa aqui e até em caso de roubos na vizinhança. A PM, já sabendo disso, sempre vem aqui me pedir ajuda quando acontece alguma coisa na região e as imagens sempre são bem úteis.

     Grande parte das câmeras que tenho atualmente instaladas foram compradas na China, via DealExtreme. Na época do dólar baixo e sem IOF de 6,38%, cada câmera saia menos de R$ 100,00, enquanto as versões nacionais no Mercado Livre beiravam R$ 500,00. Porém, a situação macroeconômica mudou, o dólar do cartão bate R$ 2,50 direto, o IOF foi pra 6,38%, a demora na entrega subiu pra até 3 meses e hoje eu li que a Receita Federal fechou uma parceria com os Correios, onde eles vão tributar quase 100% do que for comprado no exterior. Somado a isso (não sei o real motivo), mas vários vendedores no Mercado Livre começaram a oferecer câmeras IP na faixa de R$ 150,00. Ou seja, comprar lá fora deixou de compensar.

     Em janeiro eu comprei duas câmeras IP no Mercado Livre, pagando menos de R$ 300,00, com frete incluso. A princípio eu torci o nariz pra elas, pois o software me pareceu chato e limitado. Porém, quando fui colocá-las em operação, notei que o sinal Wi-Fi delas era muito mais forte que as outras, chegando sem problemas a lugares onde as antigas não funcionavam. Além disso, o ângulo de visão delas era maior, ou seja, cobria maior área sem precisar ficar rotacionando pra direita e esquerda. Empolgado, algum tempo depois comprei mais duas, com o mesmo vendedor. Porém, para a minha surpresa, as câmeras que vieram, apesar de esteticamente muito similares as anteriores, rodavam outro software e também tinha o Wi-Fi fraco, além do ângulo de visão menor.

     Quando eu indaguei o vendedor do Mercado Livre sobre isso, ele me disse que compra as câmeras em grandes lotes e nunca sabe o modelo que vai vir. Bom, pode fazer sentido pra ele, mas pra quem compra, é uma furada. Especialmente quem, como eu, já havia comprado e gostado do produto anterior. Ainda estou tentando “sensibilizá-lo” sobre isso, já que a diferença entre os dois produtos é gritante.

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
abr 02

     Conheço muita gente que torce o nariz quando eu indico pra comprar algo no Mercado Livre. De fato existem pessoas e empresas querendo bancar o esperto por lá, mas no geral, dá pra fazer uma boa compra, especialmente se você seguir alguns cuidados, como só comprar de quem já tem um bom histórico. Porém, já me contradizendo, vejam o que ocorreu essa semana comigo.

     Eu estava precisando de alguns cartões microSD e, pra não ter que pedir pra amigo trazer de fora (como geralmente faço), acabei optando por comprar no Mercado Livre mesmo. Não optei pelos mais baratos disponíveis, mas sim pelos mais confiáveis, como geralmente faço pra não ter problemas. Vejam aqui as duas compras que fiz, de dois vendedores diferentes.

     Em ambos os casos eu recebi os cartões em envelopes e não em caixas, apesar de ter morrido com uma boa grana de frete, o que daria perfeitamente para mandar com extremo cuidado. Mas o pior não é isso. Ao receber o envelope eu notei que o tamanho e formato não pareciam trazer conteúdos originais. Dae, eu acabei filmando. O primeiro vídeo eu não tapei meu endereço, então disponibilizei apenas o segundo. Porém, ambos vieram exatamente do mesmo jeito.

     Ano passado eu comprei alguns cartões da mesma SanDisk na Amazon e vieram numa embalagem completamente diferente, com todo o cuidado e zelo que se espera quando se compra uma coisa dita original. Mas, antes que me acusem de estar sendo injusto, esses cartões podem ser originais? Eu desconfio muito, mas podem. Segundo ambos os vendedores, são embalagens OEM, pra conseguir preço mais barato. E você? Confia?

TAG(s):
Categoria(s): Gadgets
nov 27

     No final do ano passado eu fiz um post aqui no blog sobre um problema que tive com o Mercado Livre. Em resumo: eles bloquearam minha conta, sem justificativa, retendo meu saldo do Mercado Pago e, como eles não tem qualquer canal de contato com o consumidor (SAC), eu tive que ir ao Procon para resolver. Como eles também costumam ignorar o Procon, tive que abrir uma ação no Juizado Especial Civil (JEC) e também aproveitei pra notificar o Ministério Público (MP) sobre o ocorrido, já que o Mercado Livre já foi alvo de várias ações do órgão. Detalhe: só nos últimos 12 meses, eles conseguiram mais de 14.000 reclamações no site ReclameAqui. Quem quiser mais detalhes do caso, favor consultar o outro post.

     Ao longo desse ano, recebi algumas cartas do MP (como essa) me dando esclarecimentos de como o processo estava andando, pedindo mais informações, etc. Sempre respondia prontamente com todas as informações solicitadas. Porém hoje eu fui surpreendido com a decisão do MP sobre o caso: não vão fazer nada em prol do consumidor! Detalhe: a decisão foi em agosto e só recebi agora (final de novembro) o comunicado. Caso queira ter acesso a ele, deixei no Dropbox.

     Já disse algumas dezenas de vezes aqui no blog e no Twitter que pretendo me mudar do país nos próximos anos, já que não vejo nenhuma possibilidade real do Brasil entrar nos trilhos e ser um país justo e bom de se viver. Esse tipo de acontecimento só reforça a minha decisão. Mas, quem tiver com paciência, permita-me fazer mais alguns comentários sobre esse caso.

     Eu mandei a denúncia para o MP em janeiro, via telegrama com AR. Eles receberam, mas como o MP fica de recesso, só começaram a analisar em fevereiro. Nessa denúncia, eu dizia que não estava enviando isso pro MP para que eles me defendessem, já que eu já tinha advogado constituído e tinha ajuizado a ação. Só fiz a denúncia porque achei que era meu dever de cidadão, mostrar pro MP que o Mercado Livre vinha ignorando todos os Termos de Ajustamento de Conduta (TAC) que eles haviam firmado anteriormente. Deixei isso muito claro no telegrama. A cópia do mesmo pode ser vista aqui.

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Geral
ago 09

Update: correria, NAS, Cubieboard, TP-Link e outros

4 Comentarios »Postado por GordoGeek em 09/08/2013 às 16:19h

     No começo de abril eu fiz um post aqui explicando um pouco o motivo da falta de posts. Pra quem não leu, vou ser breve no resumo: falta de tempo. Sim, a mesma “desculpa” padrão de 9 entre 10 blogueiros/ podcasters não profissionais. Como a gente não consegue tirar nem uma fração do necessário pra se manter uma família com o blog, já que anunciantes querem te pagar R$ 0,02 por clique efetivo num banner, não tem outra forma. Temos que nos concentrar no que nos provê o sustento.

     Isso dito, esse é uma espécie de post tudo em um. Muitas pessoas acabam conhecendo alguns produtos por aqui, quando faço o post de primeiras impressões, mas ficam na dúvida se vale a pena comprar o produto, já que geralmente prometo fazer um vídeo depois de mais tempo de uso e quase nunca consigo honrar o prometido. Ae, as cobranças via emails e Twitter só crescem. Aliás, não tem mais cobranças via comentários porque deu algum problema no sistema que usávamos, tentei várias horas resolver, não consegui e desisti. Novamente: desculpe. Mas não tenho todo o tempo do mundo pro blog, que é um passatempo e não um trabalho.

     Como eu não tô dando conta de testar direito nem o que eu compro, não estou pedindo mais nada pra assessorias e recusando as ofertas que me fazem, pois não seria justo ficar com um produto, não testá-lo em sua totalidade e emitir uma opinião. A empresa que contratou a assessoria não espera que a gente fale bem do produto. Bom, algumas até esperam, rs. Mas o mínimo que devemos é falar nossas impressões. E sem tempo, fica difícil. Assim, prefiro que o aparelho vá pra outro blog que tenha o devido tempo.

     A respeito do NAS da D-Link, eu queria ter feito testes mais profundos, especialmente com velocidade de cópia, comparando com outras soluções, como o Time Capsule e o AirPort Extreme. Infelizmente ainda não consegui tempo pra isso, mesmo depois de algumas semanas usando o produto. Tem horas que ele tá rápido, outras que tá lento. Precisava realmente desligar tudo da rede, isolar ele num ambiente controlado e fazer os testes. Idem pros outros equipamentos que serviriam de referência, pra ser o mais justo possível e não deixar variáveis externas interferirem nos números. Não é simplesmente pegar meia dúzia de arquivos e copiar, pois cada equipamento tem uma função e carga de trabalho dentro da minha rede. Se eu fizesse algo simplório, os números seriam completamente distorcidos.

     Eu optei pelo D-Link porque foi relativamente barato, se comparado a outros fabricantes, suportava 2 discos de 4TB cada e tinha recursos extras bacanas, como cliente de torrent, servidor de FTP, sistema compatível com Time Machine, etc. A maioria das coisas, de forma bem razoável e tem um custo x benefício bom. Não é um produto excelente. Se você procura por isso, prepara-se pra gastar 4 vezes mais. Mas, na medida do possível, me atendeu.

     Sobre o Cubieboard, muita gente acaba comprando a plaquinha para usar de Media Center. Não foi o meu caso. Apesar dele ter vindo com Android instalado e eu ter feito alguns testes rodando Netflix, arquivos de vários formatos, tanto local como na rede, achei pouco prático o fato dele não reconhecer as interfaces USB Wi-Fi e Bluetooth, que me possibilitariam controlá-lo por um controle remoto ou smartphone. Nas semanas que ele ficou com Android, tive que mexer nele com teclado e mouse com fio.

     O fato é que acabei instalando o Debian na Cubieboard, pois eu queria preencher algumas lacunas que o NAS da D-Link deixou. Em primeiro lugar, o NAS tem um cliente de torrent, mas ele funciona apenas com torrents públicos e uso muito mais torrents privados. Se você não entende nada disso, recomendo que leia esse outro artigo onde explico um pouco mais sobre o assunto.

     Além dessa função, o Cubie por aqui ainda está fazendo proxy transparente para navegação na rede, otimizando os acessos, já que ele faz uma cache pra toda a rede. Também age como servidor de FTP para as minhas câmeras, coisa que eu poderia fazer com o NAS da D-Link, mas não deu muito certo porque ele não permite algumas configurações avançadas que preciso, além de ter um limite máximo de 10 conexões e eu tenho mais câmeras do que isso. Por fim, eu queria ter instalado um HD de notebook na entrada SATA dele, mas não rolou. Quando eu conecto o HD, ele não liga. Provavelmente a plaquinha não tá mandando energia suficiente para o conjunto. Eu já coloquei várias fontes lá e nada. Assim, eu tô usando usando o NAS da D-Link pra ser o destino de gravação do Cubie.

     Eu iria comprar o Cubieboard A20, que é mais poderoso que a versão A10 que eu tenho, mas não consegui. O aparelho esgotou em todos os lugares. Porém, hoje eu recebi um contato do fornecedor que comprei a A10, dizendo que vai me presentear com um, já que eu divulguei o trabalho deles e contribui com um vídeo que eles usaram no site. Provavelmente vou instalar Linux nele também, porque monitorando o uso do meu A10, vejo que a CPU dele está sempre no gargalo. Já adianto que pra mediacenter não é muito recomendado, porque o Netflix não funciona nesse modelo (apenas no A10).

     Sobre o roteador da TP-Link que postei na semana passada, algumas pessoas já tinha me adiantado, antes mesmo da compra, que ele não era lá essas coisas. Como o produto não era muito caro, resolvi pagar pra ver. No final, ainda não me decidi se valeu ou não a pena, pois ele tem altos e baixos.

     O roteador trás enorme na caixa que faz balanceamento de link. Na verdade, essa função é a mais fraca dele. Funciona muito mal e não aconselho pra quem queira pegar 2 ou mais links, achando que vai somá-los num único de velocidade superior. Porém, quando um link cai, ele percebe isso e não deixa quem tava usando esse link sem internet. No entanto, na hora que o link volta, ele demora a mandar o fluxo original pra esse destino, o que é um tanto chato. Mas, vamos lembrar que é um equipamento de menos de R$ 130,00! Tem equipamentos de milhares de reais que fazem isso com perfeição.

     Antes de comprar o TP-Link, eu tinha 3 redes Wi-Fi: Speedy, Via Rádio e 3G da TIM. Quando eu precisava trocar de rede, tinha que me conectar diretamente no roteador sem fio delas. Com isso, eu perdia acesso a todos os outros computadores e equipamentos da minha rede. Era um inferno! Agora, eu entro no TP-Link e digo: esse equipamento agora sai pelo Speedy e não mais pelo Via Rádio. Geralmente isso funciona de imediato. Tem horas que demora alguns segundos e outras só reiniciando. Mesmo assim, tá melhor do que era antes.

     Acho que ainda vale a pena comentar sobre o caso do meu Galaxy Note 2. pra quem não se lembra, ele foi três vezes pra autorizada, sendo que da última ainda não voltou. Das duas primeiras ele ficou cerca de 20 dias e voltou com o mesmo problema. Parece que nem tinham mexido. Porém, essa semana, o pessoal que cuida do perfil da Samsung no Twitter, vendo minhas insistentes reclamações, me ligaram pra ajudar. Hoje, retornaram dizendo que foi autorizada a troca por um novo, que deve chegar entre 10 a 20 dias úteis. É muito? Sim. Deu trabalho? Deu. Mas pra quem estava desde junho sem o aparelho, já tinha usado ReclameAqui, Procon e a perspectiva era enfrentar meses no Juizado Especial Civil, melhor assim.

     Outra coisa que muita gente andou me perguntando é sobre os cartões da SanDisk com problema. Eu mandei tudo pra eles em julho, conforme me solicitaram, o prazo que me deram vence hoje e nem sinal dos novos cartões. Sinceramente, tô tão atolado que não tive tempo de brigar mais por isso. Vou esperar até o final do mês e, se ae não chegar, vejo o que vou fazer.

     Sobre o meu processo contra a Vivo, ainda não foi marcada audiência. Acho que nem vai, pois o juiz optou por fazer um julgamento com base nas provas apresentadas. A Vivo, desorganizada como ela só, anexou ao processo dois canhotos de notas fiscais assinadas por mim. Porém, não eram dos produtos que não entregaram e sim de outros produtos que comprei com eles. Não sei se tentaram fraudar a parada, se são muito burros, se quiseram ver se colava ou o que. O fato é que o caso ainda está andando.

     Tem ainda o meu processo contra o Mercado Livre. Assim como no caso da Vivo, ainda tá correndo e o juiz dispensou audiência. A alegação do Mercado Livre é que bloquearam minha conta porque eu violei os termos de uso, anunciando um produto por um preço muito baixo. Oi? A intenção não é vender? Vou vender num preço mais alto, se posso fazer mais barato, por qual motivo? Detalhe: ignoraram que o próprio comprador tinha me qualificado como positivo e autorizado a liberar a grana. E tem mais, só me responderam depois de meses, quando o processo deve ter chegado pra eles, pois até então, estavam me ignorando.

     Deu pra ver, num post com mais de 1.500 palavras, que a correria aqui realmente está grande, né? Se você deixou comentário no Instagram, no Twitter, mandou email e não teve resposta, ao invés de nutrir o seu ódio por esse gordo tecnológico, tenta se por um pouco no meu lugar e ver que as coisas não estão fáceis.

TAG(s):
Categoria(s): Geral
mai 16

Update do meu processo contra o Mercado Livre

5 Comentarios »Postado por GordoGeek em 16/05/2013 às 15:38h

     No final do ano passado, escrevi aqui no blog sobre o meu mais recente problema envolvendo o Mercado Livre. Mais recente porque, como você pode ver ae no histórico, usando a busca do blog, foram inúmeros nos últimos anos. E foi ae que resolvi processá-los, pois já não aguenta mais tanto descaso e safadeza por parte dessa empresa, que sequer tem um telefone de contato disponível.

     O meu processo está no Juizado Especial Civil desde o começo do ano. Porém, ainda não teve audiência. E, acredito que nem terá, pois o juiz dispensou esse recurso, pedindo para o Mercado Livre se manifestar por escrito. Bem, só recapitulando, eles bloquearam a minha conta, sem qualquer aviso ou explicação, meteram a mão grande na grana que eu tinha no Mercado Pago, não me responderam nos inúmeros contatos que fiz, inclusive via Procon. Ae, não teve outro jeito senão apelar a Justiça.

     O Mercado Livre é um daqueles casos de empresa que a gente não sabe como ainda está operando. Eles colecionam mais de 14.000 reclamações no site Reclame Aqui, só nos últimos 12 meses. Ou seja, você pode não ter tido nenhum problema com eles, mas acredite, eu não estou sozinho. Os números falam por si. E acredito que existem outros milhares que tiveram problemas, mas resolveram não correr atrás, como é típico do brasileiro.

     No post anterior eu disse que estaria notificando o promotor público que já investigava o Mercado Livre. Eu fiz isso e recebi a resposta em março (longos 3 meses depois). Ele disse que anexou tudo que eu mandei como prova e, se necessário, entraria em contato. Não entrou. Espero que esse caso não fique parado e siga adiante.

     Na semana passada, depois de quase 6 meses do processo rolando, o Mercado Livre me enviou um email dizendo que liberou minha conta e o valor que tinha nela. Eu, rapidamente, saquei o dinheiro. Quando perguntei a eles o que havia acontecido, pois em nenhum momento fui informado do motivo do bloqueio, eles alegaram que não podiam revelar por motivos de segurança. Ou seja, eles bloqueiam sua conta, seu dinheiro, não dão qualquer satisfação, não tem telefone de contato, não respondem a email, ignoram o Procon e depois não explicam o que houve. Super honesto, né?

     Eu acredito que eles vão se passar por bom moços e responder ao juiz que tudo foi resolvido. Obviamente, só tomaram essa atitude depois que fui a justiça. E, claro, eu não vou desistir do processo, no qual eu estou pedindo indenização por danos morais, tendo em vista que usava muito o Mercado Livre pra vender e fiquei impedido de vender, além de todo o transtorno que me geraram. Está claro, pra quem quiser ver, que as práticas dessa empresa são as piores possíveis. Por isso, aconselho que usem alternativas como OLX, Toda Oferta, Bom Negócio.com, etc.

TAG(s):
Categoria(s): Geral
preload preload preload