fev 26

Contornando problemas do token pelo Vivo TuGo

Sem Comentarios »Postado por GordoGeek em 26/02/2016 às 11:16h

      Ontem eu recebi email de um leitor do blog, me pedindo ajuda para resolver a seguinte situação: ele mora no exterior, mas precisa gerenciar conta em bancos brasileiros. Contudo, tais instituições não oferecem como uma opção de token via SMS, o cadastro de números internacionais. Claro, dá pra usar via aplicativo do banco, mas antes de chegar nessa etapa, o banco exige um número nacional para validação.

      Há alguns meses a Vivo lançou um app chamado Vivo TuGo. Com ele, você “transforma” sua linha tradicional da Vivo numa linha VoIP, podendo usar até 5 dispositivos para fazer e receber, tanto chamadas, quanto SMS. Ou seja, se você estiver fora do país e com acesso a internet, via Wi-Fi ou 3G/ 4G, consegue receber chamadas no seu número brasileiro sem pagar exorbitantes tarifas de roaming.

      No caso do nosso leitor, tem um complicador porque, uma vez cadastrado o número da Vivo na sua conta do banco, é necessário ir até uma agência ou uma das máquinas de auto-atendimento para validar a informação. Contudo, uma vez feito isso, poderá receber os token via SMS em qualquer lugar do mundo, usando seu Vivo TuGo. Como ele virá ao Brasil nas próximas semanas, problema resolvido.

      Se você tiver emigrando do Brasil, coisa cada vez mais comum de se ver, devido as atuais condições político e econômicas, recomendo que compre um chip pré-pago da Vivo, ative o app Vivo TuGo e faça recargas mínimas regulares para manter o número ativo. No caso da Vivo, o mais recomendável são R$ 20, válidos por 90 dias. Se depois desses 3 meses você não recarregar, em até 2 meses eles cancelam a linha.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
dez 15

Vale a pena migrar da sua operadora para a OI?

4 Comentarios »Postado por GordoGeek em 15/12/2015 às 12:43h

     Há algumas semanas, TIM e OI lançaram novos planos com tarifas bem agressivas para falar com outras operadoras. Com isso, muita gente ficou na dúvida se vale a pena fazer a migração, mesmo que cada vez mais a tendência seja usar menos minutos e mais internet. Ninguém gosta de puxar o extrato e ver que pagou R$ 1,80 numa chamada de menos de um minuto pra outra operadora.

     Sempre fui usuário das três maiores operadoras: Vivo, TIM e Claro. Contudo, deixava sempre uma de principal e duas de backup. A principal ficava no meu telefone principal (recebendo recargas mensalmente e tendo um plano de internet também mensal) e as duas de backup eu fazia o mínimo de recargas possíveis, apenas pra manter a linha ativa e usava os serviços (geralmente internet) diários, quando a linha principal falhava. Eram usos bem esporádicos.

     Por muito tempo eu usei a Vivo como operadora principal, deixando TIM e Claro de backup. Porém, devido a queda acentuada de qualidade na Vivo, acabei rebaixando-a para backup e promovi a Claro para principal. Mas, tanto Vivo, como Claro, não possuem boas tarifas para falar com outras operadoras e isso era um enorme problema pra mim.

     Como meu plano da TIM era o Beta (100MB de internet por apenas R$ 0,50, o que dá R$ 1GB por R$ 5), acabei comprando um chip novo pra ativar o plano de R$ 7 por semana que dá direito a 150MB de internet, SMS ilimitados e 100 minutos pra falar com qualquer operadora no Brasil todo. Parecia uma grande oferta, mas a cobertura da TIM inviabilizou as coisas. Tentei durante longas 3 semanas e passei muita raiva, conforme relatei aqui nesse outro post. Assim, decidi fazer um teste com Oi, que até então, nunca tinha testado e não sabia da cobertura deles.

     Eu moro no interior e aqui não tem loja própria de nenhuma operadora. Só tem autorizadas, que geralmente só fazem serviços mais simples. Porém, nem isso a Oi tem aqui. Não sabia nem onde comprar um chip. Tentei em vários varejos da internet (como Magazine Luiza, Submarino, Americanas, etc.) e na hora de fechar a compra, dizia que o produto não podia ser enviado pro meu CEP. Ou seja, um primeiro passo nada simples, né? Sem o chip, sem serviço.

     Acabou que encontrei um chip pra comprar (infelizmente, nada de nanoSIM) numa farmácia. O chip custou módicos R$ 10 e veio já com o novo plano deles (que custa R$ 10 por semana) ativo. Logo, o chip acabou saindo de graça. Importante ressaltar que aqui na minha cidade, um chip geralmente sai por R$ 30 e não vem um bônus tão generoso quanto esse da OI. Recentemente tive que trocar chips da Claro e TIM, cada um saiu por R$ 30 e não ganhei nada de bônus.

     Uma coisa que muita gente não se dá conta é o seguinte: de nada adianta a oferta ser boa, se você não conseguir usá-la. Por que eu digo isso? A TIM tinha uma oferta excelente, mas a cobertura é sofrível. Quase nunca tem sinal e quando tem, fica em GPRS. Completar ou receber chamadas é um parto. De cada 7, 1 completa. Assim, não adianta migrar pra operadora e só passar raiva. O barato vai sair caro.

     A não ser que você já conheça muito bem os serviços da operadora que pretende migrar, jamais peça portabilidade do seu número pra ela, sem antes testá-la. Se não sabe como é o sinal onde você costuma estar, tente usar esse site da Anatel pra saber onde a operadora tem suas ERB (Estações Rádio Base), que nada mais são do que as antenas e os equipamentos que te conectam a rede delas.

     Depois de me lascar com a TIM, estava meio na dúvida se valeria a pena ir pra OI. Porém, como vi no site da Anatel que as antenas da OI geralmente estão próximas as da Claro e nesse, eu tenho bom sinal, era uma boa primeira impressão. Não é sempre que o sinal vai ficar igual, porque é algo mais complexo que isso. As operadoras podem usar frequências diferentes e isso vai afetar diretamente o nível do sinal. Além disso, uma operadora pode estar sobrecarregada numa determinada área e outra livre, o que também vai afetar a qualidade final do serviço prestado.

     Se você tiver um outro aparelho pra por o chip da operadora que pretende ir, podendo deixar ele ligado durante um período, sem afetar sua outra linha, é a melhor coisa. Assim, você faz um teste real, de pelo menos uma semana e vê como ela se comporta. Se sair tudo bem, ae você pensa em migrar, fazer portabilidade, etc.

     Caso não tenha outro aparelho, programe alguns alertas em seu celular (8hs, 12hs, 15hs, 18h e 21h) pra tirar o seu chip principal e por o chip da operadora que quer conhecer. Faça umas chamadas, teste a internet, etc.

     No caso da OI, eu achei bem interessante a proposta deles, pois como já disse mais acima, com R$ 10 você compra o chip e já tem esse novo plano ativo por 1 semana. Você terá 300 SMS, 400MB de internet e 75 minutos (pra qualquer operadora no Brasil todo) pra fazer o teste, sem precisar fazer uma recarga.

     O novo plano mais barato da OI custa R$ 10. Achei meio caro, pois são R$ 40 mensais e eu estava acostumado a por só R$ 25 por mês na Vivo ou Claro. Apesar do pacote ser muito bom, eu queria pagar um pouco menos. Eles poderiam ter um plano de R$ 7 por semana (o que daria R$ 28 por mês e não R$ 40), como a TIM e outras empresas tem. Mas se você pensar que vai ter 300 minutos pra qualquer operadora, mais 1.6GB de internet, 1.200 SMS e acesso a rede Oi Wi-Fi, parece troco de pinga.

     Outros planos da OI estão disponíveis aqui. O Controle (com obrigação mensal) mais vantajoso é o de R$ 44,90. Custa “apenas” R$ 4,90 a mais do que manter o semanal de R$ 10 e você ganha 2GB de internet (versus 1.6GB do outro). Se você fala pouco, tem o mensal de R$ 34,10 com 1GB de internet e minutos a parte (R$ 0,30 o minuto pra qualquer operadora). Pra quem fala mais, tem o que custa R$ 10 a mais e tem os mesmos 2GB, mas com o dobro de minutos (500).

     Uma coisa que achei estranho na OI foi a demora pra ativar o meu chip. Foram quase 8hs tentando usar, depois de cadastrar meu CPF e receber mensagem que estava sendo processado. Tive um problema parecido com a TIM também e esse durou quase 2 semanas. Então, 8hs é fichinha. Mas é algo incômodo pra quem quer comprar um chip e sair falando.

     A OI tem um site para os clientes consultarem os serviços, extratos, fazer recargas e afins. Ele é bonitinho e simples. Porém, os extratos disponíveis para a consulta são o dia atual menos 3 dias. Ou seja, se hoje é dia 15/12, só pode consultar até 12/12. Meio antiquado, né?

     A empresa também disponibiliza um app para celular, mas até o momento não consegui usar. Ele dá um erro e pede pra tentar mais tarde. Como contratei a linha tem menos de 24hs, ainda não consegui testar. Talvez nos próximos dias (ou horas) o sistema libere meu número.

     Uma coisa que eu detestei na TIM foi que não tinha como saber quantos minutos eu ainda tinha pra falar. Na OI, eles enviam um SMS quando você desliga a chamada, informando quantos minutos da sua franquia ainda tem. Além disso, se quiser saber essa informação (e outras, como o pacote de dados), basta ligar pra um número e receberá um SMS com todas as informações. Parece básico, mas na TIM eu não conseguia acesso fácil a isso.

     A OI tem nove opções de recarga, que vão de R$ 12 a R$ 200. No caso de R$ 12 e R$ 17, não tem bônus algum e os créditos são válidos por apenas 1 mês. Já nas recargas de R$ 20 e R$ 25, são válidos por 45 dias e você ganha um bônus de 100MB de dados. Com R$ 30, R$ 40 e R$ 50, também tem bônus de 100MB e os créditos duram 3 meses. Por fim, R$ 100 ou R$ 200 duram 6 meses e também tem o bônus de 100MB.

     O sinal da OI tem se mostrado muito melhor que o da TIM aqui pra mim. Claro, pra você pode ser diferente, então vale a pena consultar o site que passei e, quem sabe, comprar um chip pra testar na prática. Mas pra mim, aparentemente, resolveu o problema. Geralmente fica acima de 3 barrinhas no H+. Até o momento não tive nenhum problema pra receber ou fazer chamada.

     Já no uso de dados, aqui na minha cidade, nenhuma operadora tem 4G. Mas a Claro costuma atingir de 5Mb a 12Mb mesmo no 3G (H+). A TIM fica em torno de 1Mb, quando tem bom sinal 3G, o que é bem raro. Já a Vivo, anda uma lástima e não passa de 100kbps. A OI, tem oscilado de 300kbps a 3Mb, mesmo de madrugada, o que me deixou espantado, já que era pra ser rápido, uma vez que tem pouca gente usando.

     Estou cruzando os dedos pra OI manter a qualidade atual por muito tempo, pois assim vou conseguir parar com a putaria de múltiplos chips e ter uma qualidade mínima aceitável. Mas só o tempo dirá. Espero ter contribuído com as informações citadas e, se você é usuário da OI ou vai migrar pra ela, deixe seu comentário ae embaixo pra ajudar mais leitores.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
set 24

O iPhone é o melhor smartphone da atualidade. Correto?

4 Comentarios »Postado por GordoGeek em 24/09/2015 às 17:52h

     Muita gente sonha em ter um iPhone, o dito “melhor smartphone da atualidade”, especialmente quem sofre com Android, Windows Phone e outros sistemas. É correto dizer que com o telefone da Apple, você paga mais caro (muito mais caro, diga-se de passagem), mas fica livre de dores de cabeças?

     Antes de despertar a fúria dos fãs da Apple nos comentários, pra quem ainda não sabe, sou usuário de Android e Windows Phone também. Já passei pelos mais diversos aparelhos, de vários fabricantes, tais como Motorola (Moto Maxx, Moto X 2013, Moto X 2014), Samsung (Galaxy S, S2, S3, S4 e S5, Note, Note 2, Note 3, entre outros), Sony (Xperia Z Ultra, Z2 e Z3), LG (Nexus 4 e Nexus 5), Nokia (Lumia 520, 535, 920, entre outros), etc. Ou seja, eu sei que alguns erros não são exclusividades da Apple. Meu ponto nesse post é justamente esse. Mostrar pras pessoas que o iPhone dá erro, alguns bem bizarros, como qualquer outro dispositivo eletrônico, uma vez que ele é muito endeusado como um “dispositivo mágico e revolucionário”.

     Pra não fazer um post gigantesco, vou resumir apenas o que aconteceu comigo na última semana, ok? Começando com a lentidão que observei no meu iPhone 6+ 128GB. Assim, resolvi limpar tudo e começar do zero. Reinstalei o iOS 9 via iTunes e tentei puxar o backup do mesmo. Porém, no meio, ele simplesmente parou. Provavelmente devia ter algo corrompido. Em resumo: tive que apagar tudo de novo e configurar tudo do zero, já que o backup estava imprestável.

     Logo que saiu o update 9.0.1, fiz a atualização OTA (direto do iPhone, sem iTunes). Na volta do reboot, ele não reconhecia minha digital no TouchID. Me pedia a senha de 4 dígitos, eu colocava e ele não reconhecia. Cada vez que eu supostamente errava, ficava alguns minutos sem poder mexer no aparelho. Por sorte, eu estava em casa, pois se estivesse na rua, estaria fudido. Assim, depois de vários sucessivos bloqueios, desisti de recuperar o que tinha no aparelho, entrei no iCloud e mandei limpá-lo remotamente. Tentei voltar o backup via iCloud mesmo, mas também corrompeu. De novo, me vi perdendo horas pra instalar e reconfigurar tudo do zero.

     Por fim, vou contar a história do vídeo acima. Cansado de sofrer com Android, resolvi pegar usar dois iPhones e não mais a dupla iPhone e Android. Voltei meu backup do iPhone principal no outro aparelho (igualzinho, ou seja, um iPhone 6+ 128GB topo de linha) e logo que tentei fazer uma chamada, deu erro. Fiz de tudo pra tentar usar o aparelho e nada, conforme mostro no vídeo.

     Como minha esposa usava esse aparelho e acabou perdendo-o, eu fiz um boletim de ocorrência e mandei bloquear o IMEI do mesmo. Porém, até eu dar o restore com meus dados, ele estava funcionando com o chip da T-Mobile. Mas, como podia ter algum resquício desse bloqueio, fui até as operadoras (Claro, Tim e Vivo), verificar. Segundo eles, não tem bloqueio algum. Me mostraram até a tela do sistema. No caso da Vivo, me deixou até fotografar a tela.

     Liguei no suporte da Apple, contei toda a história e lá também não consta bloqueio algum. Ou seja, não tá bloqueado por ninguém, mas não funciona. Qual o motivo? Até o momento, a Apple não sabe me dizer. Eles abriram um protocolo pra equipe de engenharia, que fica em Cupertino e nos próximos dias eu terei uma posição.

     Esse post é um puro e simples #mimimi que Apple é uma bosta? Não, amigos. Esse post é um relato dos vários problemas que me aconteceram, apenas na última semana, envolvendo o suposto melhor aparelho da atualidade. Ou seja, se você pensa em fazer um sacrifício e colocar mais de R$ 4.000 num telefone, porque ele é o melhor do mundo e você terá uma vida sem problemas com ele, pense duas vezes.

TAG(s):
Categoria(s): Apple
dez 08

Finalmente: habemus internet via fibra óptica em casa

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 08/12/2014 às 15:40h

     E a saga da minha internet via fibra óptica em casa vai chegando ao fim. Hoje o pessoal da Process finalmente ativou a nova conexão, depois de longos meses tentando via email, telefone, Procon, Juizado Especial Civil, audiência, etc. Como diz o ditado: “antes tarde, do que nunca”. Não é mesmo, Vivo?*

     No final do mês passado, durante a audiência de conciliação, o dono do provedor havia me pedido 90 dias de prazo pra instalar. Por fim, depois de muita negociação, baixou pra 30. Porém, me prometeu que antes disso, não mediria esforços pra instalar antes. Dito e feito. Até eu fiquei surpreso.

     Na semana passada o pessoal da Process veio logo na manhã da segunda-feira fazer a instalação. Conversando com eles, achei melhor adiar por mais alguns dias e refazer a minha tubulação. Não apenas pela fibra, mas porque já faz tempo que queria por a fiação certinha. Ae aproveitei o embalo e coloquei a mão no bolso. A “brincadeira” toda ficou em quase R$ 3.000 (mão de obra e material).

     E se você está se perguntando como eu consegui gastar tudo isso pra passar uma tubulação, veja o vídeo acima pra entender o que eu fiz. Como já iria gastar quase 5 dias inteiro de pedreiro, a diferença entre passar uma tubulação de 2cm ou 10cm seria quase a mesma. Assim, já apelei pra um “grosso calibre” e, em breve (assim que eu terminar de pagar os R$ 3.000), vou passar os cabos de telefone, câmeras e rede dentro da nova tubulação.

     Caso você não tenha entendido o * no primeiro parágrafo, quando mencionei a Vivo, é porque eles também venderam fibra óptica (muito mais barata que essa inclusive), eu já tenho decisão favorável em primeira instância, mas eles ainda não vieram instalar, mesmo com multa diária.

     Não poderia deixar de agradecer novamente ao meu advogado, Dr. Robson Edésio da Silva, que se empenhou em resolver, não apenas o caso da Process, como também o da Vivo. Se tiverem algum problema envolvendo empresas de Telecom, consulte-o.

TAG(s):
Categoria(s): Geral
nov 04

JEC: Vivo será obrigada a instalar minha fibra óptica

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 04/11/2014 às 11:30h

     Em agosto eu falei aqui no blog que iria processar a Vivo e a Process por me venderem fibra óptica, mas se recusarem a honrar a oferta e instalarem, alegando a famigerada “inviabilidade técnica”. Conforme prometido aos leitores, também disponibilizei um modelo de petição pro consumidor lesado entrar no Juizado Especial sem precisar de advogado (apesar de recomendar fortemente que não façam).

     Enquanto o caso da Process ainda terá audiência no final do mês, o caso da Vivo já foi julgado e GANHEI. A decisão foi divulgada hoje e o juiz entendeu que a Vivo se comprometeu a entregar algo e não cumpriu, o que viola o CDC (Código de Defesa do Consumidor). A multa diária para não instalação em 10 dias é de R$ 200,00, ou seja, R$ 6.000,00 por mês. Convenhamos: é troco de pinga pra uma multinacional, mas pelo menos é um mecanismo jurídico válido pra tentar fazer a empresa “correr”.

     Exposto o caso, agora vamos a algumas considerações importantes, a começar pelo caso no JEC (Juizado Especial Civil). Como eu já havia dito antes, não precisaria de advogado. Contudo, foi fundamental contar com um, já que, como eu já tinha alertado no post anterior, a Vivo tentou de tudo para “tumultuar o processo” e, se eu não tivesse um advogado, não saberia como responder e, mesmo tendo razão, provavelmente teria perdido o caso. Ou seja, o tipo de “economia burra” que não devemos fazer.

     Em sua defesa, a Vivo alegou que não caberia ao JEC julgar o caso, já que o mesmo necessitaria de perícia técnica para comprovar a inviabilidade técnica e isso não cabe ao Juizado. Porém, o juiz entendeu que não havia necessidade e julgou o mérito da questão ele mesmo, com base nos documentos que apresentei, comprovando que havia realmente contratado o serviço e a prestadora se comprometido a instalar.

     É bem provável que a Vivo recorra (sempre fazem isso), mas fiquei satisfeito com a decisão inicial. Achei que o juiz poderia “passar a bola” pra “Justiça comum” e isso iria se arrastar por anos, além de ficar caro, devido as custas judiciais, perícias técnicas, etc.

     Update 1: Houve audiência no caso da Process e eles decidiram honrar a oferta, instalando a fibra que haviam me vendido.

     Update 2: A Vivo já perdeu em primeira instância (Matão), na segunda (TJSP) e na terceira (STF). Mesmo assim, até o momento ainda não instalaram. Afinal, pra que cumprir a lei, né? Grandes empresas podem se dar ao luxo de dobrá-la a seus caprichos.

     Update 3: Infelizmente fiquei sem os 100Mb de fibra “barata” da Vivo. Vou continuar pagando R$ 250/ mês pra ter 20Mb com meu provedor local. Eu realmente preferia pagar pra Vivo e ter o que contratei, a receber essa indenização. Porém, a Justiça condenou a Vivo a pagar quase R$ 13.000 de indenizações. Ainda sai com um gostinho de derrota, porque a Vivo me fez de otário. Mas ao menos, teve alguma perda financeira com isso.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
out 08

Vivo muda políticas de uso do 3G. Vamos pular fora?

7 Comentarios »Postado por GordoGeek em 08/10/2014 às 09:41h

     Sou cliente das três principais operadoras do Brasil (Vivo, Tim e Claro) há alguns anos. Faço isso porque não confio em nenhuma e preciso de contingências, especialmente em minhas viagens. Mas, como eu já narrei aqui outras vezes, mesmo com 3 chips às vezes ainda passo nervoso.

     Como a maioria dos meus familiares são clientes antigos da Vivo, acabo usando o chip deles como principal. Eu tenho o plano Vivo Sempre, onde recarrego R$ 25 mensais e falo com qualquer número da empresa, no Brasil todo, pagando R$ 0,06 (eram R$ 0,05) por minuto. SMS pra qualquer operadora sai também por R$ 0,06 (também eram R$ 0,05). Pra internet, antigamente tinha 200MB por R$ 11,90 (era R$ 9,90) e agora uso o 400MB por R$ 19,90. Resumindo: a Dilma pode falar que não existe inflação, mas não é o que acontece! Vemos que o preço de tudo está subindo, inclusive os serviços de telecomunicações.

     Apesar deu ter um chip Tim Beta, onde eu pago R$ 0,50 (era R$ 0,25) por dia de internet, mais R$ 0,50 (também era R$ 0,25) por dia de ligação pra qualquer Tim no Brasil todo, tenho poucos contatos que são clientes da empresa (talvez pelo sinal, na maioria das vezes, ser um lixo). Notem que, diferente da Vivo, eu posso fazer 1 ou 100 chamadas que vou pagar apenas R$ 0,50 por dia de uso (não é por chamada). Então é um plano super vantajoso pra quem fala bastante e tem vários contatos que também estão na operadora.

     O que me motivou a fazer esse post não foram os seguidos aumentos de tarifa (pois isso ocorreu em todas as empresas), mas algo que irá mudar na Vivo nos próximos dias: o fim da internet “ilimitada”. Atualmente, quando se atinge a cota de internet pré-paga, a empresa reduz a velocidade da sua conexão (geralmente a ridículos 32kbps) mas o cliente continua a navegar. A partir do começo de novembro, a internet será cortada, ou seja, quem quiser continuar a navegar, terá que contratar um novo pacote.

     Como a imensa maioria dos clientes das operadoras usa planos pré-pagos, imagino que isso vá causar um enorme impacto em suas vidas, especialmente pra aqueles que tem WhatsApp, Viber, Flickr e outros apps instalados. Isso porque, esses programas (e muitos outros) costumam vir por padrão com a opção de baixar tudo via 3G (e não apenas no Wi-Fi). Com isso, um plano de 10MB de cota vai pro saco numa velocidade inacreditável. Hoje, o cliente é “penalizado” com a redução da velocidade, mas continua a navegar. E quando a sua internet for cortada?

     Nesse ponto, muitos dos leitores, “mais descolados”, devem estar pensando: “Mas é simples mudar isso. Eu sempre mudo.”. Então caro leitor, mas você é minoria. Sua mãe, tia, avô, etc. sabe disso? E sabe como mudar isso nos apps? Duvido! Na semana passada mesmo, o entregador do Submarino veio me trazer uma encomenda e comentou comigo que a internet vive lenta. Quando fui ver, WhatsApp, Viber e outros estavam comendo todo o plano de dados dele. E tenho certeza que isso acontece com a maioria dos usuários.

     Se você é cliente pré-pago da Vivo, comece a pensar se vale a pena pedir a portabilidade para outra empresa, pois nos próximos dias a política da operadora irá mudar e isso pode lhe causar grandes transtornos.

TAG(s):
Categoria(s): Notícias
ago 14

     Essa história já deve ter acontecido contigo ou você já ouviu algum conhecido falar coisa similar. Cansado da sua banda larga obsoleta, o cliente liga pra sua operadora solicitando a migração para um plano superior e ouve “senhor, não temos viabilidade técnica no momento”.

     Geralmente, quem mora em grandes centros, onde a concorrência no setor é feroz, não sofre com isso. Porém, moradores de bairros mais afastados e especialmente quem mora no interior do estado, ouve demais isso. Chega a ser desesperador, pois você vê seus amigos falando que tem internet de 100Mb e você ae se arrastando com meros 2Mb, onde tudo que se faz é aguardar, pacientemente, as coisas carregarem. E, quem como eu, é pai, sabe que paciência não é lá uma das grandes virtudes dos filhos quando querem ver Netflix, Youtube, jogar, etc. Né?

     Não dá pra generalizar e dizer que todas as operadoras são sacanadas, mas vamos fazer um exercício de imaginação. Fulano tem uma internet DSL de 2Mb da operadora fictícia Telecômica e paga R$ 69 por ela. Já o plano de fibra com 100Mb, sai por R$ 89, ou seja, apenas R$ 20 a mais. Qual o interesse comercial de tal operadora em vender um produto 50 vezes mais rápido pra esse consumidor, caso ela não tenha concorrentes na região? Pois bem, é isso que acontece em grande parte do país.

     Um dos motivos mais usados pelas operadoras que não querem migrar o cliente de plano é a tal “inviabilidade técnica”. Porém, quase nunca provam/ explicam exatamente o que isso quer dizer. E, em certos casos, chegamos ao bizarro dos vizinhos terem o serviço, mas o consumidor em questão não. Isso é ilegal?

     Eu conversei com o advogado Robson Edésio da Silva sobre isso e transcrevo abaixo o que conversamos.

Continue a leitura..

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
ago 12

Não deixe a VIVO te enganar com as siglas NOR/ MVB

5 Comentarios »Postado por GordoGeek em 12/08/2014 às 14:20h

     Quem acompanha o blog já sentiu que estou numa verdadeira cruzada contra a operadora Vivo já tem algumas semanas. Depois de reclamar direto na operadora, ouvidoria, Reclame Aqui e Anatel, todos sem sucesso, tive que ir ao Procon aqui da cidade, já que o Procon online só funciona em casos de compras e não de serviços.

     Como eu já previa, a atendente entendeu o caso rapidinho, já que basta olhar no extrato e notar o que eu realmente usei (e consta discriminado) e o que a Vivo debitou. Ou seja, usei menos de R$ 5,00 e me cobraram uns R$ 150,00. Uma “pequena diferença”.

     Diferente do acontecido nos outros atendimentos, imediatamente a Vivo se prontificou a devolver o dinheiro. Porém, eu deixei bem claro que só aceitaria se fosse na modalidade NOR e não como bônus, pois já cai nessa pegadinha outras vezes. Por duas vezes a atendente confirmou e vim pra casa com a sensação de dever cumprido.

     Como fiquei mais de 2 horas no Procon (tinha fila), fui almoçar e logo em seguida entrei no site da Vivo pra ver meu saldo. Adivinha? Lançaram o valor acordado como bônus e não como saldo NOR, conforme eu havia insistido que queria. Mas qual a diferença?

     Quando você faz uma recarga, ela entra no saldo NOR (provavelmente abreviação de NORmal, mas é apenas um chute). Esse saldo não se perde. Ele tem data para expirar, mas quando você faz uma recarga, o valor é somado ao anterior. No caso do bônus, não. Quando expira, se perde. Senão usou, já era.

     O mais grave no entanto é a forma de cobrança. Quando você tem um plano, como eu tenho o Vivo Sempre, a tarifa é de R$ 0,06/ min. pra qualquer Vivo no Brasil. Isso é descontado do saldo NOR. Porém, quando você tem saldo bônus, a Vivo, muito esperta, não usa a tarifa do seu plano pra descontar desse saldo. Ela usa a “tarifa cheia” do pré-pago, que é de quase R$ 2/ min. Ou seja, mesmo que eles te devolvam R$ 100 de bônus, isso não dá pra nada.

     Como eu já venho demonstrando a semanas aqui, a Vivo realmente não respeita ninguém. Não respeita os funcionários, o consumidor, o Procon… Agora eu vou ter que perder trabalho de novo pra ir ao Procon ver o que pode ser feito.

     Update 12/08/2014 15:34h => Tentei procurar no Google por isso, mas não achei nada. Dae, conversei com uma fonte que trabalha na operadora e essa me passou o seguinte. MVB é provavelmente uma promoção de alguma recarga que você colocou, 100 minutos pra Vivo. Chama Minutos Vivo Brasil. PCF é a Internet pós franquia. BFC bônus da promoção favorito, vc tinha 1000 minutos para um número Vivo escolhido. PVO é o uso dos 400MB de internet dentro da franquia.

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
ago 11

Vivo e a falta de respeito com o consumidor brasileiro

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 11/08/2014 às 14:35h

     Já tem 3 semanas que tento resolver, sem sucesso, um problema com a operadora Vivo. Já contei a história aqui nesse outro post, então não irei me repetir. Pois, diferente da Vivo, eu sei que o seu tempo é importante e não deve ser desperdiçado. Pelo contrário, quero lhe fazer ganhar tempo.

     O episódio mais recente que eu gostaria de compartilhar com vocês ocorreu há alguns minutos. Recebi uma ligação deles e, quando achei que finalmente fôssemos por fim a essa novela, a Vivo novamente me decepciona. Primeiro, a atendente me disse que eles não iriam me fornecer a gravação da chamada telefônica, como eu havia solicitado junto a Anatel. Depois, quando comecei a argumentar sobre isso, desligou o telefone na minha cara, sem cerimônias. Afinal, respeito pra que, né?

     Já ouvi de muitas pessoas: “GG, você adora um processo. Vai ficar ryku com isso”. Como eu também já escrevi aqui no blog, eu percorro, durante semanas, todo um caminho, pra conseguir resolver a reclamação fora da esfera judicial. Começo direto com a operadora, vou pro site Reclame Aqui, ouvidoria da operadora, Anatel, Procon e, não havendo mais o que possa ser feito, Juizado Especial Civil (JEC). Ou seja, não fico rezando pra cair um problema no meu colo, processar a operadora e ficar ryku. É bem o oposto disso. Perco meu tempo e me desgasto correndo atrás de uma solução amigável.

     Quem acha que consumidor que processa empresa, no Brasil, fica ryku, anda vendo muitos filmes e seriados americanos. Lá, talvez, a pessoa até consiga uma grana fazendo isso. Aqui, somos feitos de idiotas. Simples assim. O “simples descumprimento de um contrato”, ou seja, quando a empresa se recusa a fazer o que foi combinado, não gera dano moral. Agora, quando a empresa começa a ser negligente, fazer o consumidor de idiota, como a Vivo vem fazendo, a coisa muda de figura. Mas, mesmo assim, na remota hipótese do juiz entender que realmente cabe dano moral, esse valor chega a uns R$ 5.000,00, quando muito. O que, com certeza, não pesará muito para a empresa, que não se sentirá obrigada a respeitar o consumidor e nada mudará.

     Algumas pessoas argumentam que o Judiciário não dá altas multas pra não estimular o consumidor a querer brigar por qualquer coisa. Eu já acho o oposto. Se as multas fossem altas e a punição severa, as empresas iriam se adequar e não mais iriam fazer os consumidor de idiotas, atendendo as suas demandas logo de cara, evitando assim, que elas chegassem a Justiça. Dessa forma, teríamos muito menos processos se empilhando nos Fóruns e não o contrário.

     Em tempo: o Canal do Otário, deu RT no post sobre a Vivo na semana passada. Resultado: mais de 10.000 views e quase 200 curtidas. Ou seja, ao invés da Vivo investir no pós-venda, não deixando o caso chegar a isso, prefere fazer o consumidor de otário e depois investir bilhões em marketing, pra tentar fortalecer uma marca que ela mesma vem queimando ao longo dos anos.

TAG(s):
Categoria(s): Geral
ago 05

Ouvidoria da VIVO enganando consumidores da operadora

1 Comentario »Postado por GordoGeek em 05/08/2014 às 11:27h

     No dia 19 de julho eu fiz um post aqui no blog pra comentar de um processo judicial que a VIVO perdeu. O motivo? Ela, supostamente, orienta seus funcionários a mentirem, na cara dura, pros clientes. E, quando esses se negam, sofrem assédio moral e até chegam a ser demitidos por isso.

     Eu tenho algumas dezenas de protocolos de reclamação contra a VIVO na Anatel. A maioria deles é por motivos de cobranças indevidas. Assim, passei a controlar mais de perto meu saldo e, ao menos uma vez por mês, eu coloco numa planilha quanto eu tinha de saldo. Venho fazendo isso de 2011 pra cá.

     Tanto eu, quanto minha esposa e outros membros da família, somos clientes VIVO e temos o plano VIVO SEMPRE, no qual colocamos R$ 25 a cada 30 dias e falamos com qualquer outro número da operadora, no Brasil todo, a R$ 0,06 (era R$ 0,05) o minuto. Ou seja, em 12 meses, a gente paga R$ 300 pra operadora. Mas, como uso bem pouco, eu tinha muito crédito acumulado. E, de uma hora pra outro, os créditos simplesmente sumiram. Nem lançamentos a débito no extrato constam. Foram quase R$ 150 de prejuízo.

     Reclamei da VIVO no site ReclameAqui e na Anatel. Passaram-se os 5 dias úteis previstos e nenhum contato. Até que hoje me ligaram e não conseguiram me explicar o que houve, mas não propuseram me reembolsar. Assim, liguei na ouvidoria da empresa. Na primeira tentativa, depois de 12 minutos explicando o caso, a chamada caiu e não retornaram. Já puto com a situação, liguei novamente e comecei a gravar a ligação. Até que, pasmém, não sei se por orientação da VIVO (visando lesar o consumidor) ou por despreparo, o funcionário insistiu que agora, todo e qualquer crédito, expira em 30 dias e por isso meus créditos teriam sumido.

     Realmente houve uma mudança recente. Inclusive, algumas operadoras recorreram e acabaram derrubando a decisão. Tal decisão, entre outras coisas, dizia que as operadoras não podiam vender créditos com validade inferior a 30 dias. Ou seja, adeus recargas de R$ 2 válidos por 5 dias. Agora, o mínimo são 30 dias. Eu tentei argumentar com o funcionário que ele havia feito confusão, mas o mesmo disse que quem estava errado era eu.

     No meu extrato dos últimos 30 dias constam apenas 2 chamadas, totalizando meros R$ 0,48. SMS eu já usei mais e foram R$ 3,96. Ou seja, ligações e SMS não totalizaram nem R$ 5 e me debitaram quase R$ 150. Pra mim, está claro que houve um erro. É evidente. Basta fazer contas. Mas os funcionários da VIVO parece que são orientados a irritar, confundir e fazer seus clientes perderem tempo, ao invés de resolverem o problema.

     Fico aqui me perguntando: quantas pessoas tem esse mesmo controle que eu tenho das contas? Com quantas pessoas a VIVO teria cometido esse “erro sistêmico pontual”? Quantos milhões de clientes da operadora podem ter sido lesados e não estão sabendo? Afinal, a empresa ainda é a maior operadora do Brasil e 80% dos clientes são pré-pagos. Se esse “erro sistêmico pontual” acontecer em 10 milhões de contas e 10.000 (chutando alto) reclamarem, quanto a empresa lucra com esse erro?

TAG(s):
Categoria(s): Dicas
preload preload preload