dez 15

Vale a pena migrar da sua operadora para a OI?

4 Comentarios »Postado por GordoGeek em 15/12/2015 às 12:43h

     Há algumas semanas, TIM e OI lançaram novos planos com tarifas bem agressivas para falar com outras operadoras. Com isso, muita gente ficou na dúvida se vale a pena fazer a migração, mesmo que cada vez mais a tendência seja usar menos minutos e mais internet. Ninguém gosta de puxar o extrato e ver que pagou R$ 1,80 numa chamada de menos de um minuto pra outra operadora.

     Sempre fui usuário das três maiores operadoras: Vivo, TIM e Claro. Contudo, deixava sempre uma de principal e duas de backup. A principal ficava no meu telefone principal (recebendo recargas mensalmente e tendo um plano de internet também mensal) e as duas de backup eu fazia o mínimo de recargas possíveis, apenas pra manter a linha ativa e usava os serviços (geralmente internet) diários, quando a linha principal falhava. Eram usos bem esporádicos.

     Por muito tempo eu usei a Vivo como operadora principal, deixando TIM e Claro de backup. Porém, devido a queda acentuada de qualidade na Vivo, acabei rebaixando-a para backup e promovi a Claro para principal. Mas, tanto Vivo, como Claro, não possuem boas tarifas para falar com outras operadoras e isso era um enorme problema pra mim.

     Como meu plano da TIM era o Beta (100MB de internet por apenas R$ 0,50, o que dá R$ 1GB por R$ 5), acabei comprando um chip novo pra ativar o plano de R$ 7 por semana que dá direito a 150MB de internet, SMS ilimitados e 100 minutos pra falar com qualquer operadora no Brasil todo. Parecia uma grande oferta, mas a cobertura da TIM inviabilizou as coisas. Tentei durante longas 3 semanas e passei muita raiva, conforme relatei aqui nesse outro post. Assim, decidi fazer um teste com Oi, que até então, nunca tinha testado e não sabia da cobertura deles.

     Eu moro no interior e aqui não tem loja própria de nenhuma operadora. Só tem autorizadas, que geralmente só fazem serviços mais simples. Porém, nem isso a Oi tem aqui. Não sabia nem onde comprar um chip. Tentei em vários varejos da internet (como Magazine Luiza, Submarino, Americanas, etc.) e na hora de fechar a compra, dizia que o produto não podia ser enviado pro meu CEP. Ou seja, um primeiro passo nada simples, né? Sem o chip, sem serviço.

     Acabou que encontrei um chip pra comprar (infelizmente, nada de nanoSIM) numa farmácia. O chip custou módicos R$ 10 e veio já com o novo plano deles (que custa R$ 10 por semana) ativo. Logo, o chip acabou saindo de graça. Importante ressaltar que aqui na minha cidade, um chip geralmente sai por R$ 30 e não vem um bônus tão generoso quanto esse da OI. Recentemente tive que trocar chips da Claro e TIM, cada um saiu por R$ 30 e não ganhei nada de bônus.

     Uma coisa que muita gente não se dá conta é o seguinte: de nada adianta a oferta ser boa, se você não conseguir usá-la. Por que eu digo isso? A TIM tinha uma oferta excelente, mas a cobertura é sofrível. Quase nunca tem sinal e quando tem, fica em GPRS. Completar ou receber chamadas é um parto. De cada 7, 1 completa. Assim, não adianta migrar pra operadora e só passar raiva. O barato vai sair caro.

     A não ser que você já conheça muito bem os serviços da operadora que pretende migrar, jamais peça portabilidade do seu número pra ela, sem antes testá-la. Se não sabe como é o sinal onde você costuma estar, tente usar esse site da Anatel pra saber onde a operadora tem suas ERB (Estações Rádio Base), que nada mais são do que as antenas e os equipamentos que te conectam a rede delas.

     Depois de me lascar com a TIM, estava meio na dúvida se valeria a pena ir pra OI. Porém, como vi no site da Anatel que as antenas da OI geralmente estão próximas as da Claro e nesse, eu tenho bom sinal, era uma boa primeira impressão. Não é sempre que o sinal vai ficar igual, porque é algo mais complexo que isso. As operadoras podem usar frequências diferentes e isso vai afetar diretamente o nível do sinal. Além disso, uma operadora pode estar sobrecarregada numa determinada área e outra livre, o que também vai afetar a qualidade final do serviço prestado.

     Se você tiver um outro aparelho pra por o chip da operadora que pretende ir, podendo deixar ele ligado durante um período, sem afetar sua outra linha, é a melhor coisa. Assim, você faz um teste real, de pelo menos uma semana e vê como ela se comporta. Se sair tudo bem, ae você pensa em migrar, fazer portabilidade, etc.

     Caso não tenha outro aparelho, programe alguns alertas em seu celular (8hs, 12hs, 15hs, 18h e 21h) pra tirar o seu chip principal e por o chip da operadora que quer conhecer. Faça umas chamadas, teste a internet, etc.

     No caso da OI, eu achei bem interessante a proposta deles, pois como já disse mais acima, com R$ 10 você compra o chip e já tem esse novo plano ativo por 1 semana. Você terá 300 SMS, 400MB de internet e 75 minutos (pra qualquer operadora no Brasil todo) pra fazer o teste, sem precisar fazer uma recarga.

     O novo plano mais barato da OI custa R$ 10. Achei meio caro, pois são R$ 40 mensais e eu estava acostumado a por só R$ 25 por mês na Vivo ou Claro. Apesar do pacote ser muito bom, eu queria pagar um pouco menos. Eles poderiam ter um plano de R$ 7 por semana (o que daria R$ 28 por mês e não R$ 40), como a TIM e outras empresas tem. Mas se você pensar que vai ter 300 minutos pra qualquer operadora, mais 1.6GB de internet, 1.200 SMS e acesso a rede Oi Wi-Fi, parece troco de pinga.

     Outros planos da OI estão disponíveis aqui. O Controle (com obrigação mensal) mais vantajoso é o de R$ 44,90. Custa “apenas” R$ 4,90 a mais do que manter o semanal de R$ 10 e você ganha 2GB de internet (versus 1.6GB do outro). Se você fala pouco, tem o mensal de R$ 34,10 com 1GB de internet e minutos a parte (R$ 0,30 o minuto pra qualquer operadora). Pra quem fala mais, tem o que custa R$ 10 a mais e tem os mesmos 2GB, mas com o dobro de minutos (500).

     Uma coisa que achei estranho na OI foi a demora pra ativar o meu chip. Foram quase 8hs tentando usar, depois de cadastrar meu CPF e receber mensagem que estava sendo processado. Tive um problema parecido com a TIM também e esse durou quase 2 semanas. Então, 8hs é fichinha. Mas é algo incômodo pra quem quer comprar um chip e sair falando.

     A OI tem um site para os clientes consultarem os serviços, extratos, fazer recargas e afins. Ele é bonitinho e simples. Porém, os extratos disponíveis para a consulta são o dia atual menos 3 dias. Ou seja, se hoje é dia 15/12, só pode consultar até 12/12. Meio antiquado, né?

     A empresa também disponibiliza um app para celular, mas até o momento não consegui usar. Ele dá um erro e pede pra tentar mais tarde. Como contratei a linha tem menos de 24hs, ainda não consegui testar. Talvez nos próximos dias (ou horas) o sistema libere meu número.

     Uma coisa que eu detestei na TIM foi que não tinha como saber quantos minutos eu ainda tinha pra falar. Na OI, eles enviam um SMS quando você desliga a chamada, informando quantos minutos da sua franquia ainda tem. Além disso, se quiser saber essa informação (e outras, como o pacote de dados), basta ligar pra um número e receberá um SMS com todas as informações. Parece básico, mas na TIM eu não conseguia acesso fácil a isso.

     A OI tem nove opções de recarga, que vão de R$ 12 a R$ 200. No caso de R$ 12 e R$ 17, não tem bônus algum e os créditos são válidos por apenas 1 mês. Já nas recargas de R$ 20 e R$ 25, são válidos por 45 dias e você ganha um bônus de 100MB de dados. Com R$ 30, R$ 40 e R$ 50, também tem bônus de 100MB e os créditos duram 3 meses. Por fim, R$ 100 ou R$ 200 duram 6 meses e também tem o bônus de 100MB.

     O sinal da OI tem se mostrado muito melhor que o da TIM aqui pra mim. Claro, pra você pode ser diferente, então vale a pena consultar o site que passei e, quem sabe, comprar um chip pra testar na prática. Mas pra mim, aparentemente, resolveu o problema. Geralmente fica acima de 3 barrinhas no H+. Até o momento não tive nenhum problema pra receber ou fazer chamada.

     Já no uso de dados, aqui na minha cidade, nenhuma operadora tem 4G. Mas a Claro costuma atingir de 5Mb a 12Mb mesmo no 3G (H+). A TIM fica em torno de 1Mb, quando tem bom sinal 3G, o que é bem raro. Já a Vivo, anda uma lástima e não passa de 100kbps. A OI, tem oscilado de 300kbps a 3Mb, mesmo de madrugada, o que me deixou espantado, já que era pra ser rápido, uma vez que tem pouca gente usando.

     Estou cruzando os dedos pra OI manter a qualidade atual por muito tempo, pois assim vou conseguir parar com a putaria de múltiplos chips e ter uma qualidade mínima aceitável. Mas só o tempo dirá. Espero ter contribuído com as informações citadas e, se você é usuário da OI ou vai migrar pra ela, deixe seu comentário ae embaixo pra ajudar mais leitores.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
ago 14

     Essa história já deve ter acontecido contigo ou você já ouviu algum conhecido falar coisa similar. Cansado da sua banda larga obsoleta, o cliente liga pra sua operadora solicitando a migração para um plano superior e ouve “senhor, não temos viabilidade técnica no momento”.

     Geralmente, quem mora em grandes centros, onde a concorrência no setor é feroz, não sofre com isso. Porém, moradores de bairros mais afastados e especialmente quem mora no interior do estado, ouve demais isso. Chega a ser desesperador, pois você vê seus amigos falando que tem internet de 100Mb e você ae se arrastando com meros 2Mb, onde tudo que se faz é aguardar, pacientemente, as coisas carregarem. E, quem como eu, é pai, sabe que paciência não é lá uma das grandes virtudes dos filhos quando querem ver Netflix, Youtube, jogar, etc. Né?

     Não dá pra generalizar e dizer que todas as operadoras são sacanadas, mas vamos fazer um exercício de imaginação. Fulano tem uma internet DSL de 2Mb da operadora fictícia Telecômica e paga R$ 69 por ela. Já o plano de fibra com 100Mb, sai por R$ 89, ou seja, apenas R$ 20 a mais. Qual o interesse comercial de tal operadora em vender um produto 50 vezes mais rápido pra esse consumidor, caso ela não tenha concorrentes na região? Pois bem, é isso que acontece em grande parte do país.

     Um dos motivos mais usados pelas operadoras que não querem migrar o cliente de plano é a tal “inviabilidade técnica”. Porém, quase nunca provam/ explicam exatamente o que isso quer dizer. E, em certos casos, chegamos ao bizarro dos vizinhos terem o serviço, mas o consumidor em questão não. Isso é ilegal?

     Eu conversei com o advogado Robson Edésio da Silva sobre isso e transcrevo abaixo o que conversamos.

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
jul 19

Será que o sistema está mesmo fora do ar?

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 19/07/2014 às 18:23h

     Sabe quando você liga pra uma empresa, passa vários minutos aguardando atendimento, outros tantos minutos contando todo seu caso e, quando acha que finalmente terá uma solução, o atendente diz que não pode dar continuidade na sua solicitação porque o sistema caiu ou está lento?

     Hoje a tarde o @Nash me enviou um caso pra lá de constrangedor e que demonstra um enorme mal caratismo da operadora Vivo. Pelo título do assunto, você já deve imaginar do que se trata, né? Trabalhadora da Vivo que sofria constrangimentos por recusar-se a mentir que o sistema estava fora do ar deve ser indenizada.

TAG(s):
Categoria(s): Geral
nov 19

Por que o plano TIM Beta é muito interessante

5 Comentarios »Postado por GordoGeek em 19/11/2013 às 14:22h

     Ano passado eu fiz o primeiro post aqui no blog sobre o TIM Beta. Ontem eu comentei sobre um problema no meu chip e surgiram várias dúvidas de leitores, especialmente sobre o valor de adesão do plano, que não é nada barato (R$ 100,00). Resolvi fazer um novo post pra tirar as dúvidas que surgiram.

     Pra quem está totalmente por fora do que é o plano TIM Beta e como ele funciona, vamos as explicações. O plano surgiu há anos anos com o nome de “Bloqueia Véio”, numa campanha de marketing da operadora. Depois de um tempo o plano mudou pro nome atual. Quem já estava no plano, recebeu o status de “TIM Beta Lab” e ganhou convites para chamar amigos para o plano. Os amigos entravam como “TIM Beta” e não tinham o status de Lab, como seus amigos. Logo, não tinham convites pra distribuir para outros amigos. Porém, se forem “hard user” do plano, mais cedo ou mais tarde, acabam subindo um degrau e passam a ser Lab também.

     Quando um amigo te manda um convite, você precisa entrar no site e fazer o cadastro. O envio do chip é um processo lento e pode demorar até 40 dias. Algumas vezes, sabe-se lá Deus o motivo, ele nunca chega. Nem adianta reclamar na operadora, Anatel e o diabo a quatro. Eu mesmo já tive problemas com isso e não consegui resolver, por mais que eu tentasse, até que eu resolvi desistir desse esquema de convites.

     Em julho do ano passado, me falaram que eu poderia migrar para o plano Beta, já sendo cliente da TIM. No entanto, teria que pagar R$ 100,00 de adesão. Pode parecer um absurdo, mas ao longo do texto você vai entender que não é assim tão caro quanto parece. Caso você já seja cliente TIM e queira manter o número, é possível. Se quiser pegar um chip completamente novo, seja ele SIM normal, microSIM ou nanoSIM, basta ir numa loja e comprar por R$ 10,00. Por fim, caso queira fazer a portabilidade do seu número de outra operadora pra TIM e depois migrar o Beta, também dá.

     Uma vez que você já está como cliente da operadora, seja antigo, novo ou de portabilidade, basta você ter mais de R$ 100,00 em crédito e ligar para o *144, pedindo a migração de plano. Caso não tenha esse saldo, faça uma recarga antes de ligar. Na hora o atendente vai te confirmar que os R$ 100,00 serão debitados a título de migração e fará a mudança. Segundo eles, pode demorar até 2hs, mas geralmente são 5 minutos.

     O TIM Beta tem algumas vantagens em relação aos demais planos da operadora, inclusive os pós-pagos. Conheço muita gente do pós que migrou para o Beta, tamanha as vantagens. A título de comparação, vamos pegar o plano Infinity Pré, que é o padrão no qual todo novo cliente TIM fica vinculado. A operadora cobra o valor de R$ 0,25 por chamada realizada para outro TIM, usando o DDD 41, não importa a duração. No TIM Beta o valor são os mesmos R$ 0,25, mas não por chamada e sim por dia. Ou seja, você pode fazer 100 chamadas pra outro TIM, no Brasil todo, sem se preocupar com a duração delas, pagando apenas R$ 0,25. Ou seja, se você liga muito, acaba valendo a pena pagar o valor da adesão, pois rapidamente você recupera o seu investimento. Basta fazer as contas.

     Como eu tenho um perfil de falar muito pouco ao telefone, usando mais internet, o que mais me interessa no TIM Beta é o pacote de 3G. No TIM Infinity Pré você contrata 10MB de internet por R$ 0,50 por dia. Depois dessa franquia, continua a navegar, mas numa velocidade sofrível. No TIM Beta, por contrato, essa franquia também existe, mas se você não abusar, a TIM não vai te limitar. Eu tenho o plano há quase 2 anos e nunca sofri com isso. Uso tranquilamente 1GB de 3G a uma velocidade média de 1Mbps, sem redução. E o valor do pacote ainda é a metade do Infinity Pré, saindo por apenas R$ 0,25 o dia que usar. Eu conheço casos de gente que abusou, colocando o chip como modem e acabou tendo a velocidade reduzida. Se a sua intenção for essa, provavelmente vai dar com os burros n’água. Mas pra um uso razoável (1GB é bem razoável hein) no smartphone, tranquilo.

     Pra finalizar, vamos fazer uma continha básica. Supondo que você use internet todos os dias e faça 10 chamadas por dia, no Beta você vai pagar apenas R$ 0,50 (R$ 0,25 do 3G e R$ 0,25 das 10 chamadas). No plano TIM Infinity Pré você vai pagar R$ 3,00 (R$ 0,50 do 3G e R$ 2,50 pelas 10 chamadas). Ou seja, dá uma diferença de R$ 2,50 por dia. Assim, em 40 dias você paga o investimento de R$ 100,00 pra migrar de plano e o resto é lucro, fora que a internet 3G do plano TIM Beta é muito superior, tanto em velocidade, como em franquia. E obviamente, quanto mais chamadas você faz, menor será o tempo de retorno do seu investimento na migração.

     Acho que vale uma ressalva importante: devemos sempre lembrar que a TIM é “a TIM” e a cobertura deles não é das melhores. Eu recomendo que a pessoa compre um chip comum (R$ 10,00), coloque num aparelho secundário e verifique, nas áreas onde costuma ir (casa, trabalho, faculdade, clube, etc.) como é o sinal. Se for sofrível, melhor não passar raiva. Se for boa, vale a pena migrar. No meu caso, que uso mais de um aparelho e tenho sempre um backup, não me preocupo muito com a cobertura, pois sei que nunca vou ficar na mão.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
nov 19

Estou com problema. Onde e como devo reclamar?

2 Comentarios »Postado por GordoGeek em 19/11/2013 às 10:04h

     Esse é um daqueles posts que eu já deveria ter feito há muito tempo, tamanha é a quantidade de perguntas que me fazem a respeito do tema, principalmente via Twitter e email. Nem sempre eu tenho tempo de analisar todo o relato, até mesmo porque, alguns tem vários parágrafos e demandaria um tempo enorme, coisa que não disponho no momento. Assim, se você me perguntou algo e, ao invés deu te responder um texto igualmente longo, específico pra você, não fique chateado. É apenas falta de tempo mesmo. Mas leia o post até o final que provavelmente sua dúvida será respondida aqui.

     Quem me acompanha no blog e/ ou Twitter por mais de duas semanas certamente me viu reclamar de alguma empresa, produto ou serviço. Muitos consideram isso um mero #mimimi, ou seja, uma reclamação vazia, de uma pessoa com raiva e que não tem o que fazer a não ser xingar nas redes sociais. Pela minha experiência, se você fizer a coisa direita, isso gera um retorno muito positivo pro seu problema. Então, apesar de alguns contatos te chamarem de mimizento, vale a pena reclamar. Mas como?

     A primeira coisa a se fazer, antes mesmo da contratação do serviço ou da compra do produto, é dar uma pesquisada no histórico da empresa. Eu sei que uma grande parcela das compras são feitas no impulso e isso é um problema sério. Você praticamente está pedindo pra ter problemas. Se você perder 5 minutinhos e entrar no ReclameAqui pra ver como a empresa trata seus consumidores, você já vai conseguir escapar de várias roubadas. Nota: não é pelo fato de simplesmente achar o nome da empresa lá, que ela é ruim. Toda empresa tem problemas! Todas! Como ela lida com os problemas e como trata o consumidor é que faz toda a diferença. Veja os índices de resposta, as avaliações dos consumidores e, se possível, leia a resposta dela a alguns casos, pra ver se realmente está empenhada e comprometida em resolver ou se está apelando para resposta padrões apenas pra ganhar tempo.

     Se você contratou algo e deu problema, o primeiro passo é reclamar junto a empresa. Não adianta por a carroça na frente dos bois, dizer que vai processar e os cambau. Não funciona assim, por mais raiva que você esteja. Primeiro faça um contato com a empresa, preferencialmente de uma forma que você possa documentar todo o trâmite, seja através de email ou gravando uma chamada telefônica. Muitas empresas, já tentando dificultar a vida do consumidor, sequer geram número de protocolo em seus formulários de reclamação. É raro quando reclamo de algo via formulário e recebo um email com um número de protocolo e cópia do que foi reportado. Assim, eu geralmente ligo pra empresa e gravo a chamada.

     Transcorrido alguns dias (geralmente o prazo dado pela empresa) e o problema não foi sanado, recomendo recorrer ao já citado Reclame Aqui, pois muitas empresas mantém uma equipe dedicada a receber e resolver as reclamações vindas do site. Quando você liga num SAC, geralmente, o esse primeiro atendimento é feito por funcionários do mais baixo escalão. Tiveram um péssimo treinamento e não tem autonomia alguma. É mais comum que funcionários mais bem treinados e com maior autonomia respondam as reclamações vindas de sites como o Reclame Aqui, Procon, Anatel, etc.

     Se o seu problema for com uma empresa de telecomunicações, seja fixa, móvel ou tv, recomendo também reclamar junto a Anatel. Já disse algumas vezes que a agência reguladora é totalmente omissa e não tá muito a fim de ajudar. Porém, você deve ter paciência e seguir os trâmites corretos. Entre em Fale Conosco, faça seu cadastro e deixe sua reclamação. Geralmente um funcionário da empresa vai te ligar em até 5 dias, mas costuma ocorrer antes. É comum que os problemas sejam resolvidos nessa etapa, pois a operadora já viu que você não é um “migué qualquer” e está disposto a criar problemas pra eles, então eles estarão mais bem disposto a resolver. Caso mesmo assim, não dê certo, Procon neles.

     Caso o seu problema seja com o setor bancário, outro campeão de reclamações nos órgãos de defesa do consumidor, eu recomendo uma reclamação junto ao Banco Central, que também pode ser feita via internet, clicando aqui. Coloque seus dados, escolha o banco e deixe sua reclamação. Em alguns minutos você irá receber um email do BACEN confirmando que notificou a instituição, te passando o protocolo e dizendo o prazo que eles tem pra responder. O mais comum é alguém da ouvidoria do banco colocar meio kilo de rola na bunda do seu gerente e ele vai te ligar todo disposto a ajudar. No setor bancário, os funcionários vivem numa corda bamba. As cobranças são gigantescas e cada pisada de bola pode ser mais uma chance da guilhotina. Então, use e abuse desse método.

     Apesar de algumas empresas ignorarem sumariamente o Procon, as mais sérias, vão fazer o possível para que sua reputação não seja maculada por uma reclamação desse nível. O Procon do Estado de São Paulo possui um atendimento online, onde você pode deixar sua reclamação via formulário, evitando que você tenha que ir fisicamente ao local. Dependendo do problema, eles vão te mandar um email pedindo alguns documentos e fazem tudo por lá. Alguns poucos casos vão te pedir pra ir até o Procon da sua cidade. Pela minha experiência, a maioria das compras online eles resolvem tudo online. Infelizmente, pra outros estados, você terá que perder um tempinho indo fisicamente até o local. Mas, recomendo que o faça, pois o índice de resolução de problemas é alto.

     Se você já fez tudo isso e, infelizmente, não teve o seu problema resolvido, não resta outra alternativa senão entrar com uma ação contra a empresa. Aliás, se a empresa não responde ao Procon ou se não resolve o problema de forma satisfatória, é justamente essa a recomendação que virá no termo que vão enviar pra você. Geralmente, o problema pode ser resolvido através do Juizado Especial Civil (JEC) e não precisa de advogado. No meu caso, eu tenho um escritório que me presta assessoria, então eu marco uma reunião, conto o caso, mando os documentos e eles resolvem tudo. Nunca tive tempo/ paciência de fazer tudo eu mesmo, mas já tive dezenas de relatos no Twitter de pessoas que fizeram tudo por conta própria e, ou ganharam a causa, ou a empresa propôs um acordo que acabou se mostrando vantajoso.

     Espero que esse artigo tenha lhe inspirado a lutar por seus direitos. Eu sei que vivemos num país de merda, onde a maioria das empresas não trata o consumidor com o devido respeito. Apesar de termos várias operadoras de telefonia, vejo casos absurdos em todas elas. Pagamos uma carga tributária altíssima e não contamos com o respaldo do governo e suas agências para intervir a nosso favor. Mas, mesmo com todas essas adversidades, não deixe que as empresas passem por cima dos seus direitos. Reclame! Corra atrás! O brasileiro é um povo que reclama muito em redes sociais, mas não toma nenhuma atitude mais definitiva pra realmente resolver o problema. Só “xingar muito no Twitter” não vai resolver (na maioria dos casos). Agregue a essa reclamação outras atitudes, como as que citei aqui. As empresas tem pleno conhecimento que muitos clientes não estão disposto a correr atrás dos seus direitos e é por isso mesmo que estamos nessa situação lamentável. Pra elas, fica muito mais barato pagar os processos que perdem do que tratar a todos com respeito. A partir do momento que a conta dos processos começar a ficar alta demais, todos seremos beneficiados com uma mudança de postura por parte das empresas. Corra atrás!

     Em tempo: você pode entrar com uma ação no JEC sem ter usado os outros métodos (Reclame Aqui, Anatel, Procon, etc.) pra tentar resolver? Sim, pode. Mas num país onde os processos se acumulam aos milhões, o juiz verá seu caso com outros olhos se ver que você tentou praticamente de tudo pra resolver e só recorreu a Justiça em último caso. Coloque-se no lugar do juiz. Imagina que você tem a mesa abarrotada de processos e você abre um e vê alguém pedindo uma indenização de R$ 5.000,00 por um produto não entregue e a pessoa nem sequer se deu ao trabalho de ir ao Procon. O que ele vai pensar de você? No mínimo, que você não fez a coisa direito. Em alguns casos, quem sabe, que você é um oportunista querendo ganhar um dinheiro fácil. Por isso, reforço: siga todos os trâmites que recomendei. Caso tudo o mais falhar e você precise do JEC, as chances de ganhar serão maiores. Aliás, não basta “apenas” ter razão. Você precisa comprovar os fatos. Ou seja, reuna a máxima documentação possível, para que você dê pouco espaço pra defesa do réu trabalhar, explorando as brechas que você deixou no processo.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
jan 05

Spotify Premium por menos de R$ 8,00 por mês

8 Comentarios »Postado por GordoGeek em 05/01/2013 às 00:29h

     O Spotify é um dos serviços de música na nuvem mais bem sucedidos nos Estados Unidos e infelizmente ainda não está presente no Brasil. Mesmo assim, muitos brasileiros acabam usando o serviço, seja através da conta básica, disponível apenas para computador ou no modelo Premium, que pode ser usada em tablets e smartphones, inclusive na modalidade offline, ou seja, poder baixar sua músicas pra ouvir sem conexão.

     Pra quem usa a modabilidade básica, o acesso além de ser feito apenas via computador, tem que ser feito via VPN, pra enganar os servidores da empresa, simulando que você está nos Estados Unidos. No Premium, isso não existe. Além disso, uso a conta nos meus smartphones e tablets Android. Posso baixar o conteúdo pra ouvir offline em “apenas” 3 deles, mas me serve bem.

     Como eu tenho conta em banco americano, assino o serviço sem problemas, pagando USD 9.99 todo mês, via débito em conta. Pra quem não tem conta ou cartão emitido nos Estados Unidos, existem algumas alternativas, conforme comentei aqui nesse outro artigo. O problema é que o custo final acaba ficando alto, uma vez que tem a comissão do pessoal que vende.

     Ontem o @FelipeFMenezes, um seguidor no Twitter, me disse que havia comprado um pacote anual por USD 40, que é 1/3 do valor normal. Achei bem estranho e fui investigar. Comprei o pacote de um vendedor do eBay (sharon.scott23@aol.com), paguei via Paypal e pouco tempo depois ele transformou uma conta básica em Premium. Caso queira fazer, faça por sua conta e risco, mas a economia vale o risco.

     Pelo que entendi, a empresa que o cara trabalha tem uma parceria com o Spotify e sua conta fica vinculada a empresa deles. Meu receio é depois de alguns meses a conta ser suspensa ou algo assim. Mas se funcionar durante 4 meses, já tá quitada. O resto é lucro.

     Update 05/01/2013 01:34H => O @LucasBraga comentou comigo no Twitter que tem alguns esquemas furadas de cartões. Ele e alguns amigos tiveram problemas depois de algum tempo usando a GoSpotify. A conta desse cara do eBay está ativa desde 2004 e teve quase 500 vendas. Não sei se o cara iria por uma conta com essa credibilidade em risco. Novamente, quem for arriscar, faça sabendo dos riscos.

     Update 05/01/2013 19:05H => Notei que na minha nova conta Spotify, na parte de pagamentos, consta que eu sou cliente da Telia. Procurado sobre isso na internet, achei no blog oficial do Spotify, um comunicado de 2009, anunciando a parceria com a operadora sueca. Pelo que entendi, a prestadora vende vários produtos e coloca o Spotify no pacote. Claro que eles devem ter lucro com isso e portanto, a conta pra eles sai mais barato. Ao que me parece, algum funcionário da Telia descobriu que pode fazer dinheiro vendendo assinaturas mais baratas no eBay e depois autorizar tais contas Spotify no sistema, como se elas fossem também clientes da operadora sueca.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
out 02

Como usar Spotify Premium no Brasil

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 02/10/2012 às 15:38h

     Em fevereiro desse ano eu mudei os hábitos que tinha para escutar música. Depois de passar a empolgação do lançamento da iTunes Store no Brasil, onde gastei uma boa quantia, resolvi dar uma chance a serviços de música via streaming, mesmo não dispondo de uma banda muito rápida.

     Apesar de gostar bastante do Oi Rdio, que uso há vários meses, não é incomum eu procurar por uma música, ela aparecer listada, mas não disponível para o Brasil. A cada vez que isso acontecia, eu xingava e ficava puto. Foi quando eu decidi conhecer mais a fundo o Spotify, o concorrente direto do Rdio, pelo menos lá fora, já que no Brasil o serviço ainda não está disponível e é necessária uma certa gambiarra pra conseguir desfrutar dele.

     Como eu tenho uma conta em banco americano, assinar serviços exclusivos ao mercado americano não é mais problema pra mim. Todavia, sei que muitos dos leitores não tem esse “luxo” e precisam de outras alternativas. No caso do Spotify, é possível apelar para o Entropay ou GoSpotify.

     Existem basicamente dois planos no Spotify, sendo um grátis e outro pago. No grátis, basta usar uma VPN e você já conseguirá ouvir as músicas no computador. Já a conta Premium (USD 9.99), lhe permite ouvir música não só no computador (sem propagandas) como também em dispositivos móveis (iPhone, iPad, Android, etc.), além de armazenar músicas localmente pra ouvir quando não tiver internet.

     Uma das vantagens do plano premium é que não existe o problema do IP ser brasileiro, ou seja, dá pra ouvir tudo, seja no computador, tablet ou smartphone sem precisar de VPN ativa. Se você quiser mais facilidade, compensa comprar os cartões presentes na GoSpotify por R$ 29,90 o pagamento único ou R$ 14,90 o plano anual. Já se quiser economizar uns trocos e tiver paciência, pode usar os cartões virtuais gerados pelo Entropay, onde você cria quantos cartões quiser e os credita usando seu cartão de crédito internacional.

     Se você chegou nesse ponto e está pensando: “por que eu vou pagar se posso baixar via torrent?”, provavelmente você ainda está naquela fase da vida que é melhor perder um pouco mais de tempo e economizar uma graninha do que pagar pra ter facilidade. Eu já não tenho mais paciência de ficar procurando músicas em torrent, sincronizando entre dispositivos, etc. No spotify, eu procuro o que quero ouvir, já aparece rapidinho, dou play, se gosto mando sincronizar como os dispositivos móveis e tudo funciona perfeitamente.

     Caso você tenha filho pequeno, vale a pena criar uma playlist com músicas da Galinha Pintadinha, Xuxa – Só para Baixinhos e Reginaldo Frazzato Jr.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
set 28

Desabilitando SMS de broadcast no Android

61 Comentarios »Postado por GordoGeek em 28/09/2012 às 18:12h

     Desde que migrei meu chip em definitivo pro Android eu venho recebendo inúmeras mensagens por dia com os dizeres “Broadcast de Rede: Vivo SP 16″. Isso é extremamente chato e não conseguia desabilitar por nada. Cheguei a reclamar junto a operadora e ae me ensinaram como desativar isso.

     No seu Android, vá até o aplicativo de mensagens, abra as configurações, localize a aba “Ativação de CB” e desmarque a opção que provavelmente está ativa. Prontinho, as mensagens vão parar de chegar.

TAG(s):
Categoria(s): Android, Dicas
mar 30

Top 50 da iTunes Store americana no Oi Rdio

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 30/03/2012 às 19:45h

     No começo de fevereiro eu falei aqui no blog sobre o serviço Oi Rdio. Algumas pessoas tiveram dificuldade de entender que, apesar do que o nome dar essa impressão, não se trata simplesmente de uma rádio online. Geralmente em rádios online, você não tem como escolher que música quer ouvir, nem fazer uma playlist. Você simplesmente “sintoniza” uma rádio e ouve a playlist configurada por alguém. Esse não é o caso do Oi Rdio, já que você procura as músicas, monta playlist e pode inclusive baixar pra ouvir offline nos dispositivos, como iPhone, iPad e Android.

     Uma coisa que sinto falta no Oi Rdio é de uma listagem das músicas mais tocadas. Existe alguma coisa lá, mas parece que nunca muda e está sempre com Adele e David Guetta, o que acaba me irritando um pouco. Obviamente eu posso procurar o artista que eu quiser e depois mandar procurar por similares, mas isso não me agrada muito. Por isso, hoje eu tive um trabalho chato de entrar na iTunes americana e procurar, uma a uma, as músicas no Oi Rdio, colocando as 50 mais vendidas numa playlist. Compartilho ae com vocês o resultado. Caso ainda não seja assinante, pode fazer um cadastro gratuitamente (não pede cartão de crédito) e testar por uma semana.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
nov 06

Primeiras impressões do AZBox Bravoo+ HD

12 Comentarios »Postado por GordoGeek em 06/11/2011 às 22:45h

     Temos aqui no blog três posts que são campeões de audiência: o maior deles (disparado), com mais de 2.000 comentários, é sobre como desbloquear seu modem 3G. Os outros dois são focados em TV, sendo um deles um comparativo entre os serviços Sky, Telefônica e Via Embratel e outro sobre como ter acesso a canais pagos, sem pagar, o famoso Gatonet.

     O artigo sobre o gatonet foi escrito há mais de dois anos, em 25 de setembro de 2009. Na época, a técnica mais utilizada era quebrar a codificação do sistema Nagra II, utilizado pela Telefonica. Tal estratégia consistia em pegar os códigos atualizados em fóruns ligados ao assunto, colocar num pendrive e atualizar o equipamento. O procedimento devia ser repetido mais ou menos a cada duas semanas, quando a Telefonica, numa tentativa de coibir tal prática, atualizava os códigos. Contudo, eles eram quebrados, semana após semana, em poucos minutos e disponibilizados aos interessados. Isso só terminou quando a empresa finalmente atualizou os equipamentos dos assinantes para trabalhar com o sistema Nagra III.

     Como numa corrida de gato e rato, a briga não acabou por ae. Os hackers acabaram criando (pelo menos que eu tenha conhecimento) duas novas formas de ter acesso ao conteúdo que queriam sem pagar. Uma delas consiste no uso de duas antenas (SS – satellite sharing), uma ficando responsável por pegar o sinal codificado da Via Embratel e outro por pegar os códigos hackeados de outro satélite. A segunda técnica é chamada de cardsharing (CS) e apesar de precisar apenas de uma antena, exige que o aparelho em questão tenha conexão à internet, pois é dela que virão os códigos de desbloqueio. Vários hackers montam servidores de CS e costumam cobrar cerca de R$ 25,00 mensais para liberar os códigos que permitem acesso a programação da Sky.

     No passado eu fiz testes usando um aparelho dos mais simples, o Probox 530 Lite (tem um post curto sobre ele aqui). Caso você tenha esse aparelho (ou outro similar), ele perdeu sua utilidade com a mudança do sistema de codificação (Nagra III). Todavia, é possível dar nova utilidade ao decoder com o uso de dongles, aparelhos que permitem tanto a conexão com a internet, usando a técnica de CS, quanto a uma outra antena via porta serial, na técnica SS. Esses dongles costumam ser encontrados na faixa de R$ 170,00 no Mercado Livre.

     Dada essa breve introdução aos “não iniciados”, vou falar um pouco sobre o AZBox Bravoo+ HD, um dos aparelhos mais badalados nos fóruns especializados (ele funciona nas duas técnicas, CS ou SS). Ele pode ser encontrado no Mercado Livre ao custo aproximado de R$ 530,00. Como os produtos são utilizados para finalidades que violam direitos autoriais, é comum os links serem denunciados e o Mercado Livre cancelar o anúncio. Assim, muitos preferem não dar detalhes dos aparelhos e muitos anunciam o aparelho todo como sendo apenas um controle remoto.

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Geral
preload preload preload